Afinal de contas quem é o advogado do diabo…

Tenho que dizer que não deixa de me fascinar a curiosidade humana e as especulações sobre a minha verdadeira “persona”. Então aqui fica a resposta, sou eu… eu sou o advogado do diabo… ok, admito que de nada ajudou para ficarem a saber a minha verdadeira identidade… porém isto faz me lembrar um episodio caricato da minha vida, que ocorreu no carnaval do meu 9º ano de escolaridade. Numa terrível aula de matemática, perto do carnaval parti dentro da sala de aula aquilo que se apelidava na altura de “peidinho engarrafado” e tivemos de mudar de sala, porém fascinado com o par acção-reacção daquela experiencia voltei a repetir a proeza nas outras três salas até o tempo ter se esgotado para termos aulas… Já na semana seguinte sobre a pressão de sancionamento administrativo da escola a nossa directora de turma pediu para escrevermos num papel quem tinha sido… na primeira ronda ninguém se denunciou, já na segunda com todo o meu engenho escrevi em letra de maquina e com outra caneta “fui eu”… prolongando pela aula toda o divertimento anárquico…

A verdade é que este pseudónimo permite-me divagar barbaricamente sobre vários assuntos, satirizar com um toque pessoal coisas que vou vendo e mesmo assim não ter de assumir nenhuma responsabilidade sobre o assunto… esta ideia no meu nono ano de escolaridade agradou-me então agora neste caso fascina-me…

Então o que irei fornecer sobre a minha verdadeira identidade, muito e nada… neste artigo serei tão vago como específico em alguns aspectos, mas de nada irá contribuir para quem sou na realidade, apenas para estabelecer um pouco do meu passado, presente e talvez futuro…

Então a primeira parte… Sim, faço parte da equipa e estou presente nas conversas… mas isso não quer dizer que haja membros da equipa que conheçam a minha identidade, naturalmente o Ricardo sabe quem sou, pois foi ele que criou-me a conta e permitiu que desse uso da minha imaginação e espírito critico.

Então o que posso dizer sobre mim, a minha idade ronda os 80 anos… não é a idade física mas possivelmente a intelectual… Ao longo da minha vida sempre tive um espírito aventureiro cheio de peripécias e alguns problemas… um bom exemplo é certamente aos meus 12 anos estava a bater à janela de uma amiga “benneton” para uns beijitos enquanto os pais dela no quarto ao lado estavam a tentar trocar outros beijos… o único problema foi mesmo a insistência entre a meia-noite e as três da manha com intervalos de café. Bem o resultado disto foi uma mega corrida pela cidade às três da manha com um senhor em pijama e um cinto na mão… Nesse dia aprendi que nunca se deve interromper alguns actos, aproveito para mandar a dica a algumas pessoas… vejam lá se não vos apareço de pijama e cinto da próxima vez que me telefonarem…

Ao contrario que muitas pessoas pensam sobre os membros da equipa que são uns geeks, digo com quase toda a certeza que a minha vida social offline é uma grande componente da minha vida, quase tão grande como a minha mira para miúdas complicadas. Quer isto tudo dizer, nos meus “80 anos” acumulei com uma vasta quantidade de mulheres psicóticas com uma vontade de me matar como amigas coloridas… porém a verdadeira proeza é que dou-me bem com quase todas elas e quando possível ainda vamos tomar o eventual café e por a conversa em dia.

Um pouco menos sobre mim e mais sobre o advogado, esta personagem é alguém com quem me identifico imenso, pois é a minha perspectiva pessoal sobre temas que ao longo de conversas mais ou menos fúteis alguém me pede uma opinião sincera. Disto advém sempre a velha questão se estes serão os concelhos mais adequados? Provavelmente não! Afinal de contas aos meus oitenta anos ainda sou solteiro e bom vivão (com problemas de compromisso, segundo a minha ex).

Sou aquele tipo de pessoa que mais rapidamente tira um sorriso dos lábios de uma desconhecida que um anel do bolso. E, modéstia à parte, tenho dito bastante facilidade ao longo dos anos. Qual o segredo para isto!? Tem sido simples, nunca repetir a mesma linha mais que uma vez… sempre que abordo alguém primeiro analiso e só depois penso na forma de a abordar. A última abordagem que fiz foi com uma língua estrangeira, porém não aprendi de propósito uma nova língua apenas para engatar miúdas… isto quer dizer, joga com os teus atributos positivos.

Naturalmente nem todos os tiros caçam, mas a média é favorável. Ser inventivo é uma boa forma de alguém se destacar do rebanho e acima de tudo mantém a outra pessoa na ponta dos pés desprevenida… e naturalmente quão mais inventivo e original se for, maior facilidade de manter uma conversa sem os silêncios ensurdecedores.

Ou seja quem sou, apenas mais uma pessoa com alguma experiência de vida e pés assentes na terra sem perseguir moinhos de vento.

O defensor do pecado carnal 🙂

7 comentários a “Afinal de contas quem é o advogado do diabo…”

  1. E eu a pensar que tu eras apenas um gajo que sabia falar alemão e outras linguas e tinhas um trabalhão a gerir a comunidade.

    Mas tambem sabes dar umas dicas sobre um dos maiores passos que se tem que dar, fiquei a pensar, a mim parecias-me um pessoa, sei lá, desintressante de conhecer e de falar, mas agora estou a gostar da tua atitude.

    Continua com essa do advogado do diabo…ahhh antes que me esqueça, gostei da parte de teres agarrado o meu inocente post e teres criado um artigo disso.
    Galrito

  2. “e mais sobre o advogado, esta personagem é alguém com quem me identifico imenso, pois é a minha perspectiva pessoal sobre temas que ao longo de conversas mais ou menos fúteis alguém me pede uma opinião sincera”

    São coisas simples, como aquelas, que baralham criaturas básicas, como eu.

    Meu Caro Advogado do Diabo,

    Tenho vindo a ler as suas interessantes crónicas e a formular juízos muito positivos a seu respeito; claro, sempre numa óptica de prudência, procurando não me esquecer que um Advogado do Diabo não acredita em nada do que defende.

    Hoje introduziu a inquietação no meu espírito. Afinal, é ou não Advogado do Diabo?

    🙂
    Cumprimentos,
    Xicaaa

  3. Hehehe!:D Não vi necessidade do advogado do diabito se apresentar, uma vez que se pode conhecer uma pessoa apenas por o que ela escreve, mas achei isto bastante interessante.^^O que mais há para dizer? É uma pessoa(sexo masculino), que adora falar da temática dos relacionamentos. E apesar de várias teorias e até “livros de regras imaginários”, para que os encontros saiam como o esperado…é um fiel solteiro inveterado.:)Háháhá! Faz tudo parecer simples e descomplicado…
    “uma pessoa com alguma experiência de vida e pés assentes na terra sem perseguir moinhos de vento.”
    Um final “quote” da defensora dos moinhos de vento, dito pelo mestre deles(quem melhor para falar nestas alturas senão ele?!…lol)
    “Quando se sonha sozinho é apenas um sonho. Quando se sonha juntos é o começo da realidade.”
    (D. Quixote)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *