Entrevista a Imbativel Gerreira

Depois de uma semana atribulada, aqui vem mais uma entrevista para a nossa comunidade. Depois do pedido de muitas “famílias”, realmente decidi que esta jogadora deveria ser entrevistada. Não só pelo sucesso desta do mundo 2, mas também pela tribo em que está integrada, sendo uma das lideres. Estou a falar da imbatível gerreira.

Nick: imbatível gerreira

Nome: Isabel

Idade: 36

Localidade: Odivelas/Lisboa

Mundos Activos: Mundo 2

Mc: Gostaria de lhe agradecer a disponibilidade para esta entrevista, já que sei que é pouca.

Imbativel: Através de amigos que jogavam e despertou-me a curiosidade experimentei e fiquei viciada. Ate hoje, cá ando


Mc: Por onde começou a jogar tribos?

Imbativel: Comecei o jogo no Tribos português, faz um ano em Maio, no belo mundo dois mais tarde dei um pulinho ao mundo 1 e 3 dos quais desisti por amor a minha tribo a qual me dedico a 100%…


Mc: Qual foi a sua 1ª tribo no mundo 2?e qual a sua actual?

Imbativel: Bem, gostava de te dizer qual foi a 1ª mas acho q ate já nem existe e como lá tive muito pouco tempo nem lembro mais a 2ª e única e aquela em que estou ate hoje, já tendo passado por várias tags, quando entrei era a saudosa FCP sendo actualmente a gloriosa, e grande e inigualável *PAX*.


Mc: Qual é o seu estatuto na PAX?

Imbativel: Sou um dos líderes da *Pax* tendo título de rainha, pertencendo ao concelho da família PAX.


Mc: Falando um pouco sobre a sua vida pessoal, qual a sua profissão na vida real?

Imbatível: Sou operadora especializada de hipermercado.


Mc: Foi mãe á pouco tempo, certo? Como arranja tempo para organizar tanta coisa? Uma tribo inteira, e o seu filho?

Imbativel: Difícil amigo, mas tudo se consegue quando se gosta do que se faz e se faz com gosto. Por norma costumo dizer que sou como os cangurus sempre aos saltinhos, basta distribuir-se bem o tempo e da para tudo, com esforço claro.


Mc: Como explica os grandes feitos tanto seus, como da sua tribo?

Imbativel: Bem, tudo se resume que desde inicio sempre incentivamos todos a que acima de tudo levassem isto como um jogo virtual, no qual todos se deviam divertir e sempre disse que tribo significava, precisamente, união e jogo de equipa. Resumindo, a velha máxima de todos por um e um por todos. Depois sempre houve a preocupação de incentivar todos a participarem no fórum e foi-se criando laços de amizade.

Sendo que mesmo que isto um dia acabe, continuara a amizade, pois existe uma camaradagem e espírito de equipa que nos da muita força. Se e para atacar, atacamos todos se e para apoiar apoiamos todos, pois não e um jogo individualista onde exista a ganância pelas aldeias ou pontuação, e sim onde os grandes dão a mão aos mais pequenos…

Resumindo, somos um grupo de 80 e poucos amigos q se juntam no mundo virtual e ai primamos pela diferença.


Mc: Qual é o seu comentário acerca dos bloqueios recentes, que a sua tribo considera “tendenciosa”?

Imbativel: Penso que muita coisa devia mudar assim como penso que se deste lado há humanos, logo há falhas e cometem-se erros. Desse passa-se o mesmo e isso nunca irá mudar apenas há que tentar arranjar soluções que facilitem a que esses erros tanto de um lado como de outro diminuam ou ate desapareçam. Arranjar modos que o próprio jogo impeça de se cometer certos erros, que eu acredito que muitos são cometidos inconscientemente. O que mais me chocou e revoltou, admito que ate nem foi o bloqueio de contas e perdas de aldeias, e sim os bloqueios no fórum e o apagar posts, isso eu não concordarei em absoluto. Digam o q disserem pois ninguém e obrigado a ler, só lá vai quem quer, só lê quem deseja…

Resumindo, dificilmente se chegara a um consenso entre ambas as partes.


Mc: Só para que fique do conhecimento geral, dos cerca de 300 jogadores bloqueados, quantos é que eram da PAX?

Imbativel: Só sei acerca da minha tribo, que foram 4. Não poderei falar acerca da família inteira, já que não tenho conhecimento.


Mc: A PAX tem uma das maiores famílias da comunidade PT. É fácil de organizar tantas tribos?

Imbatível: Somos um total de 17 tribos e torna-se um pouco mais fácil quando existem bons lideres e quando esses lideres são orientados por dois grandes senhores neste jogo, que se trata do neiva764 e o rastafara1982, duas pessoas que muito admiro…

Reforçando o facto de haver muita comunicação entre todos nós, mas o mérito vai mesmo para esses 2 grandes senhores… Meu beijo grande neles dois.


