O mosquito irritante…

Uma vez que se iniciou um novo ciclo de sátiras e maus dizeres porquê parar? Eu também não vejo motivo para tal e assim dedico-me a mais uma leve “diarreia mental”.

Há momentos em que a única coisa que estamos à procura é de um pouco de paz e sossego e surge sempre uma ou mais personagens que nos tiram do sério.

Naquela fúria do momento salta um rol de questões como:

–       Oh amiguinho, não tens mais nada para fazer?

–       Já vi gajos a pedir moedas que são menos chatos!

–       Deus é gaja e está naquela altura do mês para te mandar para estas bandas?

–       Por amor de deus, digam-me que depois de teres aprendido a falar fecharam a tampa de saneamento!

Entre muitas outras frases de mau gosto, com mais ou menos piada.

Mas há medida que os lentos segundos vão passando, fico com a sensação de que a presença do objecto irritante deixa de ser perceptível e faz-me lembrar as calmas noites de verão, cheias de calor… e, sem mais nem menos, começa aquele zumbido irritante do mosquito.

E é neste momento que chega a minha epifania – “oh praga! Eu se fosse a ti bazava daqui enquanto ainda vais a tempo!”

Claramente os mosquitos são irritantes e dão umas “trincas” chatas aqui e acolá… contudo, como quase tudo na vida, tais parasitas persistem apenas enquanto há paciência. E se eles fossem inteligentes compreendiam que o melhor que têm a fazer é dar uma breve trinca e fugirem antes de esgotarem a paciência das pessoas.

Afinal de contas, devemos de dar um pequeno espaço de manobra a essas criaturas… considerando a quantidade de amigos, colegas e familiares que esborrachamos contra o para-brisas na autoestrada…

Condolências,
Advogado do Diabo

1 comentário a “O mosquito irritante…”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *