Aniversário do Tribos e do Grepolis ’14

No dia 1 de março de 2014 a equipa encontrou-se em Lisboa, para celebrar o 6.º aniversário do Tribos e o 4.º aniversário do Grepolis em Portugal.

Olá! Foi com agradável surpresa que recebi convite para participar no jantar de celebração do Aniversário do Tribos em Portugal, realizado a 1 de março de 2014.

Cerca das 18h30 lá estava eu a caminho do ponto de encontro, estação do Rossio, já há um tempo que não passeava pela baixa de Lisboa, aproveitei para recordar momentos há um tempo adormecidos, obrigada por isso.

Allura

Primeiro jantar na equipa, onde estava com receio que fosse difícil encontrar membros da equipa.

downdx

O que tenho a dizer sobre o jantar… Foi agradável? A paparoca está boa? Os outros convivas eram pessoas simpáticas? Para mim, o jantar não foi apenas isso… Começou uns dias mais cedo, aquando da minha inscrição… “Hum”, pensei para os meus botões, “vamos lá conhecer o pessoal que joga Grepolis” e também quem nos chateia (no bom sentido) nos comentários do FE do jogo.

mrmarques64

Nunca fui bom nesta coisa de escrever, mas vou tentar dar o meu melhor.

Por natureza sou um a pessoa tímida, embora não pareça. Durante o dia do jantar estive a trabalhar o dia todo pelo que ponderei não ir, estava muito cansado.

Guerreiro Mal Cheiroso

Sábado, dia 1 de março, tinha chegado, aquele dia que eu ansiava há algum tempo, aquele dia em que eu ia conhecer pessoalmente.

Acordar cedo, porque havia que preparar o encontro, nomeadamente aparar a barba, pois se aparecesse em Lisboa com aquela barba e de mochila às costas, muito provavelmente era preso por suspeita de ser um bombista suicida. Barba aparada, mochila às costas e chega a hora de entrar no comboio e esperar que as 2 horas e meia de comboio passassem muito rápido.

Entro no comboio e verifico que no meu lugar está ocupado por um senhor de idade, pergunto-lhe se está no lugar certo, ao que me responde “Houve um engano e venderam o meu lugar duas vezes, espero que não se importe de estar no seu lugar”. Fiquei um pouco desconfiado, mas fui para o banco livre que estava atrás. Mais tarde, quando o pica chega, verifico que o senhor que estava sentado no meu lugar se tinha enganado no dia em que viajava e só viajava no dia a seguir. No meio da minha viagem para cima, estava eu muito bem a rejubilar a bonita paisagem alentejana quando reparo que a janela começa a ser tapada e eu a não perceber o porquê. Era a senhora de idade que viajava atrás de mim que estava farta da paisagem e decidiu tapar a janela.

Enfim, entre senhores sentados no meu lugar, senhoras a taparem-me a janela e a mandarem olhares pouco amigáveis quando olhava para elas, passou-se a viagem e cheguei a Entrecampos onde tinha combinado com o senhor alexmix e com a RIFS, irmos para o local do encontro.

Ao sair do comboio, reparei num senhor com um aspeto indiano, após alguns olhares travados entre nós, reparei que não era ele. Continuei a andar e vi lá ao fundo, no horizonte um rapaz com aspeto indiano, mas vi que tinha óculos e não tinha flores na mão e percebi que aquele sim, era o senhor alexmix.

Após nos termos cumprimentado e falado um pouco, fomos ter com a RIFS que ainda estava no Saldanha. Foram precisos passarem dois metros para a RIFS chegar, aquela rapariga pequena com voz de menina de 12 anos, quer dizer, voz de 12 anos até ter falado comigo, pois aí já ficou com a idade que tem, ahh Skype, a mudar vozes desde que foi criado. A Larkin tinha dado as instruções ao senhor alexmix e tínhamos que ir para o Rossio e tínhamos 15 minutos, segundo a informação do senhor alexmix.

Saímos do metro e depois de já nos termos enganado uma ou duas vezes no caminho, fomos para norte até perguntarmos a uma senhora que passava onde era o Rossio, ao que ela nos responde que era para sul, mais uma vez enganados…

mretfc

Bem, começamos a aventura na parte que não fiz uma boa gestão do tempo e quando chega a hora de estar já a encontrar-me com o senhor alexmix e com o mretfc ainda estava eu em direção a casa pelo que já não foi possível ir trocar de roupa, senão era mais 1h. Lá fui eu a correr para o Saldanha para apanhar o metro o mais rápido possível, toda stressada já, finalmente encontro os dois meninos, o senhor alexmix já o conhecia, mas o mretfc só o tinha visto em fotos, mas ao olhar para um ser estranho no fundo da estação vi logo que vinha do sul, aqueles suspensórios não enganaram ninguém.