Mc: Muitos jogadores criticam estas grandes famílias. O que tem a dizer acerca disso?

Imbativel: É normal… Por norma o ser humano critica tudo aquilo que cobiça, que tentam alcançar o que desejam sem conseguir obter, e depois vêem grandes feitos. Acusação e criticar números fica mais fácil que elogiar feitos. É facílimo dizer que somos bons porque somos muitos e não porque somos bons jogadores…


Mc: Para si, qual foi o seu maior feito, tanto a nível pessoal, como no jogo?

Imbatível: A nível de jogo, foi ao fim de quase um ano ver que consegui (não sozinha), unir oitenta e tal estranhos que se sentam atrás de um computador, longe uns dos outros, sem se verem, tornarem-se no que mais idêntico pode haver ,virtualmente, a uma família e serem capazes de se preocuparem uns com os outros e unirem-se nos bons e maus momentos.

Esse para mim e o meu maior feito a nível de jogo…

A nível pessoal foi conseguir chegar a esta bela idade e continuar uma pessoa alegre e bem disposta sem me ter tornado amarga com certos azares e contratempos que ocorrem ao longo dos anos. Continuo a ser uma pessoa que ainda olha aos meios para atingir os fins, esse para mim e o maior feito a nível pessoal. Ser feliz com o que tenho.


Mc: Como chegou a uma líder da tribo PAX?

Imbativel: Quando me lembro… Sendo muito chata com o meu querido amigo líder e rei tiagor, fundador desta magnifica tribo… Não fui chata a pedir cargos, mas um titulo que ele teimava em não dar, porque não se lembrava de nenhum adequado a uma menina. Sim eu era uma nina no meio de lindos guerreiros hoje amigos queridos, e eu sempre fui uma jogadora muito activa no fórum, então ninguém me calava, nem cala. Ainda brincava e acalmava as vezes os ânimos que se exaltavam, dava concelhos e incentivava. Já na altura o divertimento era união. Dei nas vistas na tribo, quando ele precisava de ir de férias e deixou-me a frente da tribo assim, sem água vai nem água vem. Lembro-me de entrar no fórum e ver um tópico a dar-me os parabéns, e eu pensei “. Mas eu não faço anos hoje..” ,e assim dei comigo líder e rainha de uma tribo com plenos poderes. E ate hoje, nunca mais me deixaram largar o cargo.


Mc: Tem alguma sugestão para o Tribos? Alguma coisa que quer que mude?

Imbatível: Gostaria se possível que o jogo permitisse que escolhêssemos uma quantidade de moedas pretendidas q fossem cunhadas em todas as aldeias, por exemplo, em vez de perder tempo em alterar a quantidade máxima de aldeia em aldeia, colocar logo por exemplo 7 moedas em todas. Claro que há coisas mais importantes, mas sinceramente o bloqueio deu-se agora na minha cabeça e não me ocorre nenhuma.


Mc: Qual a pessoa que gostava de ver entrevistada no nosso jornal?

Imbativel: Gostava q fosse o neiva764 e de saber tudo o que me perguntaste a mim. Como começou esta grande obra, e como consegue gerir tão bem esta enorme família também sendo ele um pai de família e trabalhador.


Mc: Quero agradecer-lhe o tempo disponível, que sei que é bastante curto, e desejo-lhe um enorme sucesso no tribos, e muito mais a si e ao seu filho na vida real, com todo o sucesso que desejo para mim.

Imbativel: Obrigado amigo, eu agradeço também o ter sido convidada. E deixa-me só mandar um beijo aos ninos e ninas q comigo partilham as horas que aqui passo e que tanto te chatearam para que fosse eu a entrevistada. Beijo *pax* eu um obrigado a vocês todos. Sem eles eu não era quem sou. Beijo para ti também.


Para comentários a esta entrevista, utilize o nosso forum: http://forum.tribos.com.pt/showthread.php?t=10693

Entrevista com Spydon

Escolhi, agora, um jogador que é conhecido por muitos como o melhor líder de tribos, e certamente também, como melhor jogador de tribos na comunidade PT. É líder do Mundo 2,e líder de uma tribo de unicamente 32 jogadores, que há bem pouco tempo eram 15, o que demonstra a qualidade deste jogador. Estou a falar do Spydon.


Nome: João

Idade: 36

Localidade: Aveiro

Mundos Activos: Mundo 2

Mc: Quero agradecer por ter aceite o convite para a entrevista

Spydon: Obrigado eu, por me terem dado a possibilidade de participar no Jornal, será um prazer!


Mc: Vou começar por lhe perguntar, quando é que começou a jogar Tribos?

Spydon: Há cerca de 2 anos, encontrei um dos meus alunos a jogar Tribalwars durante uma aula. Por curiosidade, em casa inscrevi-me e “apanhei o vicio”… Na altura jogava no Mundo 4 internacional.


Mc: Começou então no Mundo 4 no .net. Ainda se lembra qual foi a sua 1ª tribo?

Spydon: Perfeitamente, chamava-se “Local domination” e era composta apenas por jogadores próximos. Mais tarde evolui para uma tribo pequena, mas extremamente defensiva, chamada “RE – Roman Empire”, onde aprendi imenso. Era uma tribo que protegia os mais fracos e dedicava o tempo a fazer resistência às grandes famílias de tribos que existiam nesse mundo.


Mc: E jogou nesse mundo quanto tempo? Qual foi o melhor “status” que conseguiu nesse mundo?

Spydon: Comecei a jogar nesse mundo, quando os primeiros classificados já tinha mais de 2 milhões de pontos, ou seja, muito tarde e fui parar ao limite do mundo, K41. Efectuei uma “corrida de trás para a frente” e cheguei ao top 5 do ranking da pontuação em aproximadamente 1 ano ou ano e meio. Deixei esse servidor por falta de tempo. Na altura estava a liderar a minha tribo e coordenava os movimentos com várias outras tribos aliadas, gastando mais tempo com diplomacias e estratégias, do que com o meu próprio jogo, por isso entreguei e abandonei o jogo com o objectivo de recomeçar noutro servidor sem nenhum cargo dentro de nenhuma tribo…


Mc: Então, e depois foi para onde? Continuou no .net?

Spydon: Não. Para passar um pouco o tempo, fui até ao mundo 1 Brasileiro, mas evolui um pouco rápido que me vi rodeado de jogadores com pontuações muito mais baixas, reduzindo de tal maneira a minha moral de ataque, que acabei por “dar” as minhas vilas a um colega de trabalho…


Mc: Em que altura decidiu vir para o .pt?

Spydon: Um dia, andava a navegar pela net e soube que já existia um servidor PT, nessa altura inscrevi-me no mundo 2 por ter uma velocidade de evolução maior.


Mc: Qual foi a sua 1ª tribo no mundo PT? Foi você que fundou a tribo?

Spydon: A primeira tribo chamava-se “Rubias” (RBS). Preferi começar sem tribo, e fui abatendo os meus vizinhos um a um. Enviaram-me várias ameaças e convites de tribos, mas optei pela Rubias por ser uma tribo em que não tinha colegas de equipa por perto, para poder evoluir conforme a minha estratégia de jogo, mas também não estavam muito afastados, caso fosse necessário auxilio (da minha parte e da parte dos meus colegas de tribo).

Não fundei a tribo, desde os cargos que tive no mundo 4 .net, nunca mais quis ter cargos. Fundar uma tribo iria obriga-me a ser pelo menos recrutador…

Apenas pretendia jogar, para me divertir, sem compromissos…


Mc: Como chegou então a líder da sua actual tribo?

Spydon: A evolução da “Rubias” era mais lenta que a minha evolução, por isso decidi sair e ingressar uma tribo mais adequada ao meu tipo de jogo. Na altura fui convidado por uma tribo um pouco maior, mas assim que entrei fui enviado para outra tribo graças a uma fusão que por sua vez correu mal e os elementos da tribo original saíram, deixando-me lá sem me dar nenhuma satisfação… por isso, saí aborrecido.

Com a situação e como não tinha tribo, o Yoda.pt convidou-me para o projecto #DT, uma tribo com apenas 4 jogadores que pretendia fazer frente a todos…

Gostei da ideia, enquadrava-se totalmente no meu tipo de jogo e aceitei, levando comigo um jogador aliado (Fred.desyre) que apesar de nunca ter sido preciso, estava sempre pronto a ajudar-me.

A #DT foi evoluindo, dando um pouco nas vistas, devido a sermos muito poucos, mas irredutíveis… Até ao momento em que este jogo deixou de ser um prazer para ser uma obrigação. Nessa altura decidimos em conjunto deixar o jogo e abandonamos.

Só que ao fim de uns 2 ou 3 dias, tivemos de regressar por sentir saudades deste passatempo e cancelamos a “desistência”, decidindo criar a “LR”, a mesma tribo da #DT com a diferença que não termos obrigações e jogamos apenas para nos divertir-mos… Se perdermos umas vilas (ou o jogo todo) ninguém se vai importar, apenas pretendemos um pouco de diversão.

Na LR, há quem diga que sou líder, talvez por ter alguns pontos a mais que os meus colegas, mas de facto não sou, pois a LR não tem líder. Tal como a antiga #DT, os jogadores que ingressam na LR são escolhidos e todos têm a mesma filosofia, por isso existe um grande sincronismo entre nós, conseguindo chegar a acordo facilmente em todos os assuntos.


Mc: Num mundo, que é considerado o mais competitivo, como é que é gerida uma tribo com “somente” 30 jogadores?

Spydon: A tribo evoluiu esta última semana devido a alguns movimentos estratégicos. A semana passada éramos cerca de 15, actualmente somos o dobro. A gestão é muito simples, cada jogador tem o seu jogo individual e quando é necessário jogamos em grupo. Todos são auto-suficientes e conto pelos dedos de uma mão, o número de vezes que foi necessário auxiliar um jogador da tribo. O fundamental é que todos sejam activos e auto-suficientes…


Mc: Em cima, disse-me que era professor. Virando um pouco a conversa para a vida privada, qual o curso que tem, e que disciplinas é que é professor?

Spydon: Tirei duas licenciaturas, uma de Matemática e um pouco depois, outra de Informática. Neste momento lecciono disciplinas de Informática.


Mc: Em que escola?

Spydon : Este ano lectivo, na Escola Secundária de Albergaria-a-Velha.


Mc: Sendo professor de informática, deve ter possibilidade de estar bastante tempo online. Gostaria de lhe perguntar, em média, quanto tempo é que está online, e quantas vezes faz log in por dia?

Spydon: Só não estou ligado à net quando estou a dormir… Se não estou com um pc (ou mac) à frente, estou com o meu Iphone que até para a cama o levo…


Mc: Felizmente, que não sou seu inimigo, e que não jogo no mundo 2 J . Tem algum objectivo pessoal que ainda não tenha cumprido?

Spydon: Relativamente ao Tribalwars, não tenho nenhum objectivo, apenas divertir-me um pouco. Relativamente à vida privada, para além da família, sou um apaixonado pelo motociclismo. Adoro viajar de moto e ainda existem destinos onde não fui. Quando for possível, gostaria de ir ao Cabo Norte, percorrer os Estados Unidos de uma costa à outra, voltar a Daytona (onde estive em 2000 no maior encontro de motos do mundo – cerca de 600.000 motos) e sair um pouco da Europa, pois já a percorri quase toda de moto…


Mc: É então um apaixonado por motas. Que motas é que tem?

Spydon: Só tenho uma e velhinha, mas já passei tantas aventuras com ela, que sou incapaz de me desfazer dela… É uma Triumph Trophy 1200.


Mc: Voltando para o Tribos, sei que também começou uma conta no Mundo 6. É para seguir o mesmo objectivo do Mundo 2?

Spydon: Não, aliás, deixei essa conta há cerca de 15 dias. Apenas fui testar a funcionalidade da igreja, que era uma novidade. A velocidade do mundo 6 é demasiado lenta para o meu gosto. Quando voltar a existir um mundo PT com velocidade 2x (ou superior), então sim, devo recomeçar de novo.


Mc: Tem alguma sugestão para o Tribos, alguma coisa que gostava de ver mudado?

Spydon: Gostaria de ver alterado o sistema da “Moral”. Sei que a moral serve para proteger os jogadores com menos pontos e concordo que exista numa fase inicial do jogo, mas ao fim de algum tempo deveria ir diminuindo. Não se compreende que um jogador que esteja ao meu lado, que tenha começado o jogo ao mesmo tempo que eu, tenha 100.000 pontos. Se não evoluiu é porque esteve inactivo, logo estamos a proteger jogadores inactivos (contra aqueles que querem jogar) em vez de proteger jogadores mais fracos por terem começado mais tarde…

Ou seja, na minha opinião, o factor moral deveria ir alterando ao longo do tempo. Por exemplo, um jogador ao fim de um ano a jogar, deveria dar já uma moral de 100% a qualquer outro oponente.

Outra sugestão que fazia, era de filtrarem algumas palavras ofensivas, evitando assim que alguns jogadores passem a vida a serem ofendidos. Recebo frequentemente mensagens de conteúdo ofensivo, por isso a maioria das mensagens já nem as abro para não me incomodar.


Mc: Qual é a pessoa, da nossa comunidade, que gostaria de ver entrevistada?

Spydon: O Ricardo, Administrador.


Mc: Quero agradecer-lhe pela disponibilidade para esta entrevista, e desejar-lhe as maiores felicidades a nível de tribos, mas principalmente a nível pessoal.

Spydon: Obrigado pela oportunidade que me deram de participar e dar a minha opinião, gostava também de acrescentar que o Jornal é uma excelente ideia para irmos conhecendo um pouco melhor quem partilha dos mesmos gostos, dos jogos de estratégia, nomeadamente do Tribalwars.


