Arquivo de etiquetas: o mundo

Anatomia: uma má discussão

Quem nunca teve uma discussão? Apenas aquele que ainda está para existir pode dizer que não teve uma discussão mas brevemente irá perceber que isso não dura para sempre enquanto estiver a competir com os restantes milhares de concorrentes da existência enquanto ser.

Há boas e más discussões como tudo na vida, a única coisa certeira é que nada é perfeito. A boa discussão, se é que existe é aquela em que aprendemos algo e mudamos algo em nós perante o mundo. Já a má discussão é o puro desperdício de ar em que pelo menos uma das partes não está interessada em construir algo de produtivo após essa discussão.

Recentemente, tive a experiencia de viver várias discussões e tive algum tempo para parar e puxar-me para fora do cenário bélico e tentar ser a Suíça no conflito. Rapidamente consegui ver que ambas as partes estavam erradas, nem tanto no que se discutia, fosse correcto ou errado o que tinha sido feito, ou quem tinha feito o pior. Pois ambas as partes tinham pecado, contudo o verdadeiro erro nem era discernir qual das partes poderia ter maior quota na razão, mas sim a postura que já levam para a discussão, ora quando um queria ceder o outro claramente atacava, e quando se chegava à discussão seguinte os papeis acabavam por se inverter.

A anatomia de uma má discussão não está na discussão em si, mas sim no que rodeia, ou melhor dizendo no intervalo da discussão. São todos aqueles pequenos (e grandes) detalhes que vamos fazendo ao longo do tempo apenas para fazer a outra pessoa se sentir mal.

O sentimento de desconforto, o por sal na ferida e os actos egoístas são resultados são fenómenos de “bola de neve”.  Há gesto que são “delicados” outros mais grotescos, mas todos eles contribuem para a má discussão e destruir os motivos que levaram as duas partes a discutir.

Quando olho para trás e anatomicamente disseco a minha discussão sei que no inicio tive razões, mas diversas acções e palavras proferidas levaram-me a perder o motivo original da discussão, contudo estas mesmas acções e ditos levaram a outras reacções que por sua vez também fizeram o outro lado perder parte da razão ganha, e assim sucessivamente.

O resultado é inevitavelmente uma má discussão, pois focou-se sempre nas causas e não no compromisso de solução que funciona-se e satisfizesse ambas as partes.

Resumindo aquilo que nada diz, as discussões são inevitáveis e acabam por ser um exercício de cedências e esquecimentos do egoísmo do ser, devemos querer algo para o futuro e não arrastar o que passou.

Há uma expressão típica que diz “forgive and forget” que dispensamos rapidamente nas discussões, contudo uma má discussão demasiado longa resta-lhe apenas o “forget” e ninguém está mais interessado no “forgive”.

Um dia mais sábio,
Anjo da Guarda

Quem és tu, Versão 6?

Mais uma versão para o Tribal Wars… a esta chamam-lhe 6.0 e trouxeAldeiabastantes melhorias ao nosso jogo.

Foi  no vigésimo quinto dia do segundo mês do ano corrente, simplificando, a 25 de Fevereiro de 2010 que abriu o mundo 16, trazendo consigo a Versão 6.0 com melhorias como o tão aguardado Sistema de Reservas, a possibilidade de atribuir cores aos grupos, alteração da cor das aldeias neutras, possibilidade de uma pré-visualização  de uma mensagem que queremos colocar no fórum da nossa tribo, e muitos mais afins… sem esquecer, claro, os acampamentos.

Descendo e vasculhando a particularidade das alterações e modificações a que mais polémica soa é o Sistema de Reservas. Não menosprezando os acampamentos, mas o sistema de reservas facilitou a organização das tribos neste parâmetro de reversas e conquistas. Com este modelo utilizado, que é ainda simplificado aos utilizadores de conta premium, uma vez que lhes permite fazer uma reserva directa da aldeia. Também considero esta uma brilhante mudança pois terminaram (espero) as discussões dentro da tribo, infantis e desnecessárias sobre a posse de uma aldeia –  “Aí eu reservei primeiro…”, “Mas eu baixei primeiro a lealdade…” , “Tu puseste uma barra (/) e não um traço (|)…” – enfim…salvaguarda a paciência dos líderes e dos moderadores do fórum de qualquer tribo.

Prosseguindo nas mudanças e arrumações, o que se segue são os acampamentos. Suponho que a maior parte dos jogadores do mundo 16 (único mundo do servidor português com acampamentos) não sabe como utilizar esta nova ferramenta que temos à disposição. Antes de mais convém saber como construir/montar os acampamentos militares de uma tribo. Ora bem, para tal há necessidade de haver uma cunhagem de moedas por de parte dos membros da tribo – são necessárias 100 moedas de ouro. Após a criação do acampamento (o que é necessário permissões para tal), os membros da tribo podem enviar tropas para lá, e de movimentar as suas tropas, tanto para ataque, como para defesa. Com isto o tempo de apoio/ataque é reduzido, mas cada jogador pode mover as suas próprias tropas.

De uma forma mais geral, queria salientar as restantes alterações, sendo elas: o melhoramento do Login; a criação de uma versão móvel do Tribal Wars;  melhoramento no recrutamento (para conta premium);  notificação sobre uma aldeia reservada (somos avisados quando atacamos uma aldeia reservada por um membro da nossa tribo); pré-visualização de uma mensagem no fórum da tribo; solicitação de apoio mais rápida e eficaz (para conta premium); as alterações na cor das aldeias neutras e a possibilidade de atribuir cores aos grupos; atribuição da religiosidade automática no simulador, quando os batedores a detectarem; e por fim, e-mails de notificação quando o armazém atinge o limite de capacidade, ou quando fica inactivo, caso o deseje receber.

São mudanças que vêm a acontecer de versão em versão e que tornam um pouco diferente o jogo.

Entrevista a Atomic7

Trago mais uma entrevista do West para vocês. Trata-se do primeiro jogador a atingir o nível 99, o Atomic7. Conhecido na comunidade, é um jogador activo, participando em diversos mundos. Espero que gostem!

.

Nome: João

Idade: 29

Profissão: Porteiro

Localidade: Suíça

Mundos em que joga: Mundos 2,3,4,5,6

.

Sudritter: Boa tarde, como tenho perguntado já anteriormente, como conheceu o The-West?

Atomic7: Por intermédio de um fórum de um jogo online.

.

Sudritter:Esta entrevista é feita principalmente por ter sido o primeiro do mundo 3 a chegar ao nível 99, como conseguiu chegar tão longe, mais rápido que os restantes?

Atomic7: Deveu-se a  inúmeros factores. As batalhas dos fortes são uma grande inovação que o jogo teve, permite ganhar muita experiência muito rapidamente. Contribui para o jogo (pepitas), o que acelera de alguma forma certos desenvolvimentos do nosso boneco e graças a fabulosa aliança RAW.

.

Sudritter: Ainda vamos falar da RAW um pouco mais tarde, Embora bem sucedido neste mundo, ainda joga em 4 outros dos nossos mundos portugueses, qual é aquele que mais o anima neste momento? Porque?

Atomic7: Sem duvida o mundo 3. A aliança onde estou está cada vez a dominar mais esse mundo contra o seu principal rival, FUW. Nesse mesmo mundo ainda estou a terminar aventuras (LVL 67 blargh) e estou a mudar as minhas skills para modo de duelo 😉

.

Sudritter: O que considera deste bloqueio final, pensa ser uma boa opção ou acha que existe uma outra forma de finalizar os mundos? Caso afirmativo, qual?

Atomic7: Pessoalmente penso ser uma boa opção. A minha vida não me permite estar online no The-West o dia todo e foi com grande satisfação que consegui chegar a nível 99 em primeiro.

Uma outra maneira de finalizar os mundos seria de acabar as aventuras disponíveis com o tal nível 99 e com a melhor classificação no rank de duelos em conjunto com a melhor cidade. Ai não haveria duvidas para o melhor do jogo, já que no salão da fama fica sempre gravado e será até agora um marco que os outros jogadores todos podem ver.

.

Sudritter: Diz então que chegar ao nível 99 lhe deu um certo “descanso”, no entanto continua a jogar, e a participar nas batalhas de forte (não pude deixar de reparar a referências às mesmas no seu perfil de jogo), considera então que chegar ao nível 99 não é um impeditivo a continuar a divertir-se no servidor?

Atomic7: Continuo a divertir-me com o jogo mesmo que não evolua em termos de experiência. Tenho muitos conhecimentos por causa deste tempo e não os vou deixar ficar mal só porque atingi uma marca pessoal. Tenho uma aliança para ajudar e um mundo para dominar.

.

Sudritter: Penso que já todos entendemos que para si a RAW é a melhor aliança do mundo 3, na sua opinião o que ditou o vosso sucesso?

Atomic7: Nesta altura do campeonato penso que foi a entreajuda entre todos. Posso referir nomes de pessoal que ta sempre a agitar a minha caixa de correio como o gibreelfarishta, Psi, Soulless, entre outros.
Estou também no mundo 2 e a FUW domina a seu belo prazer, no mundo 3 já não é bem assim 🙂

.

Sudritter: São estes os companheiros que lhe ajudaram a chegar onde chegou?

Atomic7: Foram estes os principais dinamizadores da aliança que por acaso até fazem parte do núcleo duro da minha cidade. Existe muitas pessoas na aliança que me ajudaram porque sabiam que eu estava no top de experiência. Quero salientar a importância da interacção dos membros da aliança através de chats como por exemplo do MSN.
Penso que essa opção para o jogo já esta em andamento e seria uma grande ajuda 😉

.

Sudritter: Falando doutro mundo, neste momento esta juntamente com o projecto DOMINATION no mundo 6, foi muito falado ultimamente pelo bom grupo de jogadores, e pelas atrocidades que vos assombraram, que expectativa tem do mesmo?

Atomic7: É o segundo mundo onde estou mais activo e sinceramente penso que vamos ser imparáveis 😛
Temos um belo grupo de jogadores, experientes, líderes e com actividade razoável em média 😀
Claro que o mundo ainda está no inicio e existem poucas alianças. Mas com o avançar do jogo, penso que poderemos ter 3 ou 4 cidades aliadas com o mesmo tipo de jogadores que formam a nossa. E ai sim, vamos dominar todos 🙂

.

Sudritter:E expectativas pessoais, embora longe do topo o mundo ainda está no inicio, luta pelo top20?

Atomic7:Não. Chegar a nível 99 no mundo 3 foi muito cansativo, foi à pouco tempo e espero agora contribuir com a minha experiência para que outros atinjam o top 3 pelo menos. Como é normal temos muitos bons jogadores neste mundo devido à sua experiência.
Mas já tenho alguns planos para o mundo 7 se chegar em boa altura 😀

.

Sudritter:🙂 Desejo boa sorte a todos os membros da cidade.
O The-West pode ser considerado um jogo envolto em mistérios, a igreja, as 3 chaves, missões secretas e uma constante inovação dão ao jogo inúmeras alternativas de jogo, tem curiosidade por algum destes pontos? Procura descobrir mistérios ou coleccionar itens famosos ou raros, ou joga de modo simples?

Atomic7:Vamos por partes. Igreja não me seduz. Na altura em que comecei a jogar e penso que até agora, dizia que dava bónus aos construtores, mais sorte em trabalhos, etc. Para mim igreja é como no mundo real, dizem muito mas vê-se pouco ou nada.
As 3 chaves.. hmm.. penso que devido a mudar as skills para duelo não vou chegar tão longe… Mas se quando estiver a pesquisar em outros lados vir que vale a pena vou mudar as minhas skills por completo para chegar a esse objectivo. Missões ‘secretas’ são por pouco tempo 😀 Vai sempre haver alguém que se descuida e depois se espalham por todos 😛
Itens famosos ou raros, gosto muito, nem que seja para exibir 😀
Neste momento jogo para acabar as aventuras todas e ajudar a aliança.

.

Sudritter: Sobre a questão da importância da igreja, com o conjunto de dorminhoco, foi de novo levantado à discussão a vantagem de rezar, já que o set favorece esse ponto, acredita que este set dará uma ajuda real?

Atomic7: Penso que o set de dorminhoco foi das melhores coisas que pensaram em trazer para o jogo. Faz sempre a diferença em termos de recuperação o que para um jogador que luta pelo topo de experiência ou um duelista que quer recuperar saúde da sempre um bónus em relação aos outros menos activos.

.

Sudritter: Mudaremos um pouco de tema, já disse que a sua vida nem sempre lhe disponibiliza tempo para o jogo, é difícil conciliar a vida pessoal e o jogo?

Atomic7:Foi difícil na minha situação, porque passava mais de 8h sem acesso ao jogo. Nada que o premium não resolve-se… mas é sempre diferente, estar a acompanhar o jogo de hora a hora para o caso de algum ataque que nos obriga se a ir dormir ao hotel para não ser desmaiado ou para algum trabalho que nos tira se muita saúde.
E depois temos sempre a vida pessoal que nos ocupa o resto do tempo restante (dormir e’ mentira :P)

.

Sudritter: lol 😛 No fórum alguns jogadores falaram a algum tempo na abertura dos velhos mundos, considera que tal é propício para os servidores?

Atomic7: Penso que se era positivo sim. Mundos mais antigos tem muito pessoal inactivo o que deixa esses mesmos mundos com vagas para pessoal novo entrar e se relacionar com amigos de outros mundos que já la estejam ou com outros jogadores onde podem fazer novas amizades e ter sempre o estimulo de os seguir sempre que abram outros mundos.

.

Sudritter:O que acha destas iniciativas, como as entrevistas e os artigos, para o melhoramento da comunidade?

Atomic7: Acho que são coisas que entretêm a comunidade. O pessoal pelo tópico vai sempre ler o que os que estão no topo tem a dizer e penso que é uma excelente iniciativa para quem quer animar um pouco mais o fórum.

.

Sudritter:Tem alguma sugestão para o melhoramento do jogo?

Atomic7: Sim, os tão falados chats no jogo.
Além disso poderia haver um menu novo de alianças idêntico aos que temos na cidade mas a englobar a aliança e onde esses mesmos membros não se podiam atacar

.

Sudritter:Hum, não se esqueça que as alianças não fazem parte da fisionomia de jogo

Atomic7: Mas evitava cidades que metem os nomes e não fazem parte da dita aliança, entre outras coisas, penso ser importante, já que as alianças são parte fundamental do jogo.

.

Sudritter:Continuando, já jogou um dos outros jogos da Innogames? Como o famoso Tribos ou o novo Grepolis?

Atomic7: Penso que não. No entanto joguei um muito semelhante ao tribos.

.

Sudritter:Já teve contacto com a nossa equipa de suporte? Como considera o trabalho efectuado pela mesma?

Atomic7: Já tive oportunidade de usar. Penso que têm de ser pessoas adultas que saibam separar o jogo das regras em alguns casos. São muito eficazes para o tempo que têm que imagino que é pouco.

.

Sudritter:Para terminar, tem alguma sugestão para a gerência dos mundos portugueses?