Já descansada na companhia deles, o senhor alexmix lembrou-se brilhantemente que afinal eles é que deviam ter ido na minha direção e não o contrário, poderíamos ter poupado uns 15/20 minutos, aquele senhor alexmix… eheheh.

Lá fomos nós em direção ao Rossio, onde já se encontrava o resto da equipa, no caminho eu e o senhor alexmix alternávamos com os palpites do caminho, nunca acertávamos numa direção e chegamos mesmo a ser “repreendidos” pelo segurança do comboio na estação do Rossio (a culpa das cancelas estarem abertas não era nossa, nunca lá tinha ido àquela estação, não a conhecia).

RIFS

Como sou de Lisboa, e como não foi o meu primeiro evento, já não estava com o “bichinho” na barriga para o evento. Claro que estava com imensa vontade, mas já não tive a necessidade de uma grande viagem, nem de pernoitar em algum outro local que não a minha casa.

O plano era simples: apanhar o mretfc em Entrecampos e ir ter a casa da RIFS. Quando cheguei a Entrecampos, lá me lembrei que era mais fácil se a RIFS viesse ter connosco e íamos juntos para lá. Na verdade, não era. Quando fôssemos apanhar o metro, passávamos por ela. Primeira falha minha, do dia. Lá tivemos de esperar uma meia hora pela RIFS… Mulheres.

senhor alexmix

Mais um dia de encontro de equipa e tudo começou por ir buscar o ogait87 e o Castela95 a Aveiro. Uma vez lá, começou o desafio para os encontrar, visto que supostamente estavam na paragem de autocarros e eu via autocarros parados em todo o lado, até que vejo 2 indivíduos a correr atrás do carro.

A seguinte paragem viria na estação de serviço de Pombal onde esperamos pelo outro carro. Uma vez que o Ricardo, a Larkin e o EnteiRocks tinham chegado seguimos viagem para Lisboa, onde o Castela95 revelou o seu pequeno trauma de andar a altas velocidades.

Logo a seguir ao almoço fomos então conhecer o hotel onde iriamos passar a noite e passar um pouco o tempo à espera dos restantes colegas de equipa, e entre conversas e um joguinho de bilhar foi a hora de ir embora ter com o resto dos colegas ao ponto de encontro, onde, como de costume, foram aparecendo caras novas. Finalmente consegui conhecer o LIKE A NOOB, depois de 2 anos.

euu17

Ponto de encontro na estação do Rossio onde a conta-gotas se juntava mais pessoal para este celebre jantar.

cukacuks

Mas quando cheguei ao ponto de encontro foi fácil de descobrir onde estava o pessoal da equipa.

downdx

Apesar de já fazer parte do suporte do Tribos há 3 anos, nunca tinha ido a nenhum encontro da equipa, tendo este sido o 1.º em que estive presente, assim sendo, conhecia apenas algumas pessoas pelas fotos, mas ninguém pessoalmente, o que, no início, me fez percorrer, por duas vezes, a estação do Rossio de uma ponta à outra, em busca dos restantes, mas sem conseguir avistar ninguém conhecido, até que, finalmente, vejo o Ricardo, um dos poucos que conhecia pela foto, e disse para comigo: “Finalmente!”.

Sylux

Depois da viagem de metro e de alguma chuva, finalmente tínhamos chegado ao destino: a estação do Rossio. Até lá chegarmos tive centenas de chamadas da Larkin. É tão bom quando se preocupam connosco!

Caras novas, caras menos novas, caras velhas. Havia de tudo quando lá chegamos. Tudo com boa disposição. Até mesmo quem já lá esperava há mais de três horas. Estranhamente, os membros do The West ficaram muito felizes por me ver. Tenho mel?

senhor alexmix

Bo tem mel…

Este convívio começa com a chamada recebida do Ricardo, mas que verifiquei que afinal quem estava no outro lado do telemóvel seria a Larkin. Eu a pensar que a concentração seria às 18h30, mas afinal estava errado, já que às 16h30 o pessoal já se estava a juntar.

Quando verifiquei já estava a receber a chamada a perguntar onde me encontrava. Apesar de já ter passado várias vezes no ponto de concentração, nunca pensei que ali fosse uma estação, principalmente devido ao facto de eu ser do Porto e estar em Lisboa há pouco tempo.

Mais fácil que encontrar a estação de comboios foi encontrar o grupo! Minutos antes, liguei ao Ricardo que me confirmou que ainda estavam à espera na estação e eu pessoalmente não conhecia ninguém, exceto de imagens de perfil do Skype e do Ricardo que já o tinha visto anteriormente de outros eventos.

A parte mais engraçada foi curiosamente conhecer a minha adversária rival, pois já estamos num mundo com mais de 4 anos e, como é óbvio, a conversa durante a noite toda foi em redor desse mundo.

rescuer

Quando cheguei à Starbucks do Rossio, foi um pouco estranho, porque iria ser o meu primeiro jantar com a equipa. Mal olhei para dentro da estação vi logo quem era a solutions, um grupo de pessoal cheio de energia, a falar de cada jogo. Juntei-me à Allura e à cukacuks que, por acaso, falavam de Tribos, fartei-me de rir, logo no início.

TomaslinoSoares

Chego à estação do Rossio deparo me com um grupo gigantesco de escuteiros aparcados em pleno adro da estação, durante alguns segundos ponderei a hipótese de ser o grupo da Innogames… eheheh. Então procuro melhor e vejo um rosto que me pareceu familiar,  tinha encontrado a minha equipa.

Allura

Por volta das 15:50 saí de casa em direção ao ponto de encontro que era na estação de comboios do Rossio.

Cheguei por volta das 16:30 e liguei para a Larkin a perguntar se estava no sítio correto e que não sabia se já estava lá alguém, pois nunca antes tinha visto nenhum membro da equipa. Entretanto na chamada, o Ricardo disse que estava a sair do hotel e que em 15 minutos estava no sítio combinado.

Assim que a Larkin chega e vai em direção a um grupo de cerca de 6 pessoas que já estavam lá há algum tempo, e que já eu já os tinha visto, reconheço-a logo e junto-me com todos.

Após 3 horas de alguma conversa e de nos conhecermos todos uns aos outros, vamos para o restaurante a pé, que não era muito longe do ponto de encontro.

LIKE A NOOB

Ao chegarmos ao ponto de encontro, vimos, à porta, um círculo em que só se encontravam homens, entre eles destacava-se um homem pela sua altura, era o Ricardo. Entrei no círculo e cumprimentei todos, mas houve um que me surpreendeu, foi o Castela95. Pelas fotos que tinha visto deduzi que fosse mais alto, mas foi fogo-de-vista, conseguia ser mais baixo que o Costinha. Depois fui lá dentro acabar de cumprimentar o resto das pessoas, coisa que não consegui, pois chamaram-me lá fora e esqueci-me depois.

Enquanto falava com o euu17, vem ao pé de nós uma senhora, já com a sua idade, e com um BI muito velho na mão. Chega ao pé do euu17, mostra-lhe o tal BI e diz umas palavras que ninguém percebeu o que a senhora falou e foi-se embora. Segundos a seguir voltou e veio ter comigo e, fez a mesma coisa que ao euu17, mas eu, como deduzi que ela tivesse encontrado o BI no chão e estava a à procura do dono, disse que não era meu, ao que ela responde “fgibhkbv, parvo”, sim, eu não percebi nada do que disse a não ser a palavra parvo. A senhora foi ter com o Ricardo e ele responde, a apontar para mim mais do que uma vez, “É aquele rapaz que está ali”. Eu, para fugir, fui lá para dentro sentar-me e conversar com algumas pessoas que ali estavam. Ao fim de 1 minuto a senhora voltou ao meu encontro e aproveitando que ela se distraiu eu tive que fugir outra vez. Entretanto o círculo já tinha vindo cá para dentro e juntei-me a eles. Parece que estava tudo contra mim, pois o senhor carlos alex36 e o senhor PThugo decidiram imitar o Ricardo e começaram a apontar para mim e lá veio a senhora outra vez. Após me esconder lá fora a senhora foi-se embora, DE VEZ!