Para comentários a esta entrevista, utilize o nosso forum: http://forum.tribos.com.pt/showthread.php?t=10260

Entrevista com Doublechesse

Irei começar por um jogador muito conhecido na Comunidade PT do Tribos, que é lider individual do Mundo 3 e do Mundo 5, e que também já jogou no Mundo 1.

Considerado por muitos como o melhor jogador de Tribos, estou a falar do Doublechesse.

Nickname: Doublechesse

Nome Verdadeiro: João

Idade: 20 anos

Localidade: Vila Nova de Gaia

Mundos Activos: m3 e m5

Mc Peralta: Boas Doublechesse, primeiro que tudo, quero agradecer por ter aceite o convite para esta entrevista.

Doublechesse: Boas, o prazer é todo o meu, eu é que agradeço.


Mc: Gostava de saber se ainda se lembra, quando é que começou a jogar Tribos. E como conheceu o Tribos?

DC: Ao contrário do que muitos pensam sou um jogador relativamente recente de tribos, digamos 1 ano e meio a 2 anos.

O Tribos foi me dado a conhecer não só pelos banners de publicidade (de outros jogos semelhantes que jogava) mas também por um grupo de amigos da faculdade que me arrastaram para este jogo.


Mc: Os seus amigos que lhe deram a conhecer o tribos, ainda jogam o jogo consigo?

DC: Eu entrei por arrasto como dito anteriormente por uns amigos e juntamente comigo vierem mais 3. Acontece que fomos para o mundo1 quando já havia mundo 2, e como tal fomos todos parar a continentes distantes, dos amigos que nos arrastaram, no entanto, jogámos na mesma tribo até quando deu e não foi necessário usufruir da ferramenta tribo, para protecção e expansão, pois elementos de continentes tão distantes de nada servem.

Nem ajudam a tribo, nem a tribo os ajuda (era o nosso caso), logo aí deu-se uma ruptura de ligações, e desde aí não mais nos conseguimos encontrar nos mesmos mundos e todos juntos.

Mas como é óbvio estamos no dia-a-dia juntos.


Mc: Ainda se lembra do nome da sua primeira Tribo?

DC: DK – Dark Knights.


Mc: Como explica o seu sucesso no Tribos?

DC: Digamos que parti de uma base sólida e indispensável para esse mesmo sucesso.

Gosto pelo género de jogo, Experiencia em jogos semelhantes, Disponibilidade, Actividade, Vontade de aprender e claro alguma pitada de sorte.

O resto é pelo esforço e mérito.


Mc: Pitada de sorte? Refere-se ao quê, mais especificamente?

DC: a pitada de sorte… É a necessária para no inicio termos um bom desenvolvimento.

Inicio do jogo são momentos críticos na evolução de um jogador, ainda para mais para quem entra nas primeiras horas (como eu) pois basta aparecer alguém sem amor as tropas para te estragar a evolução. Estragando-te a evolução perdes o controlo da vizinhança, vizinhança essa que deve ser sempre dominada desde o primeiro dia.


Mc: O que mais gosta no Tribos? O que o faz continuar a jogar isto á dois anos?

DC: Considero o Tribos um jogo dinâmico desde logo oferece ao jogador um jogo sempre interessante e nada aborrecedor, claro que no aspecto do jogo dinâmico reside também aspectos negativos.

Considero que para nos mantermos neste jogo é essencial os amigos que criamos, para podermos passar bons momentos e troca de experiencias e de gargalhadas, e saber gerir o equilíbrio vida/jogo, equilíbrio esse que pode estar em perigo, mais perto do que achamos por vezes.


Mc: Referiu que há aspectos negativos. Quais esses aspectos negativos a que se refere?

DC: É um dos jogos mais violentos existentes na net para o jogador que queira ser um jogador de meio da classificação para cima. Pois a tal dinâmica obriga-nos a fazer login, se possível, varias vezes ao dia. E ter sempre, ou quase sempre, disponibilidade para lançar ataques e estarmos preparados para conseguir fazer face aquando um dia se vir dezenas de ataques a chegar as nossas aldeias.

Aliado a isso, como que a “cereja em cima do bolo” a duração dos mundos é enorme para um jogo online jogado 24 por 24h todos os dias. Cada mundo pode demorar anos.


Mc: Já que referiu que faz muitas vezes log in, eu acho que os nossos leitores gostavam de saber uma coisa sobre o seu jogo. Quantas vezes é que faz, em média, log in por dia? E quantas horas é que passa “logado”?

DC: Deverei dizer Top Secret? Pois entro os leitores poderão estar potenciais adversários/alvos.

No entanto sou um jogador com disponibilidade, pois como estudante universitário tenho sempre um portátil ou pc por perto com acesso a net. Privilegio as vezes que logo por dia, às horas passadas no jogo.


Mc: Disse que é estudante universitário. Está a licenciar-se em que curso? E qual a escola que está a frequentar?

