Todos os artigos de Frize de Limao

ENTREVISTA Tribos: Líder da tribo vencedora do mundo PT 28: -DarK-

ENTREVISTA AO LÍDER DA TRIBO VENCEDORA DO PT28

Antes de começarmos a entrevista, gostaria, em nome do suporte do Tribos, de te felicitar pela vitória conseguida no mundo 28, e agradecer por partilhares conosco a tua experiência enquanto líder da tribo vencedora.
1- Antes de irmos ao factor jogo propriamente dito, fala-nos um pouco da tua vida pessoal. De que te ocupas durante os dias além do Tribos?

Tenho 23 anos, sou web developer e estudante de engenharia informática em regime pós laboral. Para além disso tento estar com a familia e amigos e claro, muita copofonia 😀
2- Qual foi o primeiro mundo que jogaste? Como foi essa experiência inicial?

Entrei em vários mundos mas o primeiro mais a sério foi o pt22. Conheci muita gente e criaram-se laços que ainda hoje perduram.

3- Se tivesses que fazer um auto-retrato sobre a tua liderança, que palavras-chave escolherias e porquê?

Justo, icentivador, liberdade – Penso que sempre fui o mais justo possível no entanto não se pode agradar a gregos e a troianos, sempre tentei icentivar a malta nas alturas mais complicadas, muitos sittings às costas e sobretudo sempre ouvi as opiniões dos outros deixando-os ter liberdade para tomar decisões pois estávamos todos a trabalhar para o mesmo. Mais que um líder, temos de ser mais um a remar para o mesmo lado.
4- Qual foi o vosso primeiro objetivo no mundo enquanto tribo?

Entramos no pt28 como premade, um projeto que incialmente eu só viria ajudar e sem responsabilidades o que passado algum tempo se tornou uma realidade. Com a falta de tempo dos outros líderes, fui digamos que automaticamente nomeado para suportar a tribo provisoriamente o que acabou por durar o resto do mundo.
5- De entre as várias fases do mundo, qual foi a que trouxe mais dificuldades à Velha Guarda?

A fase de que me recordo em que estivemos mais aflitos foi quando um grupo decidiu virar a casaca e começar a apoiar o inimigo. Para ajudar tinhamos uma fronteira enorme e que muitos de nós estavamos em várias zonas a defender ao mesmo tempo. A juntar a isso temos os inativos que são sempre complicados de gerir, nunca sabemos se voltam mesmo, se devemos absorver ou tentar segurar o maximo a conta.
6- Houve alguma coordenado vosso que tenha corrido menos bem? Como fizeste para inverter a situação?

Houve coordenados a não conquistarmos nada ou simplesmente conquistar uma aldeia ou duas. A solução foi reunir novamente a malta e voltar a atacar, podemos nao conquistar mas matamos defesa e uma coisa todos sabíamos, a defesa demora mais a refazer logo era uma questão de tempo até conseguirmos aquilo que queríamos – destruir os bunkers. Entretanto variávamos nas frentes para mexer com a defesa deles, atacávamos aleatoriamente etc. Foi muito tempo de jogo como podes calcular foram inumeros coordenados das mais diversas formas inclusive a forma descoordenada 😀 (simplesmente tudo para cima deles!!! carreguem-lhes!)
7- Qual foi o vosso coordenado mais bem sucedido em termos de aldeias conquistadas?

… difícil escolher um, todos foram importantes para o chegarmos onde chegamos. Pelo menos sempre foi esse o nosso pensamento. Ganhar, ganhar e ganhar.
8- Podemos afirmar que a tribo que mais vos atrasou na chegada à vitória no mundo foi a 666, ou consideras que houve outra mais complicada?

Obviamente a 666 foi a mais complicada pois para além de ter sido nossa aliada a maior parte do tempo do mundo e ter forçado uma guerra connosco criando conflitos constantes (devido a alguns membros que tinha na altura amigos da antiga RUN). Tambem a RUN foi uma guerra forte e que durou bastante tempo. Esta já teria rivalidade com muitos de nós uma vez que muitos deles tinham sido adversários da Velha Guarda no pt22 de onde viemos vários jogadores.
9- Quais são os colegas em quem mais confias no Tribos e na Velha Guarda e que te ajudam nos períodos difíceis do jogo?