Ainda estivemos à conversa algum tempo, pois faltavam algumas pessoas chegarem. Após todas as pessoas presentes, quem tinha malas/mochilas foi por no carro, pois não iriam andar com aquilo atrás, quer dizer, todas menos eu, pois não estava atento e por causa disso passei a noite toda com a mochila às costas.

mretfc

Finalmente comecei a ver caras familiares, já tínhamos chegado até eles.

Vejo dois grupos, uns estavam sentados, outros em pé. No grupo que estava em pé veio logo um senhor de casaco vermelho, mais conhecido por big boss, ou então por Ricardo, intimidar-me com um grande “RIIIIIIIFS”, e no grupo que estava sentado apenas reconheci um rapaz, o euu17. De repente vejo alguém de vermelho a fazer-me adeus e eu para mim própria “Aaaaaa, quem é?! Rápido brain ajuda-me a reconhecer as pessoas… Uiii, calma, é a Larkin?! Ups, espero que ela não tenha percebido que não a tinha reconhecido”. À medida que me fui aproximando fui reconhecendo algumas caras.

Ao que parece a Leoa, antes de ir embora, esperou que eu chegasse para me conhecer, o que, na verdade, na altura, quando me disseram, fiquei um pouco atrapalhada sem saber que reação ter, perante o facto de alguém estar à espera para me querer conhecer, mas foi engraçado.

Estivemos lá na conversa à espera que o pessoal todo chegasse.

RIFS

A partir deste momento foi a troca habitual, creio eu, por ser novata nestes eventos, de nicks, de histórias de jogo, de guerras, foi fácil sentir-me no grupo como se há muito lhe pertencesse, o jantar decorreu a um ritmo alucinante.

Allura

Rumo à Cervejaria Trindade, no Bairro Alto, cerca de 30 pessoas tomaram conta do evento de celebração dos 6 anos do Tribos.

cukacuks

Mais à frente, quando nos dirigíamos para a Cervejaria Trindade, tivemos de fazer ainda uma caminhada, diria que passou rápido com a boa companhia que se fazia sentir, foram cerca de 10 minutos a subir com alguns chuviscos…

Quando entrámos no Restaurante, aí vi que era um grupo ainda maior do que o que eu pensava, notou-se ainda mais as conversas de cada grupo. Onde estava, passámos o jantar a falar de Tribos… Sou sincero, não percebia nada! Mas com a boa comida lá se passou bastante bem.

TomaslinoSoares

Durante o evento tentei ficar a conhecer todos os presentes, tendo obviamente acabado por falar mais com uns do que com outros, principalmente durante e após o jantar, pois acabou por ser a altura mais propícia.

Sylux

Fui quase dos últimos a chegar ao jantar, fiquei numa ponta da mesa onde não conhecia ninguém, pois era a primeira vez que ia a um evento destes. Foi difícil começar a falar com desconhecidos, os quais nunca tinha tido contacto, pena não existir um quebra-gelo para estas ocasiões. Foi uma sensação estranha só ao fim de 2 ou 3 canecas é que consegui começar a sentir-me mais à vontade.

Durante o jantar penso que deveria haver espaço para todos serem apresentados em voz alta e cada um fazer a sua apresentação estilo “Chamo-me X e moro em Lisboa, o meu nick na equipa é Guerreiro Mal Cheiroso, e por ai fora…”.

Em relação ao jantar propriamente dito, gostei de tudo o que comi e bebi, senti-me satisfeito. Gostei do local, e das pessoas.

Guerreiro Mal Cheiroso

Já no restaurante, no quentinho e todos sentados, fiquei ao lado do Sylux, do Enteirocks e do euu17, em que até chegamos a dividir um croquete por 4 pessoas.

LIKE A NOOB

Seguimos em direção para o jantar. Pelo caminho (na verdade, naquelas subidas) devo ter sido capaz de escorregar umas 10x (ou mais) naquela calçada molhada, sem cair, atenção.

No restaurante, grande confusão com grupos, todos queriam ficar com o x, com o y e com o z, trapalhada, mas lá foi a chefa por ordem naquilo. Acabei por ficar mesmo em frente ao giraço do francês, nada mau 🙂 (espero que ele não tenha acesso a este texto).