Atomic7: Penso que o nosso fórum não é tão visitado como podia ser. Temos muitos atractivos, desde discussões a ideias novas, analise de mundos, o belo do bar…. Penso que mandar uma mensagem in-game para o pessoal não custava nada e ganhava se clientes frescos porque o Doidão varre o pessoal todo 😀
De resto, o pessoal da gerência podia lançar desafios para apelar a participação dos membros com questionários e um respectivo salão da fama no fórum no qual se podia meter um ranking por actividade e resposta certa.
decerto que deste modo podia meter cada vez mais membros online do fórum.

.

Sudritter:Queria agradecer em nome de toda a equipa pelo tempo despendido para a entrevista, as entrevistas são sempre um bom método de conhecer a opinião dos jogadores, pessoalmente desejo-lhe sorte no jogo, principalmente no novo mundo 6.

.

Pessoalmente gostei bastante de trabalhar com o João, decerto que foi uma entrevista longa, mas bem disposta, mais ainda quando descobrimos que ja fomos quase vizinhos. Penso que abordamos algumas das questões mais fulcrais na actualidade do The – West português, principalmente da vida no nosso fórum, agradeço mais uma vez ao jogador, 😉

Sudritter

Comentários deverão ser feitos no seguinte tópico: http://forum.the-west.com.pt/showthread.php?t=17122

De olhos postos nos céus e mãos nos bolsos

O título deste artigo é deveras sarcástico e irónico, pois irei escrever um pouco sobre um tema da actualidade, que recentemente fez capa numa revista de generalidades, o aquecimento global. Ora não fosse na bela Dinamarca que se reuniriam lideres das várias potências mundiais para discutir o ambiente. Faz lembrar um evento que não faz assim tantos anos, a Cimeira da Terra que ocorreu no Rio de Janeiro.

Abri este artigo com um título que acho que faz jus às preocupações do momento, chegamos a um ponto na história do homem em que nos vemos ameaçados pela forma que tratamos o planeta que nos alberga correndo o risco deste nos expulsar, porém sem tecnologia nem ponto de destino quando isso acontecer. Desta forma, começamos a ser obrigados a pagar as rendas que ficaram para trás e pagar os juros dos comportamentos dos “nossos” antepassados.

Contudo, o mundo é todo ele menos unido ou igual… o Socialismo fracassou e as riquezas estão dispersas, de tal forma que dividimos os países em nomes como “desenvolvidos”, “ricos”, “subdesenvolvidos”, “em vias de desenvolvimento”, “pobres”, “de terceiro mundo… enfim os nomes são tantos.

Quando olhamos para a história do nosso planeta também conseguimos sem grandes esforços ver que os países ditos desenvolvidos foram aqueles que lá chegaram pelas suas atrocidades (para com o ambiente), veja-se o caso do Reino Unido, onde na sua capital encontramos o fenómeno smog (fumo com nevoeiro). Contudo este são também os países que hoje tentam liderar práticas mais ecológicas e incutir as mesmas aos restantes países.

Costuma-se dizer que os países subdesenvolvidos estão a séculos dos desenvolvidos e quando falamos em protecção da natureza isto é uma realidade quase inevitável, a poluição gerada por estes é elevada mesmo que menor dos países industrializados durante a revolução industrial. Contudo são estes que devem pagar o progresso milenar dos restantes? E de que forma?

Um argumento apresentado constantemente por vários dos países “mais poluidores” é qual o motivo que o seu desenvolvimento deve ser afectado pelos “crimes ambientais” praticados por outros? Afinal de contas, não foram eles… E assim começa uma guerra que transcende estados, empresas, pessoas, ideais e vontades.

Quando, logicamente, chegamos à conclusão que para estes países pagarem o preço do desenvolvimento de um grupo restrito de países é preciso que lhes paguem a eles, sendo o valor da etiqueta neste caso de diferentes géneros numa altura que o sistema financeiro está em apuros… a solução parece ainda estar longe e a boa vontade dos líderes destas potências transforma-se rapidamente em apenas mais um acto de poluição (pois os aviões também poluem).

Assim ficamos a olhar para os céus com as mãos nos bolsos, pairando apenas a dúvida temos as mãos nos bolsos porque? Procuramos ver quanto temos para pagar desta renda, ou simplesmente esperamos que o céu nos sorria?

Também a olhar para o céu,
Anjo da Guarda

Dilemas de se ser jovem…

Alguns dias atrás tinha começado a escrever este artigo, porém com a confusão desta quadra que se aproxima e todos os compromissos sociais que perseguem a altura do Natal este artigo ficou perdido. Contudo, decidi rescrever esta pérola perdida.

Ser jovem, melhor dizendo ser um teenager, é uma das épocas mais emblemáticas na vida de cada um de nós. Sem ofensas, é porque somos ignorantes nesta época! E vivemos com a sensação que tudo é lógico e compreendemos todos aqueles detalhes que fazem o mundo girar à volta do sol. Ora nada podia estar mais longe da realidade e é apenas anos mais tarde que olhamos para trás e conseguimos rir de coisas tão absurdas que se fossem feitas na idade actual seriam vergonhosas.

Sou tímido e ela dá a impressão de me odiar.
O que fazer neste caso?
(PS-Já gostei da melhor amiga dela, e também não correu muito bem)

A inocência oferecida pela adolescência também trás os seus problemas, tal como foi a frase que inspirou a escrita deste artigo. Então passando ao que realmente importa, ao pensar lembro me rapidamente de num artista que me acompanhou nesta idade – Rui Veloso – e naturalmente há uma musica que salta logo à mente “não há estrelas no céu”.

Ora bem vamos lá dissecar o problema, e separar a partes o ódio e o pos- scriptum. E para tal começo com o ódio. As pessoas muitas vezes tendem a confundir ódio com desprezo, que é algo totalmente diferente. Por outro lado, existe ainda mais um faux pas, que se diz por ai que o ódio e o amor andam de mãos dadas.

Ódio ou desprezo?

Como identificar qual das duas coisas é? Ora bem… há sempre a hipótese de ir lá e perguntar “tu odeias-me ou desprezas-me?” isto seria a forma que eu faria… contudo eu tenho experiencia e conhecimento para ler a situação e descobrir a resposta real. O maior problema desta abordagem divide-se em duas questões pertinentes: a pessoa que vai responder sabe a resposta real e o significado das palavras? Ou quão honesta será a resposta?

É aqui que se torna importante ler os pequenos sinais que as pessoas não controlam, mas para tal lamento informar que são precisos ainda alguns anos para se atingir a maturidade suficiente de domínio desta técnica. Contudo irei, explicar-vos como fazer isso de uma forma mais rudimentar e não tão exacta.

Vamos partir por uma nova abordagem, o ódio será visto como vulnerabilidade e o desprezo como ameaça. Ambos se tornam difíceis de ser “ler” visto que em ambos os casos a outra pessoa tomará sempre uma postura defensiva. Assim fica aqui mais um pequeno conceito, as pessoas em circunstâncias defensivas têm três possíveis alternativas, congelar, fugir e confrontando. Se olharmos para as reacções simplificadas (se tal existe) podemos definir rude escala de por exemplo quando entras no mesmo local que essa pessoa se encontra… que é que ela faz?

Esconde-se e minimiza a atenção focada nela? – Congelamento
Desloca-se para outro local, ou fica irrequieta? – Fuga
Começa a tecer comentários com a colega do lado enquanto olha para ti? – Confrontação

Estes são apenas alguns exemplos que se podem incluir nestes 3 parâmetros. Existe ainda a indiferença e para esse posso apenas dizer – desiste, pois encontraste o desprezo. Tal como se encontrares uma situação de confronto, regra geral será mais trabalho que proveito.

Nos outros dois casos, estamos com sorte. Mas saliento já que a condição ideal é o congelamento, ora a fuga encontra-se demasiado perto da confrontação e torna-se muito difícil de se lidar.

O passado social…

O texto que utilizei para dissecar esta situação divide-se em duas partes, a primeira era sobre qual será as reais emoções neste imbróglio natural. Contudo, nada na vida é simples e esta situação torna-se ainda mais complexa com o envolvimento da terceira personagem e a atribulada viagem até ao presente momento.

Muito resumidamente: Desiste! Não é uma questão de gostarem-se mutuamente ou não é apenas que o esforço necessário é demasiado para o resultado final. Por esta altura, devem estar alguns mais românticos a atirarem-se ao tecto com esta conclusão, porém não se trata de um atentado ao “amor vence tudo” – é apenas uma clara observação que não existe lá amor, mas sim uma paixoneta (lovers fool).

Todos os seres humanos tem problemas de aceitação em sair com o caixote de lixo de alguém que nos é próximo. E à medida que a pessoa que rejeitou a outra mais próxima nos é maior a dificuldade de aceitação e por tal motivo crescem os problemas e dificuldades iniciais. Se considerarmos que a fase inicial é a base da nutrição de uma relação podemos chamar à discussão o velho ditado “pau que nasce torto, não endireita…” Assim sendo, no dado caso estaria a pregar noutra paróquia.

Dedicado à única pessoa mais chata que o Pekenino,
O Advogado do Diabo

Agora quem é o Anjo da Guarda…

Se há algo em que estarei de acordo com o Advogado do Diabo é a confortável sensação que este anonimato me confere. Reparei que num artigo passado alguém atribuiu a autoria dos meus textos ao Administrador de Comunidade.

Naturalmente não irei sair do conforto deste pseudónimo para revelar a minha verdadeira identidade, verdade seja dita que apenas um grupo muito restrito sabe quem na realidade sou, tal como a verdadeira identidade do Advogado e assim permanecerá por um longo período de tempo se depender da nossa vontade.

No entanto, tal como o Advogado fez, irei dar algumas pistas sobre quem sou sem revelar nada de pessoal. Creio que mais que o meu nome verdadeiro é o meu percurso, o que ficou para trás, o que faço agora e o que planeio para o futuro é o que faz de mim quem sou hoje.

Ironicamente, conheço pessoalmente o Advogado há muitos anos – os nossos caminhos se ligaram com um episódio na nossa vida, já em tenra idade tínhamos formas distintas de ver o mundo apesar de toda a nossa ignorância e teimosia de provar o outro de errado. Por algo estranhamente normal criamos um laço de amizade que até aos dias de hoje se mantém. Embarcamos no mundo académico nas mesmas áreas sempre com a picardia de provar o outro de errado, algo que até hoje continua. Partilhamos amigos, colegas e conhecidos e situações do arco-da-velha, porém em todo as nossas discordâncias conseguimos sempre encontrar o meio-termo de berros em discussões filosóficas.

Ao contrário do Advogado, eu acredito que as pessoas são mais que meramente o produto das circunstâncias – não removo a importância destas, mas acredito que há um padrão de morais dentro de nós capaz de se elevar ao que nos envolve. Por esse mesmo motivo acredito que as relações entre as pessoas podem durar e funcionar (e não falo exclusivamente das amorosas).

Porém com a convivência e influência do Advogado, também vejo que o mundo não é apenas um mar de rosas e existe algo por baixo do encantado perfume marcado pelos espinhos. E aqui fica a verdadeira diferença entre nós, ora o Advogado acredita que quando nos afundamos para essa área devemos mudar e perseguir algo novo, para mim devemos avaliar a situação e descobrir se é valido investir nesta circunstancia temporal e melhorar ou se tal visão é utópica.

Ao contrário que muitos possam pensar, entre nós existe uma grande proximidade da realidade abordada de uma forma muito sintética. Porém um acredita na construção das condições ideias ou outro acredita na filosofia da altura certa e local certo.

Qual das formas é a postura correcta na vida? São as duas, é encontrar o local certo, na altura certa para construir o momento “perfeito”. Contudo, é quase impossível combinar estas duas posturas e acaba-se por ter de se arriscar. Como diz o Advogado, acaba por ser como andar com óculos escuros durante a noite, nunca se sabe contra o que esbarramos.

O vosso,
Anjo da Guarda

A história de todos nós…

A nove de Novembro de 1989 iniciava-se um novo mundo com a destruição do muro de Berlim. Na minha infância, marcada pela experiencia de atravessar o muro de Berlim do ocidente para o leste e voltar, sendo ainda uma mera criança que pouco percebia de políticas e o mundo para mim girava à volta do meu umbigo não consegui deixar de ficar perplexo com as duas distintas realidades.

berlinHoje, 19 anos mais tarde, celebra-se a queda do muro e preparam-se os festejos do vigésimo aniversario da (des)união europeia e mundial. Para muitos de nós esta data passaria desapercebida se não fosse pela espera cobertura dos mass-media, porém é quase impossível acreditar que tal evento torne-se uma mera data do passado.

Se ainda no apogeu da minha vida, olho para os últimos 10 anos e vejo como o mundo evolui para o bem, tal como para o mal, se acrescentar mais 10 anos as diferenças conseguem ser abismais. Não vivi noutra época para poder comparar, mas creio que tal fissura na forma de viver já não acontecia desde a revolução industrial.

A queda do muro marca o inicio de uma estabilidade para a maior parte dos povos é com esta data que se afastam os medos das guerras – elas ainda existem a ceifar milhares de vidas, contudo estamos separados delas pelo vidro da televisão. Os problemas parecem agora ser de todos, seja a gripe, seja a SIDA, a fome, os regimes não democráticos, entre outros. A cortina de ferro deixou de existir e o mundo globaliza-se pelos zeros e uns que circulam pelos cabos da internet.

Vinte anos atrás os meus melhores amigos eram os meus vizinhos e familiares, continuam a ser neste momento, no entanto junta-se a este leque pessoas das mais diversas nacionalidades e uma mistura pluricultural que me fazem sentir como não só português, mas também um cidadão do mundo.

O mundo deixou de ser até ao final da rua e agora estende-se até aos confins da vista e além. Isto tudo porque um muro caiu… Considero-me afortunado por ter acompanhado estas voltas que o mundo deu cheias de emoções e descobertas do Homem. Este anos foram glorificados não pela corrida espacial, não pelo armamento, muito menos por novos países ou terras além-mar, foi sim marcado pela descoberta do Homem como seu próprio igual, pelas dificuldades de reconciliar-se com velhos inimigos.

Quase vinte anos mais tarde, e com um pouco de mais consciência do tamanho do mundo continuo pasmado com aquilo que fomos capazes de fazer nestes anos e acredito que muito mais está para vir.

Dia a dia do Advogado do Diabo

Ora bem, se até o administrador fala do seu dia entediante, e mais de tal forma agendado que omitiu as pausas para ir à casa de banho, irei também divagar sobre o meu dia que acho deveras muito mais interessante.

A minha manhã inicia-se com um ritual de purificação, espanco o despertador (sem almofadas que isso é muito quiduxo) e vou tratar de mim, meto-me no banho e penso qual será a minha próxima vítima (novo despertador), visto que ainda é madrugada (pois os diabinhos lançam o caos sobre o mundo cedíssimo).

Depois de lavado e manjado é hora de pegar no carrinho e abrir o escritório, como bom ser desprevenido de moral as manobras perigosas nas ruas movimentadas e o uso excessivo da buzina é o meu ritual pagão matinal. Irritar o maior numero dos seres que estão nas filas e mostrar como se faz é bonito.

Ao chegar ao escritório é altura de dar vazia aos clientes, bem eles são sempre mais que as mães e todos com umas histórias mirabolantes… A parte que realmente me chateia neste momento é porque raio eles tentam enganar o diabo? A serio, será que já não é possível confiar numa pessoa que vende a sua alma ao diabo? Desiludem-me… francamente…

Depois de lançar as pragas sobre as criaturas daquele senhor ausente, gozar um pouco com a cara de uns anjinhos moralistas fico com fome. E se tenho fome… Bem, adivinhem lá o que faço!? VOU COMER!!!

Após isso segue-se um outro passatempo muito bom… questionar e importunar os sacerdotes da sabedoria em templos obscuros e duvidosos. Questionar sobre tudo e todos, criar o nevoeiro à volta do seu deus e perguntar “ainda tem a certeza da sua existência”. Infelizmente este é um passatempo que rapidamente me leva à remoção dos seus templos, até na casa destes senhores somos mal vindos e olhados.

De tanto me agarrar às cadeiras e suplicar apenas mais uma pergunta fico exausto e naturalmente com fome, pego no objecto de telepatia e escrevo os meus pensamentos que envio aos pobres coitados que ainda me aturam – vamos jantar e sair?

A comida está sempre boa! Mas o verdadeiro apogeu do dia começa com a hora das bruxas, quando o sol já não se vê e a lua atordoa as presas. Começa o jogo das seduções, olhar à minha volta e procurar na multidão aquela cara nova e anónima (sim porque o nome é o menos importante). E assim começam as promessas de um amor ardente até ao final de tal noite, algo mágico e único (pois duvidosamente se repete).

À medida que nos afastamos, paira apenas uma questão será que o meu despertador toca na tua mesinha de cabeceira?

Isto sim é um bom dia!
O defensor de todos que não precisam de horários para ir à casa de banho.

Priceless: saber dizer não

noQuando decidi iniciar as minhas sátiras e reclamações dos seres que habitam este planeta olhei para as minhas experiencia de vida e dissequei várias como gozaria com os meus netos (se tivesse o azar de ter filhos). No entanto, olho para trás e vejo os sábios conselhos que deixei a amigos e colegas (sem o intuito de me passar como um expert) de situações da paixão carnal. Contudo as abordagens feitas acabaram por ser um pouco da minha forma de olhar para o mundo e de como reajo em dadas condições da vida.

Como qualquer ser digno do nome humano, já tive os meus momentos do auge como os momentos que afundam-se (ligeiramente) abaixo do normal. Estes são muitas vezes os momentos mais marcantes na vida de qualquer pessoa e a forma como os abordamos definem muito sobre nós.

Então, no paradoxo da busca da supremacia do ego e da excelência do ser, e não é cogito ergo sum (tradução: penso logo existo). Mas a capacidade de moldar as circunstâncias ao nosso prazer, e isso sim implica pensar um pouco.

Não sei bem porque, mas as maiores lições que tenho tirado na vida saem daquelas saídas com um campo de batalha entre os sexos. Tal como anteriormente disse, a interacção com uma perfeita desconhecida é algo que me traz grande prazer, como faz com todos os seres humanos. Afinal de contas, nada puxa mais lustro ao nosso ego que o reconhecimento da nossa pessoa por um par atractivo.

No entanto, com os anos de experiencia e o relativo sucesso nestas investidas com o sexo oposto traz sempre alguns problemas. Sendo o primeiro, que de alguma forma a coisa torna-se fácil e por esse motivo é necessário subir a aposta. Isto é algo que resulta ainda durante algum tempo, afinal de contas busca-se um premio maior… Mas rapidamente, ganha-se a fama e desde que entramos na era da inclusão digital a fama cresce bastante mais rápido e com isso temos dois novos níveis de alvos, os que oferecem resistência e aqueles que pintam a tabuleta.

Sobre os que pintam a tabuleta não irei falar, visto que é demasiado fácil e volátil que a sua utilidade é para quando alguém acaba de sair de uma relação e precisa do seu rebound. Já os que oferecem resistência são dignos do esforço extra. No entanto feito o tal esforço extra, apesar de nem sempre se conseguir, grande parte das vezes consegue-se quebrar o gelo e passar ao nível seguinte.

É nesta circunstância que fico a pensar, afinal de contas tanta dificuldade? Será que vale mesmo a pena, ou esta dificuldade é para fomentar algo mais serio? Eu quando sai de casa não andava à procura de namorada ou algo do género e agora arranjei uma?

Na minha perspectiva pessoal e deturpada isto é quase como ser mulher e chegar a casa e dizer estou grávida… afinal de contas, as relações é um pouco como criar uma criança, dizem por ai que é preciso dar amor, carinho e ir regando com frequência.

Então é neste pânico que me saem as coisas mais aparvalhadas como o corte final, do género, “epah isto até está a ser interessante, mas tenho de confessar-te algo: eu vivo noutro país e estou cá apenas de férias” ou “eu até vos convidava para jantar, mas já sei que não aceitas e por isso fiz outros planos” ou mesmo “a minha namorada está à minha espera e tem uns ataques de fúria quando chego atrasado”. Bem, a verdade é ao ver a cara e a reacção do outro lado enquanto ferve em fúria e procura o objecto mais próximo para me atirar no momento que me despeço da companhia e sigo para a próxima aventura é, como diria os tipos da mastercard, priceless.

Então, se for como neste fim-de-semana, de conseguir iludir as investidas de uma pessoa ao qual meio envolvente se babava, ainda se torna mais divertido e o ego sobe em flecha.

A realidade é que nos tempos que correm a sociedade (real) mudou porém as pessoas continuam a acreditar no estereótipo que os homens continuam a ser fáceis e que para as mulheres basta estalar os dedos. Isso ainda acontece, mas já não é a regra sólida que foi outrora. E ter o controlo suficiente para dizer não a uma mulher (muito atractiva) é provavelmente um dos momentos mais bonitos na vida de um homem. É saber que não somos controlados pelas nossas hormonas e que somos capazes de resistir, mas acima de tudo termos a confiança que conseguimos melhor.

Nem sempre o pecado carnal pode ser a melhor opção, por vezes negar os prazeres da carne pode ser melhor.
O Advogado do Diabo

Mas temos mesmo de responder a isso!?

E mais uma segunda-feira chegou, e como temos vindo a tentar publicamos mais uma vez as respostas a todas as perguntas. Porém aviso já que grande parte das perguntas foram respondidas numa madrugada de insónias em que estávamos a fazer um pouco de tudo menos dormir…

Tenho que dizer que foi bastante divertido para nós estar a responder e apanhar algumas respostas que os membros não sabiam que irão acabar por ser publicadas… e novas ideias surgiram.


bret the hitman hart: Qual foi o mundo que para vocês teve mais interesse para os jogadores? e porque?

Rpaiva: Mundo3. Depois de uma curta passagem pelo Mundo2, o Mundo 3 foi o que mais gostei e o que conseguimos (Irmandade do Lobos) ter uma tribo com apenas 30 elementos respeitada por todas as tribos. Uma grande experiencia.

Enteirocks: mundo 2 , porque depois do primeiro mundo inteiramente em português o 2 foi para atingir alguma maturidade

Sudritter: Penso que foi o mundo 1, sendo o primeiro é sempre o mais interessante, além disso penso que o servidor speed foi bastante aliciado.

Carvalhoes: o mundo 2 deve ter sido mt interessante, depois do inicio do server português deve ter sido neste que começaram a surgir jogadores mais competitivos, mais atentos ao jogo.

Sudritter: ah mas é sobre nós? Não percebi assim, pensava que era o mundo que achamos que foi mais esperado ou assim.

Rastadude: miaaaauuu

Enteirocks: que foi isso?