São muitos, muitos assim como eu já estão reformados do jogo outros não sei do que é feito deles pois apesar de termos os contactos uns dos outros cada um tem a sua vidapessoal fora do jogo e à qual se dedica agora. Mas alguns nomes são Biogul, Dj Fénix, 4SakenMafia, AntunVanOut, Tekker3000, Skyblue entre muitos outros não menos importantes mas estes foram aqueles que sempre estiveram lá para o que era preciso. Desde planear coordenados, defesas, segurar uma conta, atacar com outra etc etc. contudo todos foram fundamentais para vencer o mundo. A todos as maiores felicidades e preparem-se pois um dia podem ser convocados para mais uma guerra!
10- Jogas atualmente em algum mundo ou pensas vir a jogar?

Para já não estou a jogar em nenhum mundo pois a minha vida não o permite. No futuro nunca se sabe senão voltamos a entrar todos para vencer mais um :p
11- Que ensinamentos achas que deves deixar aos aspirantes a líderes do servidor português?

Levem as coisas com calma, respeitem-se uns aos outros, sejam pessoas de palavra e unidos aos vossos membros. Não se esqueçam que podem ser lideres mas tambám são mais um soldado a lutar ao lado deles. Divididos cairemos, unidos venceremos.
12- Para terminar, o que mudarias no jogo?

Penso que o jogo está ir muito para o caminho de quem tem dinheiro é que ganha servidores, compreendo que o jogo tem custos mas não precisam de abusar. Estão a afastar quem vem jogar pelo divertimento e pela competição para ficarem apenas com quem gasta dinheiro à parva aqui. Tornaram um ciclo vicioso, se o jogador A gasta X, o jogador B 90% das vezes terá de o fazer também para o acompanhar. Basta avaliar os inicios dos mundos, quem compra muito recurso facilmente se destaca dos outros. É a diferença entre demorar 1 semana até a primeira conquista ou demorar 1 mês.

TRIBOS – Mundo 27 – Entrevista Líderes da Tribo Vencedora

ENTREVISTA À LIDERANÇA DA TRIBO VENCEDORA DO PT27

Antes de mais muito obrigado pela vossa disponibilidade para enriquecerem o blog da comunidade com as vossas experiências neste mundo 27 que conseguiram levar de vencido.

1- Quando é que o tribos entrou na vossa vida e como foram as vossas experiências iniciais?

Tcarreiras: O tribos entrou na minha vida através do meu irmão, as experiências iniciais foram deveras ridículas pois entrava a meio dos mundos e mal fazia academia era conquistado, ahahahaah.

Power of Fusion: O tribos entrou na minha vida por volta de 2006 através do meu filho Bruno nem sei bem em que mundo. Jogávamos os dois por diversão mas a verdade era que nenhum de nós percebia a essência do jogo. O primeiro mundo em que aprendi mesmo a jogar foi o pt21. E ai tive o prazer de conhecer quem me ensinou a jogar, foram vários, desde colegas de tribo a inimigos. Foi nesse mundo que entrei para a «S!». Acabei por desistir por motivos pessoais e falta de disponibilidade.

U mad Superman: O tribos entra na minha vida na altura do p17, penso que já tive conta no 16 mas apenas conquistei 2 barbaras ou la o que foi até ser conquistado. No 17 a conversa é outra e tive a sorte de jogar com excelentes jogadores mas acima de tudo com excelentes pessoas. Naquela fase inicial do mundo a AE estava em forma com o vitti, whitewall que na altura tivemos umas provocações e tal  mas acima de tudo certas pessoas fundamentais rescuer, angel warrior, klayroad, xbean, king traf… Penso que são estes no pt17 que me ensinam praticamente o principal do tribos, cheguei a ter 183 aldeias e desisti. Este pt fica marcado pela aparição de uma “MakeSilence” criada pelo davidze in game mas que durou pouco tempo, eu e o davidze apesar de inimigos neste mundo estabelecemos uma boa amizade e surge então o convite para integrar no mundo 21 a Make Silence. Nessa 21 desisti logo no inicio devido à escola mas passado uns meses um amigo propôs me co op e voltei ao mundo onde integrei a Silence que mais tardei liderei com o davidze até que este desiste e com a Ibiza la fui ficando com a tribo. Depois de levarmos muita porrada, com poucos jogadores ativos, e com pouco tempo acabamos por colocar um ponto final na tribo. Daqui surge o pt27, uma vez que passado algum tempo eu e davidze decidimos voltar ao tribos até porque calhava na altura das férias da escola. Surge um projeto com pés e cabeça, com sprinters e endurancers, um projeto que acabou por se impor no pt27. Contou novamente com a desistência do davidze e de muitos sprinters mas ficou bem entregue comigo e com a Paula, e depois o fred (passaram alguns membros na liderança aqui pelo meio). São pessoas como estas que falei, entre outras, e jogadores como estes que me fazem continuar a jogar tribos, no fundo são eles os responsáveis por eu gostar de tribos!