Já vem de jantares anteriores a minha reputação da quantidade de comida que eu como por refeição, mas até eu olhei para a sopa e pensei, “Bem, isto deve ser daqueles restaurantes que está sempre a chegar mais comida!”, neste caso era a sopa. Posso dizer que a tigela tinha tanta sopa que eu quase que via o fundo, no entanto, a comida estava divinal ou então eu estava com muita fome. Os meninos do The West, que ficaram numa ponta, fizeram questão de irem várias vezes ao meu lugar certificarem-se se eu comia tudo e se estava tudo do meu agrado, obviamente que sempre tudo com um sentido de brincadeira.

Deu para dialogar com a Allura (estava ao meu lado direito), ao longo do jantar, conhecer um pouco mais os moderadores mais recentes, excelentes pessoas, pelo menos os que conheci. Já do lado esquerdo era preciso mais cuidado, eheh, (Ricardo, Larkin e EnteiRocks). RIFS

O jantar decorreu até que chegou a parte de “ir sair”.

RIFS

Após subirmos umas ruas chegamos finalmente ao restaurante onde iriamos jantar e aí é que se deu um dos problemas da noite! Quem se sentava onde. A equipa do The West queria estar toda junta, mas o Ricardo tinha virado quatro cadeiras para a krislete e os seus acompanhantes e foi impossível, naquele momento, estarem todos juntos. Quando o Castela96 e a Larkin acabaram o seu diálogo, chegou-se à conclusão que tínhamos que pôr uma mesa ao lado e assim, finalmente, a equipa do The West pôde ficar toda junta.

Entre muitas conversas e partidas ao Castela95, acabámos de jantar, mas ficámos por lá a conversar. Eu saí do meu lugar, ao pé dos The West, e fui ter com alguns elementos da minha equipa, fiquei algum tempo à conversa com a Allura, com a cukacuks e o namorado e com o TomaslinoSoares. Entre muitas conversas cheguei à conclusão que o meu futuro iria ser pela via dos arrumadores de carros, pois a cukacuks, que tem um curso parecido ao que eu quero tirar, avisou-me do que se passava hoje em dia.

mretfc

Depois de uma espera ainda mais longa por um membro atrasado, e já com a fome a apertar, lá fomos em direção ao restaurante.

Um bom jantar, com um grande espírito de grupo a evidenciar-se. Houve dois episódios que tiveram imensa piada: primeiro, o facto do C0rrupt3D preferir usar a casa de banho das mulheres e o facto do Costinha gostar imenso de mousse de chocolate com pitada de pimenta.

senhor alexmix

O restaurante escolhido foi a Trindade. “Bom, sei onde é ou pelo menos sabia, a última vez que lá entrei vão para mais de 10 anos, à vontade. Okay, sei que é perto do Largo do Camões e tenho de arranjar estacionamento para a viatura. Porreiro, existe por baixo um parque. É mesmo lá que vou estacionar.”

Sábado, saio à pressa de casa, “Bolas, estou atrasado tenho de ir pela A8. O tempo também não ajuda, sempre a chover e tenho de conduzir com cuidado. O atraso está garantido. Espero não apanhar muito trânsito em Lisboa.” Tenho sorte, venho pela beira rio e é sempre a andar, exceto no Poço do Bispo onde estão uns radares.

Chego ao Largo de Camões e vou direto ao parque. É complicado estacionar, os lugares são mesmo pequenos, vê-se mesmo que quem projetou não estaciona lá a viatura. Lá consegui estacionar, não ficou lá muito bem, mas escapa. Espero que o estacionamento não me custe os olhos da cara…

Lá vou eu em passo acelerado, à chuva, noite tenebrosa esta, em direção à Trindade. Passam uns 5 minutos das 8, assomo à entrada e vejo um grupo. Será este o pessoal do jantar? Nada melhor que telefonar ao boss Ricardo, e diz-me que ainda vêm a caminho. “Bom, afinal não cheguei atrasado.” O grupo chega e entramos para a cervejaria. Dirigimo-nos às nossas mesas e aí cumprimento algum do pessoal presente. Não sei porque carga de água, há um que percebo que era do Brasil. Afinal, ele chamava-se Basil e era estrangeiro… gaffe minha.

Nessa altura entra em cena a Larkin, aliás uma pessoa extremamente simpática e faz as honras da casa, dizendo de uma forma geral quem é quem. Entretanto já tinha conhecido o downdx.

Pouco depois, aparece o Guerreiro Mal Cheiroso e finalmente a Moon.Goddess. O pessoal do Grepolis fica junto (eu, Guerreiro Mal Cheiroso e downdx), já que a Moon.Goddess, entretanto, muda de lugar.