DC: Engenharia e Gestão Industrial – Eseig.


Mc: Além de ser líder individual no mundo 3, e no mundo 5, ainda é líder da tribo NOM, criada por si, e que está nos 2 mundos e é uma tribo de topo nos 2 mundos. Como é que gere isto tudo?

DC: Se dissesse que é fácil de gerir estaria a mentir, se dissesse que nunca pensei “atirar a toalha ao chão” estaria uma vez mais a mentir, no entanto, umas vezes mais presentes outras menos, não deixo de cumprir ao “fim do dia” com as minhas obrigações e com as esperanças depositadas em mim.

Uma vez mais, rodearmo-nos, de bons amigos de jogo é essencial.


Mc: Com estas lideranças todos, é alvo de muita pressão e de muito protagonismo. Acha que consegue lidar bem com essa pressão?

DC: Um amigo meu, que de certeza lerá isso e reconhecerá de certa forma estas palavras, me disse algo do género ” não te deixes levar tanto pelas emoções e jogos psicológicos, tu não precisas e é apenas um jogo”. Como tal desde aí sempre o tentei fazer, claro que “picardias” saudáveis há sempre, mas sabendo agora distinguir os meus limites.


Mc: Muitos jogadores acusam-no que só é líder dos mundos, porque mais de 50% das suas aldeias são aldeias “dadas”. O que responde a este comentário?

DC: É uma questão que me continua a incomodar, porém tomara eu que não fosse “obrigado” a faze-lo, mas desistentes e inactivos colados as nossas aldeias aparecem, infelizmente vezes demais.

No entanto, todos os jogadores que jogam e têm umas boas dezenas de aldeias têm aldeias “dadas” (quer por desistência e/ou inactividade). Por isso é caso para dizer “quem nunca pecou que atire a primeira pedra”. Claro que falo de jogadores que tem dezenas de aldeias pelo menos e não os mais pequenos, Senão muitas pedras seriam atiradas.

O que posso dizer para me defender? Vejam o meu OD, sempre fui ético (nunca incentivei ninguém a desistir, muito pelo contrario), sempre partilhei as aldeias, se as aldeias não eram da minha zona actual ou a que eu via como zona futura não ia lá “pescar aldeias”. Sou líder de grandes tribos, tenho o melhor currículo do servidor português (a contar com a conta apagada do m1) por isso serão justas as criticas?


Mc: Qual é o seu objectivo a cumprir individualmente? e como líder de tribo?

DC: Objectivos, poucos mais tenho, pois os “goals”,as chamadas metas que um jogador gostaria de atingir, já as atingi. Tenho agora como objectivo manter-me nos mundos onde estou e resistir a vontade de desistir que possa vir a aparecer e explorar digamos o “backstage” do jogo, tentando um “shot” como moderador.

Na vertente líder de tribo, tenho ainda um bom desafio quer no m3 e no m5 para inovar e para revitalizar os jogadores da tribo, no entanto uma vez mais são grandes tribos e que juntamente com o meu conselho tribal temos soluções para continuar a dominar, ou continuar a evoluir, até ao domínio.


Mc: Como tem uma longa carreira, provavelmente terá grandes feitos concretizados. Qual aquele que mais se orgulha?

DC: Resposta difícil, não tanto por não saber o que mais me deu gosto em alcançar, mas por ter dois grandes feitos que me deixarão orgulhosos.

Foram dois grandes feitos em alturas bem distintas.

Um deles passou-se no m1 (minha primeira experiencia de tribal) onde era eu líder do K74 e estava na tal tribo de amigos. Sem esperar, a tribo líder do K74 decidiu ripostar contra mim e contra eles todos, por eu não ter aceite a arrogância do líder da tribo do K74, em falar como queria e pedir-me aldeias para eles deixarem a mim e aos meus amigos em paz. Saí da tribo de amigos em busca de não os envolver, mas não resultou. No entanto, fiquei eu sem tribo contra a tribo TOP1 do meu continente, de onde após muitos dias saí vitorioso (digamos que o nível competitivo do K74 não era dos mais fortes),e venci a todos sem apoios exteriores durante dias, e foram centenas de ataques e sai com saldo positivo, julgo ate não ter perdido nenhuma aldeia).

O outro feito, foi do primeiro mundo em que começo de inicio ter alcançado o top1 e da forma como o alcancei.


Mc: Também deverá ter cometido alguns erros. Qual o erro que cometeu que mais o prejudicou?

DC: Errar é humano, faz parte da nossa natureza, e muitos erros já cometi. Felizmente não passaram de perder aldeias, falhar conquistas de aldeias, não tomar a melhor decisão perante um jogador da tribo, etc.


Mc: Está a prever entrar em algum mundo brevemente?