 

2- O que vos motivou a meter mãos à obra e organizar e liderar uma tribo?

Tcarreiras: O projeto Make Silence não foi um projeto meu, entrei numa fase inicial da tribo através de recrutamento, entrei para a liderança posteriormente.

Power of Fusion: O projeto foi do david, ibiza e zé. O David estava muito ausente e foi nessa altura que recebi o convite para integrar a liderança da parte da ibiza e do coiz.

U mad Superman: Como referi anteriormente não foi bem um projeto nosso, o nosso projeto surge para o pt36 o qual vamos fechar dentro de 1 mês… Penso que o facto de termos ganho o 27 e ter muita malta que só se dedicava aquele mundo, o facto de termos um grupo de 15/20 jogadores de extrema confiança prontos a iniciar um novo mundo, fez com que eu e o fred organizássemos um projeto. Endurancers não faltavam no nosso plantel, o nosso maior problema foi encontrar sprinters que já estavam quase todos em tribos adversárias. Mas o nosso projeto acabou por se revelar bastante positivo e vai fechar o 36.

 

3- Houve algum momento em que os vossos jogadores estivessem em baixo e que tivessem que encontrar uma forma de lhes dar nova motivação para prosseguir rumo aos objetivos?

Tcarreiras: Houve diversas situações em que tivemos de ser psicólogos, amigos, confidentes, aliás no seguimento disso eu próprio desabafava da minha vida pois começou a haver uma cumplicidade enorme entre mim e os jogadores da tribo o que fez com que confiassem no trabalho da liderança.

Power of Fusion: Isso acontece variadíssimas vezes e é esse um dos prazeres de liderar, resolver problemas e “deixar todos contentes e motivados” para cada um dar o melhor de si em prol da tribo. Muitas horas de mp’s para conhecer cada um deles e saber falar adequadamente de maneira a “levar a coisa a bom porto”.

U mad Superman: Tivemos uma fase crítica com muita malta a desistir devido a variados motivos. Estava-mos em guerra com a top2 e top3 do mundo e com tanta desistência nossa na altura levou à desmotivação de alguns mas o nosso grupo forte e ativo que sustentava a tribo acreditou e esteve sempre do nosso lado e isso facilita o nosso trabalho. Existe até uma altura neste pt27 em que pensamos seriamente em deixar de liderar visto que estávamos sem tempo e devido também a motivos pessoais… Isto levou a uma fusão com a unum pois nós tínhamos um excelente grupo de jogadores mas não tínhamos nenhum com disponibilidade suficiente para comandar esse grupo. A unum acabou por ser uma desilusão. Respeito e gosto muito do qwase apesar de ele nunca mais ter falado comigo após o sucedido mas  a verdade é que ele tinha ainda menos tempo que nós. Assim voltámos a juntar os da make silence e alguns membros ativos da unum que nos quiseram acompanhar.

      

4- Qual o adversário/tribo que mais vos dificultou o percurso no mundo 27?

Tcarreiras: Revolution sem dúvida, pois era uma tribo coesa e forte. O adversário também não tenho dúvida alguma que foi o Tecaneles, excelente jogador e boa pessoa, o melhor duelo que defrontei no tribos foi com ele no pt27.

Power of Fusion: A tribo foi sem duvida alguma a revolution, excelente líder e jogador, Tecaneles.

U mad Superman: Penso que foi a Revolution …Obviamente que complicou ainda mais o facto de estarmos em guerra com a Revolution e unum ao mesmo tempo.

 

5- Conseguiram conciliar bem a tarefa árdua de serem jogadores de “topo” no mundo com a tarefa de liderar uma tribo com este grau de elevada exigência? 

Tcarreiras: Foi complicado, pois a primazia sempre foi a tribo e a resolução dos seus problemas e os sitters, mas como tinha muito tempo para o jogo (18h online) consegui conciliar a liderança com o jogo em si. 

Power of Fusion: De um modo geral conseguimos, mas houve alturas bem complicadas. Claro que a tribo e o seu objetivo eram sempre a prioridade.

U mad Superman: A prioridade foi sempre a, era mais importante fazer uma reunião ou uma chamada do que perder esses 30min/1h a conquistar aldeias. A tribo foi sempre colocada à frente da nossa conta. No que toca a minha conta o mérito não é só meu. Existem mais dois pilares nesta conta, nomeadamente o Seta e o Tiago. Duas excelentes pessoas com quem foi fácil fazer co op devido à personalidade de ambos! Dois bons amigos deste TW! O Seta depois abandonou devido a umas chatices com outros membros da tribo mas deixou a sua marca por todo o tempo e trabalho que investiu na conta.