Ricardo: que cena mais CENSURADO!

Rpaiva: piu piu

Rastadude: No meu ponto de vista o mundo 3 foi o q teve mais interesse ate agora, pelas tribos q lá foram criadas, pelas guerras ja feitas e pelo q ainda falta para acabar e saber como realmente vai acabar!!!

Pekenino: Creio que o mundo que teve mais interesse para os jogadores foi o mundo 3 e o mundo 6. No mundo 3 aconteceu muitas reviravoltas e acho que não vale a pena dizer quais são elas pois os que jogaram e jogam no mundo 3 sabem quais foram e ainda existe.

Pekenino: Não vale mesmo editar? Se não vale retira o mundo 6 s.f.f. é que na pergunta diz apenas 1 mundo e eu disse 2 (mundo 3 e 6 s.f.f.)

Bebesinha: penso que foi o mundo 2, o 1 foi a novidade do pt o ter conhecimento do jogo por parte de muitos utilizadores e o 2 foi o poder colocar em prática os conhecimentos adquiridos, dai ser um mundo bastante competitivo

Relaxxx: Penso que o Mundo10 foi um mundo muito bom visto que apareceram novos bons jogadores, tribos e líderes. O Mundo10 tem varias tribos do top que são contra famílias e que já venceram várias guerras com varias famílias.

Tiagus: Para mim foi o mundo 3, visto terem aparecido também novos jogadores, alguns eram a primeira vez que aprenderam a jogar, tal como eu, e além disso houve logo do início uma guerra praticamente de metade do mundo contra outra, e além disso ainda existem grandes guerras, e o mundo é muito competitivo, mas é óbvio que ao longo os mais importantes jogadores vão deixando o mundo, mas contínua a ser dos melhores mundos do server pt.

Arodrigues: O mundo 2 e o mundo 3 foram mundos que muito guerra geram, quem muito bons jogadores aprenderam a técnica de jogar TribalWars. Ainda hoje estes dois mundo estão ricos a nivel de confrontos e desafios tanto a nivel da tribos, como a jogadores contra jogadores. Por todos este motivos, penso que foram e são ainda estes dois mundos que dão mais entusiasmo aos jogadores, no entanto, o mundo 10 e possivelmente o mundo 12 irão também tornar – se alvo de preferência pelo jogadores.


bret the hitman hart: E das tribos existentes no jogo, se a moderação tivesse de escolher uma qual seria?

Rpaiva: Existindo, seria a Irmandade dos Lobos. No Mundo4, a IW.

Enteirocks: nenhuma

Carvalhoes: mundo 3, família NOM, por muita critica que seja feita foi onde consegui ter maior trabalho de equipa e conhecer jogadores decentes no server português com quem valia a pena jogar. Isto são pontos de vista pessoais.

Sudritter: nenhuma em especial, acredito que em todos os mundos hajam boas tribos, para mim o ideal é pequena e sem famílias.

Rastadude: Das tribos ainda existentes existem varias q se encontram no meu entendimento de boa tribo… cada tribo tem o seu espírito em particular , cada 1 tem as suas mais valias e as suas “ovelhas negras” …

Relaxxx: que pergunta extraordinária…

Bebesinha: isso é pergunta  🙁

Relaxxx: Acho que se tivesse que escolher uma tribo seria a birlik por ter um exelente líder, uma super-organização e muita união. penso que é a melhor/uma das melhores tribo/tribos do tw.pt

Aquarius: Sem comentários…

Pekenino: Birlik sem dúvida pelo companheirismo de todos os jogadores, organização por parte do líder. Pelo que vejo tem a capacidade de se conterem em muitas situações que se vê.

Aquarius: como membro da equipa do jogo não considero que nenhuma tribo seja melhor que qualquer outra. Todas as equipas têm as mesmas oportunidades.

Arodrigues: A nível de tribos, a resposta tem de ser muito cautelosa e atender a diversos aspectos companheirismo, união e sobretudo organização, eu acho arriscado pornunciar nomes de tribos, pelo motivo que alguma vão, outra muda de nome etc etc, pelo que acho que qualquer tribo que preencha os requisitos que acima indiquei é uma tribo de prestigio e uma tribo de valor independentemente da posição que ocupa no ranking.

Bebesinha: todas as que apresentam unidade , estratégia, actividade, respeito pelos adversários e muito divertimento


pedrocas22: Qual e o moderador mais “chatinho”?

Ricardo: acho que as repostas a esta pergunta serão muito unânimes…

Sudritter [03:28:46]: Pekenino

Rastadude[03:28:47]: pekenino

Enteirocks [03:28:54]: pekenino

Carvalhoes [03:29:01]: pekenino

RPaiva [03:29:03]: Pekenino

Enteirocks: mas mete chato…

Cerelac: cerelac 🙂

Bebesinha: essa é muitoooooooo difícil

Pekenino: nem pensem

Bebesinha: pequenote 😀

Cerelac: pekenino

Relaxxx: então ainda há 2 dias diziam que era o pekenino

Bebesinha: desculpa puequenino mas…. es mesmo tu

Bebesinha: prontos diz que sou eu, não me zango mas vais levar um soco

Pekenino: O moderador mais chato SOU EU 🙂

ogait87: visto que ele próprio já o admitiu…

pekenino: ve-la tiago que estou na chamada…

ogait87: que queres que te faça… tu próprio o disseste…


brunex5: Qual a tarefa mais complicada que têm enquanto Moderadores? É o controlo dos jogadores e do fórum ou a abertura dos mundos, manutenção e updates para novas versões? Ou nenhuma delas?

Ricardo: Na realidade a abertura, manutenção e updates sou eu que trato com a InnoGames…

Rpaiva: Nenhuma delas

Sudritter: Pelo menos no west existe sempre uma grande afluência ao fórum antes das actualizações, o fórum torna-se mais fácil de gerir, mas nada de extraordinário.

Rastadude: nenhuma delas, são tarefas diferentes… que coisa mais…

Enteirocks: Quando existe verificação massiva de contas  :p

Bebesinha: essa eu sei, nenhuma delas :p

Aquarius: Acho que o que normalmente gera mais controvérsia e pode ser mais complicado de realizar na perfeição seja a de moderar o Fórum

Relaxxx: nenhuma delas

Pekenino: Para mim é o controlo dos jogadores…


Berunoxxx: (Ricardo) Todos os utilizadores, que são escolhidos para a equipa, primeiro são moderadores? E depois é que sobem para Super Moderadores, Co- Admins e Admins?

Ricardo: ora bem, inicialmente, até ao momento, os novos recrutas entram para a equipa de moderação ao fórum. Dependente de como corre a experiencia e pode ser optado entre um de dois ramos actuais – fórum e jogo – sendo que estes exigem do membro da equipa diferentes qualidades. A subida a Super-Moderador tal como a Co-Administrador é bastante mais complicada, depende das vagas existentes na equipa e do trabalho desenvolvido pelos membros.

Já a subida a administrador primário, bem de momento só existe um porém caso venha a sair nomearei um sucessor entre os co-administradores existentes.

Porém o método de recruta está em processo de alteração e estas informações poderão desactualizar-se brevemente.


Zauri.: No caso de um administrador cometer um erro grave como responde perante a innogammes?

Ricardo: Honestamente, não sei… nunca estive nessa situação.


Lamios: Quanto tempo, mais ao menos, se despende por dia na tarefa da moderação do fórum? E do jogo?

Enteirocks: 2 a 10 horas fórum + jogo, se o dia for facil são duas horas se o dia for CENSURADO são perto de dez.

Rpaiva: Depende. Em alturas que a afluência ao fórum é maior, demora bastante. Ou seja, entre 2 a 5 horas / dia.