DC: O meu ritmo era de mundo sim, mundo não (1,3,5) porem o sucesso alcançado em todos eles, o não querer desistir, o querer chegar ao fim, falta de disponibilidade para mais pois se entro gosto de passar horas no jogo para fazer algo e não apenas para ser atacado porque não ligo a um determinado mundo.

Portanto novos mundos? Enquanto a novidade dos novos mundos for igreja, pouco me interessa…


Mc: Acha que o jogo precisa de alguma mudança?

DC: Sim.


Mc: Qual?

DC: Defendo a criação de filtros para a caixa de correio. Não sou obrigado a ter que receber “lixo” e mensagens sem interesse.

A abertura de um speed e oferecer servidores com configurações nada usuais, pois até agora desde o mundo1 ao 8, tirando as velocidades (servidor, movimentação de tropas) pouco altera.


Mc: Agradeço a sua disponibilidade. Quer dizer alguma coisa em especial para a comunidade?

DC: Queria agradecer terem-se lembrado de mim como o primeiro a ser entrevistado e a abrir as entrevistas do jornal que eu espero que tenha sucesso e seja a “voz do povo”.

Já agora de realçar a competência do entrevistador e o bom ambiente criado durante a entrevista e as muitas conversas paralelas. Um obrigado, Mc Peralta.


Mc: Obrigado, pela parte que me toca. Desejo-lhe uma continuação de bom jogo, e muitas conquistas, em conjunto com o melhor sucesso no jogo.


Para comentários a esta entrevista, utilize o nosso forum: http://forum.tribos.com.pt/showthread.php?t=10118

Entrevistas

Boas,

Venho aqui anunciar uma nova secção do nosso jornal, as entrevistas.

Esta nova parte, será dirigido aos jogadores no geral, mas também poderá aparecer outras pessoas, que de uma maneira ou de outra, ajudaram a comunidade Tribos a desenvolver.

O objectivo das entrevistas é também conhecer um pouco mais sobres os jogadores da nossa comunidade, tanto na vida pessoal como na maneira de jogar.

Irá também ser adicionado no fórum português uma nova aba exclusivamente para o Jornal. Para que se possa comentar alguns dos artigos aqui publicados.

Das candidaturas

Olá,
As equipas de suporte do TribalWars e do Tribos vêm por este meio pedir aos candidatos à equipa de suporte que não enviem solicitações de suporte sobre os resultados das candidaturas. Desde que foram reabertas as candidaturas já recebemos mais de 2000 propostas e ainda estamos no processo de avaliação.
Os membros que forem pré-seleccionados serão contactados e passar-se-á ,  pelo menos, uma entrevista com o candidato. Os membros que não forem seleccionados poderão voltar a candidatar-se numa nova volta. Por favor entendam que por mais boa vontade existente não nos é possível contactar todos os candidatos a informar se foram ou não seleccionados.
Relativamente, a questões sobre o processo de candidatura é bastante simples, preencha o FORMULARIO com os seus dados e escreva dois textos, após isso será avaliada a candidatura por vários membros do suporte.
Boa sorte a todos os actuais e futuros candidatos,

André Rodrigues

Candidaturas, segunda volta!

Voltamos a abrir as candidaturas para a equipa de suporte, as candidaturas anteriores foram removidas. Assim apresenta-se uma boa oportunidade para voltar a tentar, mas é vos pedido para levarem a sério o processo.

Deixo aqui algumas notas sobre o que nunca deve fazer ao escrever a sua candidatura, perca um pouco de tempo a fazer um rascunho antes de o publicar. Lembre-se sempre que a sua candidatura será avaliada pelo que escrever, se que perder meia hora para fazer a sua inscrição é demasiado tempo, com toda a certeza o tempo e a paciência de ser um membro da equipa é bastante mais!

Eis algumas frases tiradas de algumas candidaturas e comentadas pela nossa equipa:
 

  • “…e sou iper activo passoi muitas h neste jogo” – Será isto Português?
  •  

  • “…depois de cuida das aldeias e tals nao tem mais nada pra fazer,por isso eu me candidato ao cargo de Moderador…” – Ser moderador implica ter vida própria?!
  •  

  • “Tenho alguma experiência em html (nomeadamente BB codes, no entanto, não é muita)” – HTML é muito mais que BB-codes, seja honesto e humilde.
  •  

  • “Quero que os tribeiros cresçam e façam as coisas coretamente exatas,…” – Tradutores!?
  •  

  • “Eu fico 16 horas por dia na frente do computador, gosto de sempre estar me relacionando com pessoas diferentes” – Os membros da nossa equipa são pessoas, não são robôs! saia e divirta-se!
  •  

  • “Obs: estou no Tribal wars e no The west quase 24 horas por dia!” – Ao menos dorme…
  •  

  • “cuido de 5 contas no tribal wars todas com mais de 500 pontos em apenas 7 dias” – Será que é multi!? ora deixa cá ver…
  •  

  • “Gostaria de ajudar o TribalWars ja que nao tenho nada para fazer mesmo e tenho NET.” –NET é mesmo indespensável!
  •  

  • “nao tenho experiencia quaze nenhuma! mas gustaria de a ganhar!” – Já só falta falarmos em português, ao menos motivação tem!
  •  

  • “reportar insultos” – texto deveras completo, mas pode continuar a reportar mesmo que não entre para o suporte.
  •  

    Boa sorte a todos!