 

6- Sendo uma liderança tripartida, optaram por dividir tarefas entre vocês ou participavam os três sempre que era necessário realizar uma tarefa? 

Tcarreiras: Tudo o que era necessário resolver, resolvíamos os 3, conversávamos diariamente basicamente pelo jogo/telemóvel. Portanto tudo o que foi decidido e tratado foi sempre com conhecimento de todos os Lideres. Foi fácil liderar com ambos pois são pessoas muito inteligentes e perspicazes além de ambos terem um coração enorme. Tivemos algumas divergências mas sempre faladas e “discutidas” sem problemas ou confusões. 

Power of Fusion: Nós participávamos os 3 na resolução de todos os problemas e consequentemente atribuíamos tarefas mediante o perfil de cada um de nós.

U mad Superman: Tudo decidido em grupo sempre. Penso que se tornou hábito na altura ligar-lhes à noite para falarmos de estratégia, do que se passou. Aliás ainda hoje não estando em nenhum mundo com o Fred (além do 36 que fecha dentro de 1 mês) ligamos várias vezes um ao outro nem que seja só para falar por falar. Duas excelentes pessoas com as quais a minha relação vai um pouco além do jogo, também derivado de todo este tempo juntos!

 

7- Quais os jogadores que merecem a vossa confiança completa e que vos acompanharam nos momentos mais difíceis?

 Tcarreiras: Os jogadores que sempre estiveram a nosso lado em todas as circunstâncias foram: O meu co-sitter em alguns momentos (Daniel), Irreverent Angel (a dupla), Seventeen, assassin007, vodca, Hot Stuff (mesmo com divergências em certos pontos, sempre confiei nele), o Zé (Superman) foi um pilar enorme, sendo umas das melhores pessoas do tribos que conheço e claro a PowerOfFusion (Paula) e certamente existiram mais mas já passaram uns anitos.

Power of Fusion: Existem vários: Shadowarrior (desde pt21), Tiago, ireverentangel, Gonçalo oliveira, Daniel, Seventeen, assassin007, vodca, Vanhelssing e de certeza que me estou a esquecer de alguem e peço desculpa por isso.

U mad Superman: São muitos mesmo, felizmente. Em primeiro lugar Fred, Paula, Tiago e Seta!  Após estes Irre, Shadow , que já me acompanhavam á uns anos, portosentido que integrou o 36 também, iman22 , Gonçalo Oliveira. Com o Aleatory estabeleci uma boa amizade numa fase já mais avançada do mundo, quando ele saiu da unum para a Silence. E outra pessoa 5* é o Ricardo  Hot*.*Stuff) chateámo-nos muitas vezes. Perdi horas e mais horas em reuniões com Fred e Paula por causa dele mas sem dúvida uma pessoa na qual se pode confiar! Tomasborges apesar de termos uma diferença de idades considerável, sempre nos seguiu cegamente, ainda hoje sei que posso contar com ele! São bastantes e certamente não referi todos…Peço desculpa a quem falta…

 

8- Como foi a experiência de liderar uma tribo no meio de dois senhores?

 Power of Fusion: Pode se dizer que foi fácil, eu e o zé sempre nos demos muito bem e durante algum tempo chegámos a ser só nós. Depois com o inicio da minha relação com o fred, eu e o zé, que foi o primeiro a saber :D, decidimos fazer o convite ao fred. E ai sim conseguimos atingir a perfeição a nível de liderança e estratégia.

 

9- De que maneira a sua vida foi afetada por ter que liderar uma tribo com a sua cara-metade?

 Tcarreiras: Temos uma história gira pois a PowerOfFusion era minha Líder e depois começou a haver desabafos e suscitou um outro nível de empatia. Quando estamos apaixonados não existem grandes divergências, portanto foi algo fácil até porque maior parte das vezes tínhamos a mesma estratégia e pensamento. Sem dúvida alguma que este foi o mundo que mais me marcou, no inicio pois descobri a doença da minha mãe e o tribos e pessoas do jogo ajudaram me imenso a ultrapassar essa fase (mais difícil da minha vida) e após a tempestade veio a bonança que foi conhecer a Paula e iniciarmos o relacionamento que hoje se mantém, tendo nós vivendo juntos há cerca 1 ano e 6 meses, portanto este mundo foi e sempre será memorável, não tanto pela vitória mas pelas amizades criadas e por tudo o que se sucedeu.