Foi agradável conhecer outras pessoas, estivemos em amena cavaqueira, deu para reparar que a malta mais jovem é “addicted” no jogo não dispensando os seus telemóveis. O nível do serviço da Trindade continua na mesma – bom.

Depois de comidos e bebidos, chega a altura da “nigth”, coisa que não posso alinhar, tenho o meu regresso a casa para fazer. Continua a chover, noite complicada, esta! O pessoal vai divertir-se e muito bem, para o Bairro Alto.

Desejo a todos uma boa noite e lá vou eu fazer mais uns 100 km para casa.

mrmarques64

Já no jantar tive a oportunidade de falar com a minha companheira de moderação no mundo 34 do fórum e colocar em prática várias situações ocorridas e resolvidas. Juntamente com uma parte do grupo do Tribos, encontravam-se o grupo do Grepolis, que passaram grande parte do jantar a falar sobre métodos de detetar bots no jogo! Brincadeira, brincadeira foi o Guerreiro Mal Cheiroso, que curiosamente não parava de falar e de chamar o empregado da mesa para servir mais uma dose… Ora de bebida… Ora de comida… E no final de contas devia pensar que precisava de vários artigos para levar já que quando me levantei para sairmos do restaurante deparo-me que o casaco tem um peso substancialmente mais pesado do que o normal. Com o grau de admiração de tamanha faceta, foi descoberto logo o culpado há saída do restaurante.

rescuer

Se há momentos onde nos apetecia ter um controlo remoto, e parar o tempo quando a conversa é boa e a companhia encantadora, garantidamente este foi um deles.

Allura

O evento continuou com muita chuva e muita animação pelo Bairro Alto de Lisboa.

senhor alexmix

Já com a barriga cheia de muita comida regada com uma “moderada” bebida, deslocamo-nos até à zona dos bares onde a chuva miudinha foi uma constante.

cukacuks

Ao sairmos do restaurante, eram por volta das 23h30, começou a chover, para nossa sorte, tínhamos lá os meus pais, que deram uma boa ajuda nesse aspeto. Fomos andando à procura do bar “ideal”… Andámos ainda mais, e acabámos por descobrir um, pequenino, mas chegava para o que o pessoal queria… Beber uns copos e conviver, mas, o que me marcou mais foi mesmo a Larkin e o Ricardo a falarem com os meus Pais, no geral, um ótimo ambiente e convívio.

TomaslinoSoares

Seguido do restaurante foi deslocação ao Bairro Alto. Tirando o pequeno problema que o bar onde iriamos estava a fechar precisamente na altura que chegamos às suas portas e que a chuva só dificultava a nossa noite, o resto da noite foi porreira. Ao final de caminharmos 10 km, decidimos parar no primeiro bar que encontramos. Foi a invasão da equipa de suporte ao respetivo bar, que no final foi curto para tamanho do grupo presente.

rescuer

Só o São Pedro poderia ter-se portado melhor! De resto foi maravilhoso! Cereja em cima do bolo, negociei com o rescuer a fusão que porá o fim a 4 anos de jogo no pt17.

Allura

Saímos do restaurante e andamos sem saber por onde é que íamos. Finalmente decidimos ir para o Bairro Alto, pois era ali ao pé. Apenas uma pessoa sabia onde era e lá fomos nós, pelo caminho tivemos que parar no meio daquela chuva imensa que caia, pois perdemos o Basil. Quando o encontrámos seguimos diretos até ao Bairro Alto, e entre bares pequenos, bares “alternativos”, como diria o carlos alex36, fomos passando a noite até que chegou a hora de ir para o hotel, com o nosso transporte, o táxi.

mretfc

Quando saímos do restaurante estava combinado irmos a um bar já previamente marcado, no entanto, acabámos por sair do restaurante já bastante tarde, dado que o bar em causa fechava às 00:00 e, tendo em conta que nós éramos cerca de 30 pessoas e chegámos lá por volta das 23:55, já não nos permitiram entrar, ainda tentámos convencer a mulher do estabelecimento a deixar-nos entrar, mas sem sucesso. Sugeri então ao Ricardo que fôssemos para um bar que eu conhecia, que tinha bom ambiente e espaço para todos e, mais importante, não fechava à meia-noite; havia apenas um problema, ainda ficava razoavelmente longe, ainda tentámos ir para lá, no entanto, a chuva não ajudou, portanto acabámos por ficar num bar que encontrámos a meio do caminho para não nos molharmos mais, onde ficámos até ao fim da noite.