Enteirocks: CENSURADO CENSURADO CENSURADO CENSURADO CENSURADO CENSURADO

Rastadude: Moderação no fórum …todo o tempo livre disponível para isso …seja 10m ou 5h  de cada vez q logamos.

Enteirocks: CENSURADO CENSURADO CENSURADO CENSURADO CENSURADO CENSURADO

Sudritter: Depende de dia para dia, ambos requerem atenção, o jogo mais do que o fórum, há tantas variáveis que influenciam, despendemos o necessário ^^  (acho eu)

Carvalhoes: depende da disponibilidade pessoal e da afluência ao fórum, mas no mínimo 2 horas por dia outros bem mais. Conforma e vai dando tempo passo por lá para ajudar.

Rpaiva: eu tou no hotel do the west, oh rasta trabalha na cidade!

Rastadude: já meti 30 minutos no coveiro.

Aquarius: Eu normalmente passo pelo Fórum geral meia hora distribuida ao longo do dia pois os mundos são da responsabilidade dos moderadores do Fórum. No jogo depende se houve alguma limpeza geral, se houve mensagens massivas de insultos, se existe o prenúncio de um novo mundo. Pode variar entre meia hora até 5 horas

Relaxxx: Isto depende da minha disponibilidade… Mas estou online pelo menos 2 horas por dia

Bebesinha: sempre que tenho tempo disponível, 24h  por dia e falta a noite

Ricardo: mentir é feio :p

Pekenino: Depende…….. Há dias em que se faz tudo no ‘ai’ e há outros dias que as coisas se podem complicar e demorar mais tempo…  É dificil dizer quanto tempo dispendo por dia só para a moderação… Mas +/- são 2 horas por dia… Se tiver sem nada que fazer nesse dia pode ser um pouco mais 😛


Alphos: O que gosta mais e menos em ser moderador?

Rpaiva: Mais – Ler tópicos de guerra; Menos – Punir

Rastadude: Menos-aturar o pekeno; Mais-Estar dentro de tudo o q se passa em guerras de todos os mundos …

Carvalhoes: menos – spam continuo que obriga a punir e a chamar constantemente à atenção dos utilizadores; mais – tópicos participados de forma correcta e equipa de moderação

Sudritter: menos: receber alguns feedbacks negativos quando não tem razão de ser (como reclamações a infracões ou a contas devidamente banidas); mais: o convivio em geral com a equipa.

Enteirocks: Gosto mais -> Espírito da Equipa, trabalho de grupo, quando acabo de “vos” aturar e vou dormir 😛 , gosto menos -> quando os utilizadores teimam em pensar que somos ceguinhos |:

Aquarius: Mais: Ajudar a comunidade e evitar um clima de impunidade. Menos: Ser insultado por todos ou acusarem-me de ser corrupto

Bebesinha: menos – ter de estar sempre a repetir o mesmo “Evitem fazer spam” e ninguém ligar a mínima …. snif snif mais – estar aqui com o pessoal 🙂

Relaxxx: Gosto ajudar a comunidade e nao gosto quando o pessoal é chato

Cerelac: mais – estar a contribuir para a comunidade. menos – Quando liguem liga aos que os moderadores dizem

Aquarius: “quando liguem liga”? esse PT está lindo

Pekenino: Mais: É ajudar um jogador a resolver uma dúvida ou problema que tenha e agradecer pela ajuda. Menos: É os esforços que fazemos a ajudar os jogadores a resolverem os seus problemas e dúvidas e depois vêem dizer-nos que somos corruptos blá blá whiskas saquetas… Vai buscari…

Relaxxx: pessoal nao consigo entrar no M10, é erro meu ou mesmo do servidor?

Aquarius: Abre um ticket 😛

Relaxxx: deve ser meu.. a net mt lenta ohhhhhhhhhh

bebesinha: na é sabotagem


Sr das trevas: De qual das várias funções de moderação, administração, entre outras gostam mais?

Rpaiva: Entre outras…

Enteirocks: Gosto dos convivios da equipa

Rpaiva: e uns testes psicotécnicos?

Rastadude: Administraçao!!!

Carvalhoes: Concordo com o Nuno, os jantares são porreiros :p

Sudritter: Banir pessoas atravez de affronts insultuosos

Enteirocks: Gosto dos convivios da equipa 😀 , gosto de ser obrigado a ir aveiro…. a famalicão…. a braga…. CENSURADO CENSURADO gosto é de ir.

Rastadude: miau… miau…

Cerelac: essa não tou a perceber

Aquarius: “To serve and punish”

Relaxxx: Gosto de tudo

Ricardo: este relax é estranho :p

Arodrigues: A função de moderador que mais gosto é ajudar o jogadores com as suas dúvidas e com a seus problemas, também gosto de imenso de fazer vigorar as regras do jogo trazendo assim igual oportunidade a todos os jogadores.

Bebesinha: ainda não descobri

Pekenino: Eu gosto de tudo…  Mas talvez a que goste mais é esclarecer os jogadores…

Bebesinha: é estar no paleio com vocês e por falar nisso ninguem liga ou ligo eu

Bebesinha: lol andré que graxista


Sr das trevas: Se pudesse alterar algo no Tribos o que modificaria?

Ricardo: oh Paiva os psicotécnicos…

Enteirocks: Alterava o banner, não gosto de ver ali o josé mourinho a segurar na espada

Rastadude: Em vez do josé mourinho com a espada teria um … coqueiro!

Sudritter: Eu mudava a equipa, esta gente n diz nada de jeito 😛

Carvalhoes: um coqueiro, mas o rpaiva não podia ir buscar os cocos :p

Bebesinha: posso mudar essa pergunta??

Ricardo: eu estou farto de pedir aos programadores para porém aviões… e porém algo na ajuda sobre as aldeias azuis…

Cerelac: estou sem micro

Arodrigues: A nivel do jogo própriamente dito não tenho nada a alterar nem pertendo modificar nada. Mas um coisa que eu modificada se tivesse poder para tal era mentalidade dos jogadores para respeitassem sempre as regras do jogo e para que os bloqueios não fossem necessários.

Aquarius: Isso não é do jogo, é desviar a resposta do pretendido num exame era “Errado”

Aquarius: Eu só mudava uma coisa no jogo: Retirar o crescimento de aldeias bárbaras. Acho que retira em muito a estratégia agressiva do jogo.

Cerelac: concordo

Bebesinha: infelizmente não posso, barrar o jogo aos casmurrrrroooooossss

Pekenino: Modificaria uma coisa apenas: Era os jogadores aliados não conseguissem atacar outros aliados…

Bebesinha: andre estas mesmo a ser graxista <3

Relaxxx: Não gosto muito da nova Protecção contra Bots.. acho que se pudesse modificar alguma coisa era isso que eu tirava


Rafita King: 1º Se tivessem de se auto-avaliar enquanto membros do suporte, qual seria a vossa avaliação? (de 0 a 20 com justificação)

Rpaiva: 20 Porque sou bom

Ricardo: mas eu sou melhor :p

Enteirocks: 19,9 – existe sempre uma virgula a faltar em algum post

Rastadude: 30 pq sou melhor q o rpaiva!!!

Sudritter: 20 porque o Paiva também tem

Enteirocks: 30 e de qualidade, é o que me dizem se é verdade não sei, nunca me preocupei em descobrir por mim mesmo.

Ricardo: quanto é isso tudo somado?

carvalhoes: estes gajos são uns gabarolas…

Aquarius: 14 – Sou explícito e pormenorizado quando contacto com os jogadores e sou tão activo quanto o tempo que tenho mo permite

Bebesinha: 21 porque já tenho um club de fãs que até me oferecem biberons

Relaxxx: Por enquanto ainda sou novo na equipa por isso a minha auto-avaliação é de 10 visto que ainda estou a aprender, mas com o tempo chegarei a 21

Relaxxx: tu nem imaginas quantos fãs tenho eu no M10

bebesinha: chefe posso dar um vermelho ao relaxx???

Relaxxx: Uma até me mandou uma mensagem a dizer que quer ser a minha namorada

Pekenino (após 30 min): Agora creio que a minha avaliação seria de 15. Justificação: Conhecimento das regras, paciente (muito paciente). Não levo 20 porque não tenho conhecimento de tudo e também porque tenho de melhorar algumas coisas enquanto moderador.


Rafita King: 2º Se tivessem de se auto-avaliar enquanto jogadores, qual seria a vossa avaliação? (de 0 a 20 com justificação)

Ricardo: ui, já nem me lembro…

Sudritter: Perdi uma aldeia ao Ricardo num dos speeds, mas a culpa foi de outro por isso fico com outro 20 para mim

Enteirocks: 17 – Porque não tenho mais -> 1º – nunca fui líder de nenhuma tribo falta-me experiencia nessa vertente;

Carvalhoes: no comments

Rpavia: 31 Porque aí sou muito melhor que o RastaDude

Rastadude: 35 pensava ele q me passava nisto …bahhh

Relaxxx: 21

Carvalhoes: olha mais um gabarola

Ricardo: pekeno, podes te dar 21 por tentares [removido porque o pekenino começou a chorar e a berrar].

Aquarius: 14 – Porque tenho bastante experiência no jogo, simplesmente não tenho tanto tempo disponível como outros.

Relaxxx: Tenho bastante experiência no jogo, uma pequena prova disso é o M10, a minha autoavaliação como jogador seria de 19-20 visto que sei jogar muito bem.

Ricardo: esta pergunta é diferente da anterior leiam

Bebesinha: eu já respondi a esta…

Ricardo: lê…

Bebesinha: 101 e nada de criticas

Pekenino: A nota da minha auto-avaliação é a: 15. Tenho experiência no jogo etc, mas não me considero um jogador profissional.


Rafita King: 3º Se tivessem de se auto-avaliar enquanto pessoas, qual seria a vossa avaliação? (de 0 a 20 com justificação)

A equipa recusou-se a responder pela 3ª vez a uma pergunta do mesmo estilo… lamentamos…

Carvalhoes: é só aliens nesta equipa??

Pekenino: eu tenho os meus defeitos, sou…

Ricardo: chato!?

Pekenino: sim


bernas14: Para o Ricardo: Preferias ter outro emprego, que não fosse Administrador do Tribos? Se sim, qual? E porquê?

Ricardo: Sempre adorei medicina especialmente psiquiatria, porém gosto do que faço aqui… Espero que no futuro volte a estar mais envolvido na R&D, pesquisa e desenvolvimento de novas teorias nesta área.


ivan17: Para a equipa de suporte: Já reconheceram algum erro, no fórum ou in-game, que cometessem com um pedido de desculpas ao jogador/jogadora vítima dessa falha?

Ricardo: sim, já aconteceu, e foi emitido um pedido de desculpas formal ao jogador.


Zauri.: Quando a um erro na abertura de um mundo como a equipa age juntamente com a administração?

Ricardo: as aberturas dos mundos são sempre feitas por mim e pela InnoGames


Berunoxxx: Para toda a Equipe: Quando vos chega alguma Mensagem Privada, vocês, lêem logo, ou só passado um tempo? Quantas PM, lêem, por dia, mais ou menos?

Ricardo: existem mensagens privadas!? Eu leio apenas uma vez por semana.

Rpaiva: Leio quando vejo.

Rastadude: mal tenha disponibilidade para a ler e responder !!

enteirocks: Quando vejo leio e respondo. 1 a 30 mensagens, depende dos dias.

Sudritter: Costumo ignorar ou responder com mau humor, por dia? Não sei, mas a minha caixa de mensagens ta sempre cheia de semana a semana, infelizmente não temos versão com mais espaço para spam

Carvalhoes: logo que tenho possibilidade leio e respondo se necessário. Quantidade varia, uns dias não tenho mensagens outros uma dezena

Bebesinha: não mandem mais

Aquarius: logo que esteja online vejo….

Relaxxx: Eu pessoalmente leio as pms logo que as recebo.. Por dia leio umas 10 pm-s

Pekenino: Eu sou curioso e leio logo a mensagem! 😛 Normalmente 2 pm’s por dia. Já houve dias que enviavam 20 pm’s por dia.


klaudio Alexandre: Quando fazemos alguma asneira no fórum, porquê é que a mensagem vem em Ingles? Será que é obrigatório ou simplesmente ainda não trataram disso?

Ricardo: como disse ontem um jogador ao enteirocks, é mais sexy as mensagens em inglês. na realidade isso será brevemente alterado quando for feito um novo update ao fórum.


GoNGaXInHuO: Para o Ricardo: Porque escolheu Famalicão como um próximo possível destino?

Ricardo: 80% da mulher perfeita é ser maior de 24 e ser de Famalicão (é uma piada da equipa…)


Berunoxxx: Desculpem o off topic, mas não era suposto terem saído hoje (05-09-2008) as respostas?

Ricardo: na realidade não existe uma data específica para quando são publicadas as respostas, temos vindo a tentar e esperamos conseguir manter o ritmo de publicar semanalmente às segundas, porém nada garante que seja possível ou mesmo responder a todas as questões.

Na realidade, Famalicão fica a meio caminho para grande parte dos membros da equipa de suporte e é uma cidade simpática.


Berunoxxx: Quem eram os membros do suporte na última ronda speed? Líder-A e Líder-B?

Ricardo: Foram vários elementos da equipa de suporte, mais detalhes serão dados no relatório do speed.


Mretfc: para o suporte e administração: acho que alguns dos membros do suporte têm outro trabalho não é? Então como é que vocês conseguem conciliar o trabalho a sua vida a família e o tribos?

Sudritter: já respondi na semana passada algo do genero, como se diz na secção de perguntas “o procurar não morde”

Rpaiva: não vou responder…

Enteirocks: Quase todos trabalhamos ou estudamos, todos temos família  😛 , os mais bonitos têm namorada até. Dá para conciliar com alguma coordenação de tempo e actividades, o tempo chega para tudo 🙂 , não vejo novelas por exemplo só aí poupo 4horas por dia 😉

Sudritter: 4 no mínimo

Rastadude: Como tb já disse uma vez tentamos conciliar a nossa vida pessoal (trabalho e família) com o trabalho de equipa aqui no tribos… Somos uma equipa por isso onde todos ajudam nada custa!!!

Pekenino: isso já foi! Essa pergunta… não vale a pena responder pois não?

Bebesinha: mas porque é que voltaram a perguntar o mesmo , aqui esta uma prova de que temos jogadores mais distraidos que eu

Aquarius: diz k já foi respondida

Relaxxx: para quem gosta daquilo que faz encontra tempo para tudo

ogait87: já perdi unidades míticas na vila…

ogait87: eu já tinha respondido a essa questão…

pekenino: Ricardo  por favor tira-me isso…

Ricardo: posso por as provas e anexar a imagem…

pekenino: queres ver que ele está a escrever o que estou a dizer…

Ricardo: no comments….

Pekenino: tira-me isso…

aquarius: já sairam as respostas?

pekenino: creio que não… se sair é um medooooo

Ricardo: voltando ao assunto, e acrescentando algo à semana passada… quando chega o fim de semana desligo os telemóveis.


E assim concluímos mais uma sessão das perguntas e respostas 🙂
Ricardo, pela equipa.