 

10- Pretendem voltar a jogar nalgum mundo?

Tcarreiras: Jogámos o pt36, mundo esse que entrámos em quarentena e falta 1 mês (foi o último mundo que jogámos os 3 Lideres do pt27), entrei sozinho no 33 sem conhecer ninguém com o intuito de dar um back time, na altura das bárbaras no pt27 (final do mundo) e por lá fiquei com um grupo espetacular onde 80% da tribo tem mais de 30 anos, quiçá sem menosprezar outros planteis que joguei e venci mas o grupo mais forte e equilibrado detendo grandes máquinas do tribos e estou de momento na MiB no pt43 mas entrei no dia antes do mundo comeуar, não é um projeto meu, mas é o projeto que abracei e vou onde conseguir, será um mundo complicado tal como todos os que joguei.

 Power of Fusion: Juntámos um bom grupo de jogadores e fizemos um projeto no pt36, DjVu, que acabei por abandonar quando me mudei para lisboa. Ficou só o zé e o fred na altura.

U mad Superman: Entretanto fizemos projeto para o 36 (Djvu) ! E como só jogo um mundo de cada vez, não estou em mais nenhum. De qualquer forma vou parar de jogar por uns tempos mas em menos de 1 ano voltarei a jogar provavelmente. Quando voltar a jogar pretendo ser um mero membro de uma tribo, jogar o jogo em si, divertir-me, interagir etc, sem ter a parte chata de liderar e resolver conflitos! O facto de liderar uma tribo leva a que se esteja constantemente a pensar no jogo, o que posso/devo fazer nesta situação e naquela, e acho que foi isso que me fez saturar um pouco do jogo… E daí a pausa que vou fazer!

 

11- Quais os conselhos que acham que devem partilhar com os aspirantes a lьderes do Tribos?

 Tcarreiras: Conselhos? Cada mundo é um mundo, não existe uma liderança perfeita, há que adaptarmo-nos aos jogadores, criar laços de amizade para a confiança ser cega e tentar ser justo sempre, seja com amigos seja com outros membros da tribo. O respeito ao líder é essencial, mas para isso nós líderes temos de ter um comportamento correto, mas também se tivermos de dar um “murro na mesa” e agitar as coisas temos e devemos fazê-lo. A personalidade de um líder é essencial.

Power of Fusion: Acho que o melhor conselho é que a união faz a força, e esta frase explorada em diversas situações move montanhas, acreditem.

U mad Superman: é raro ver se apenas uma pessoa a liderar uma tribo hoje em dia, dada a disponibilidade que isso requer. Só se aprende com a experiencia, todos vão tomar decisões erradas mas temos de saber tirar proveito dessas más decisões e nunca cometer os mesmos erros! Quando se esta a liderar pela primeira vez, ajuda sempre ter outro líder mais experiente! Ainda hoje quando jogo tw vou aprendendo novas estratégias, novas formas de atacar, novas ideias, estamos sempre a aprender. Quando penso que já vi de tudo, aparece sempre algo novo!

 

12- Para terminar: o que mudariam no jogo atualmente?

Tcarreiras: Mudaria apenas a compra de nobres que disvirtua um pouco a realidade e skill em comparação aos demais jogadores, mas gosto bastante das outras atualizações que implementaram.

 Power of Fusion: Apesar de presentemente não jogar, acompanho através do filhote e do Fred as inovações do TW. Algumas muito úteis, partilha de comandos, etc. Só que a essência do jogo era todos terem as mesmas ferramentas e ver o que cada um conseguia fazer e até onde. Hoje em dia isso já não se aplica, é mais quem tem pp’s para usar vence. Acaba por se  perder a verdadeira essência do TW, não concordam?

U mad Superman: Muita coisa, infelizmente. Já não consigo competir por um top5 num mundo atualmente porque isso requer pps. Na minha opinião a compra de recursos e a compra de nobres tornaram o jogo ridículo. A redução do tempo de construções ainda se tolera mas a compra de nobres e recursos condiciona imenso o jogo para quem não compra por não ter pps e ambiciona alcanças os lugares cimeiros do mundo! No 36, o top1 e top2 chegaram a ter o dobro ou triplo do top3 foi aí que me apercebi do ridículo no qual o jogo se estava torna… Eu não critico quem compra, critico sim o jogo que permitiu que tal fosse possível e estas discrepâncias são cada vez mais visíveis nos diversos mundos!