Sylux

Após estarmos de barriga cheia, fomos andando para o bar combinado juntamente com o frio, com a chuva e com o azar de o bar escolhido para passar a noite fechar à meia-noite e estar cheio. Apesar dos contratempos nada fez com todos se divertissem e assim fomos procurar algum outro lugar para conviver.

Mais à frente, encontramos um bar e por lá ficamos, até eu ter ido embora, de boleia com a Allura.

Para mim, o dia foi excelente, no entanto há coisas que não esquecemos e uma delas é sem duvida a Larkin e a RIFS a tentarem pintar os olhos ao Costinha, eheheh.

Quanto às pessoas, foram todas 5 estrelas.

LIKE A NOOB

Deparamo-nos com vários problemas… Estava a chover e no Bairro Alto não havia sítio algum onde coubéssemos todos, pois éramos alguns 15/20 e já não era propriamente “cedo”. Estivemos ainda algum tempo à chuva a tentar arranjar um sítio abrigado para todos.

Até que chegaram os pais de um moderador novito, e o Castela95 e a Larkin estavam a dar a boa impressão da equipa, mas houve um momento que olhei e já só estava a Larkin com os pais do moderador, mas na altura o olhar dela era algo do género, “Vá equipa a ver se não fazem porcaria aqui à frente dos  Srs., a ver se desta parecemos normais.” E ao mesmo tempo estava subentendido algo como, “Se se portarem mal, é só deixarem-me chegar à frente do computador, que verão, suas criaturas demoníacas!” (Exagerei… Não era bem criaturas demoníacas, eheh).

Mas lá arranjámos um local, aliás dois, basicamente um servia para irmos buscar as bebidas e ficarmos um pouco chocados, o outro foi para estarmos sentados a conversar. Ainda houve uma tentativa de maquilharmos o Costinha, mas sem sucesso.

RIFS

Depois do jantar ainda fomos para alguns bares onde depois o pessoal foi indo embora até que chegou a hora de ir para o hotel dormir.

euu17

Às 5h fomos todos para o hotel, uns foram dormir, já outros preferiram ficar nos sofás à entrada, na conversa, o que mais tarde nos fez ficarmos um pouco fartos e juntando a vontade de ir “acordar” um bocadinho, fomos passear pelas ruas perto do hotel, onde encontrámos um sujeito bastante semelhante ao Popeye.

Ainda não satisfeitos com o reconhecimento da área em volta ao hotel, houve a ideia de irmos reconhecer o hotel em si. O que não teve muita piada, porque todos os pisos eram exatamente iguais. Falta dizer que enquanto estivemos no hall de entrada do hotel, lá nos sofás, vimos cerca de quase 100 asiáticos a saírem, quer dizer estávamos nós a chegar ao hotel, ainda de noite, e já se viam alguns.

Às 10h50 o  Ricardo decide avisar-nos que às 11h tínhamos de estar “prontos”, sorte a nossa que ainda/já estávamos acordados.

Os membros resistentes ainda tiveram direito a almoçar algures na baixa e passear um bocadinho.

RIFS

Desta vez tive sorte que o meu colega de quarto decidiu fazer direta assim tive um quarto só para mim.

euu17

Já dentro do táxi demos as indicações ao taxista e ele, como bom taxista que é, enganou-se no caminho… Enfim, lá chegámos ao hotel, mas tanto eu, como o Costinha, o Castela95, o PThugo e o Bjardinhas não tínhamos sono nenhum (dizíamos nós). Estávamos todos na receção com o EnteiRocks e com a RIFS e as palavras do EnteiRocks, antes de ir dormir, foram simplesmente “Certifiquem-se que a RIFS entra no táxi e vão dormir”, e a RIFS responde, “Eu vou para casa quando vocês forem dormir”. Ora, ninguém foi dormir e ficamos todos ali sentados na receção a falar, uns a fecharem os olhos uns minutos, mas lá ficamos nós.

Enquanto estávamos na receção, a partir das 5 da manhã até às 10 da manhã, era só ver saírem chineses ou coreanos ou lá de onde eles eram. Eram às dezenas, centenas, milhares! Nunca mais paravam de sair, parecia uma fábrica.