    E assim começamos…

    Olá comunidades!

    Antes de apresentar o nosso novo jornal e outras coisinhas boas, queria expressar aqui as minhas sinceras desculpas relativas a situações que ocorreram durante o mês de Fevereiro e a minha “ausência” de espírito. Apesar daquilo que está feito, já passou e nada há a fazer, podemos sempre aprender algo com os eventos passados.

    NOVOS CO-ADMINS

    Assim sendo, é com grande prazer que vos apresento dois novos Co-Administradores, o André Rodrigues (arodrigues) e o Tiago Gonçalves (ogait87) que tomaram o lugar de braços direitos nos servidores BR e PT, respectivamente.

    poderá encontrar a discussão deste  tema em

    BR: http://forum.tribalwars.com.br/showthread.php?p=276473
    PT: http://forum.tribos.com.pt/showthread.php?p=113991

    WIKI

    Ainda, e finalmente, é o meu prazer anunciar que a nossa wiki (disponível em http://wiki.tribalwars.com.br e http://wiki.tribos.com.pt) está pronta para ser lançada ao público, os meus profundos agradecimentos a todos que trabalharam arduamente na realização deste projecto e que irão continuar a colaborar na conservação desta ferramenta.

    poderá encontrar a discussão deste  tema em

    BR: http://forum.tribalwars.com.br/showthread.php?p=276477
    PT: http://forum.tribos.com.pt/showthread.php?p=113993

    CANDIDATURAS

    Infelizmente, a primeira ronda de candidaturas não correu da melhor forma, ficou muito a desejar. Sei que inúmeros jogadores tem vontade de participar na nossa equipa e acreditem que nós estamos à vossa procura. Os inquéritos serão eliminados brevemente e dar-se-á inicio a uma nova ronda, por isso peço-vos a todos que tenham calma, façam um pequeno esboço da candidatura antes de a submeterem.

    Os formulários de candidatura podem ser encontrados em

    http://team.tribalwars.com.br/candidaturas/ ou http://team.tribos.com.pt/candidaturas/

    EVENTO

    Como vários jogadores sabem, no mês de Janeiro existiu um pequeno jantar de uma tribo do servidor BR em Portugal, ao qual fui convidado e tive enorme prazer de participar, já nesta altura ficou “combinado” repetir-se este evento numa data posterior de forma a abraçar não apenas uma tribo mas todas as pessoas possíveis. Naturalmente este é um processo complicado por diversos motivos, entre os quais, o facto de gerir duas comunidades separadas por um oceano, apenas estar ocasionalmente nos países em questão, entre vários.
    Porem, irá ser marcado dois eventos para este ano, sendo o primeiro em Portugal, na zona do grande Porto, possivelmente no dia 21 ou 28 de Março de 2009 (altura que será feito o encontro da equipa de suporte). Ainda durante o correr desta primeira semana será anunciada a data definitiva, e todo o processo de inscrição.
    No que respeita ao mesmo evento no Brasil, ainda não existem datas definidas, simplesmente ainda não é possível divulgar mais informações, mas será avisado com um mês de antecedência a todos os jogadores.

    pode ver a historia sobre o jantar em

    http://forum.tribalwars.com.br/showthread.php?t=23070

    e a discussão dos futuros jantares em:

    BR: http://forum.tribalwars.com.br/showthread.php?p=276479
    PT: http://forum.tribos.com.pt/showthread.php?p=113996

    JORNAL

    Este é o primeiro de muitos artigos que serão publicados aqui, o nosso objectivo é dar asas a um todo espírito da comunidade e envolver os jogadores ao máximo neste projecto, brevemente será publicado como participar no projecto e deixar os seus dedos correrem.

    Pode encontrar a discussão deste jornal em:

    BR: http://forum.tribalwars.com.br/showthread.php?p=276486
    PT: http://forum.tribos.com.pt/showthread.php?p=113998

    Desta forma agradece a todos que tornaram estes projectos uma realidade, a vossa ajuda foi, é e será sempre um gesto da minha gratidão, que com toda a certeza despertará o interesse de muitas outras pessoas e o envolvimento das mesmas.

    Aqui podes consultar artigos, entrevistas e dicas sobre o teu jogo favorito.