Chegadas as 10 e tal da manhã e eu com uma fome imensa, pois não me deixaram ir comer ao Take Way do bar, sim na minha terra diz-se Take Way e não Buffet, e lá fui eu, a RIFS e o Castela95 à procura de um café aberto a um domingo, quando o encontrámos, o que comi, até soube a pato!

Após o pequeno-almoço tardio, fomos todos para o meu quarto, pois o euu17 já tinha acordado e ficamos por lá até recebermos uma mensagem do Ricardo a dizer que daquele momento a 10 minutos era para estarem todos prontos para ir embora e assim foi, ficamos na receção, no circulozinho de sofás com uma mesa que continha uma garrafa no meio e começamos um jogo de ver quem conseguia acertar, com um chapéu de rede que tinham trazido do Bairro Alto, para ver quem acertava mais. Não é preciso dizer que eu ganhei ao Castela95, 6-3 😀

Fomos, pelo menos eu fui, conhecer mais um pouco de Lisboa enquanto caminhávamos para o almoço que, após um pequeno-almoço tardio e pequeno, soube muito bem!

De resto, fui com a RIFS e o PThugo para Oriente, entretanto deixamos a RIFS pelo caminho.

Quando já estava sozinho no Parque das Nações, fui ao Vasco da Gama e, como bom algarvio que não vai a Lisboa assim tantas vezes, que sou, consegui-me perder lá no centro comercial.

E não me lembro de mais nada, pois passei a viagem toda a dormir. 😀

mretfc

Ótimas memórias que vou guardar e que venha o próximo evento!

Allura

Tirando a parte da chuva que apanhamos até ao Bairro alto, gostei bastante do meu primeiro encontro.

downdx

Pontos fortes? Sem dúvida o convívio, a partilha de experiências “tribais” e finalmente o conhecer de caras de quem até então se dava a conhecer por detrás de um monitor. Jantar bastante animado onde se presenciaram varias gerações demonstrando que o Tribos não é um jogo apenas para miúdos, mas também para graúdos.

cukacuks

Apesar de tudo, acabei por me divertir bastante e penso que valeu a pena ir, embora não prometa estar presente no próximo. 🙂

Sylux

Foi bom, pois consegui conhecer pessoalmente as pessoas com quem falo diariamente através da internet. Gostei imenso de conhecer o resto da equipa, gostei de todos com quem falei.

Penso que se existissem mais reuniões presenciais poderia ser benéfico para a equipa, mas por outro lado compreendo a questão da distância.

Sem mais nada a acrescentar, fico a aguardar uma próxima jantarada.

Guerreiro Mal Cheiroso

Depois de várias conservas sobre o jogo ou não.. Cheguei ao fim da agradável noite passada com pessoal que todos os dias falamos atrás dos monitores… Agora só resta esperar pelo próximo evento.

rescuer

Estando eu na equipa há 2 anos e depois de já ter falado bastante com algumas pessoas como a Larkin, o Ricardo, o euu17 e o EnteiRocks, foi bom conhecê-los pessoalmente e ver que são ótimas pessoas, mesmo não estando atrás do computador. Foi bom ver o grande sentido de humor do EnteiRocks, que esteve sempre a pôr um sorriso na cara das pessoas.

Outra coisa que marcou e que não hei de esquecer é a maneira como fui recebido e tratado, pois não fui tratado com diferença por ser mais novo como a maior parte das pessoas.

Fiquei bastante contente, pois todos são excelentes pessoas e simpáticos.

Para acabar, tive a enorme sorte de a Allura ser de perto da minha casa e então deu-me boleia para casa.

Espero ir ao próximo evento e voltar a estar com a equipa, que são maravilhosas pessoas.

LIKE A NOOB

E como todos os eventos mais um fim-de-semana 5 estrelas em equipa, ficamos a aguardar o próximo.

euu17

Para finalizar queria apenas dizer que gostei bastante do jantar, de conhecer as pessoas com quem falava todos os dias, não vou dizer nomes porque poderia esquecer de alguém, mas é isso, agora é esperar pelo próximo. 😀

mretfc

Com as habituais despedidas a que a RIFS já nos habituou, até ao próximo artigo!

Fim.

RIFS

2 comentários a “Aniversário do Tribos e do Grepolis ’14”

  1. I believe this is one of the so much important information for me.
    And i’m glad reading your article. However want to observation on few common things, The web site style is perfect, the articles is truly nice :
    D. Excellent job, cheers

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *