Arquivo de etiquetas: dia a dia

Dia-a-dia de um Moderador: euu17

Bem, a maioria já me conhece, sou o euu17 (Maik Santos). Sou jogador atualmente apenas num mundo, mas já passei por vários.
Decidi fazer um pequeno texto sobre o meu dia-a-dia e para isso decidi escolher uma terça-feira, pois é dos dias mais complicados, apesar dos restantes serem praticamente sempre iguais…


06h00
 – Toca o despertador e mais um dia de trabalho, lá tenho eu de me por a pé. Começo por ligar o PC para dar uma vista de olhos aos “tickets” que me foram atribuídos, aproveito também e dou uma pequena vista de olhos aos mundos que modero no fórum.

Tendo tempo aproveito também para dar um bom dia ao pessoal da equipa.

06h50 – Está na horinha de ir tomar o pequeno-almoço, preparar alguma coisa para almoçar e preparar-me para sair de casa mais um dia.

07h30 – Hora de sair de casa para mais um dia de trabalho. Aproveito também, às vezes, para parar pelo meio do caminho e comprar um pão quentinho para o lanche (dependendo da fome, ahahah).

08h00 – Está na hora de começar a trabalhar.

12h00 – E lá vou eu almoçar. Às vezes num sítio, às vezes noutro, dependendo da vontade – não sou de parar sempre no mesmo sítio.

12h20 – Pego no carro e vou para o café mais próximo, tomo o meu café do costume e aproveito para “roubar” um bocado de corrente para poder ligar o PC e tornar a dar uma pequena vista de olhos ao fórum e aproveito também para ver os “tickets” importantes pendentes para não deixar o trabalho acumulado para a noite.

13h30 – Toca ir trabalhar novamente.

17h50 – Fim do dia de trabalho e pego no carro para mais uma viagem para casa novamente. Chegando a casa aproveito para tomar um banho e depois começa o trabalho de tratar dos “tickets” e dar uma vista de olhos mais a fundo no fórum. Estando tudo calminho e tudo respondido aproveito para dar umas “tretas” com os meus colegas de equipa no Skype.

20h00 – Hora de estar um bocado com a família e de jantar, como é claro.

20h30 – Aproveito para ver um filme até as 22 horas (como de costume raramente vejo o final do filme).

22h00 – De volta ao PC para mais uma reunião com o resto dos colegas de equipa.

Uma vez a reunião finalizada começa então mais uma ronda de respostas aos “tickets” e a verificação do cumprimento das regras. Depois passo então para o fórum, dou uma vista de olhos aos posts dos jogadores nas abas que me estão designadas e quando possível vou ver também as abas dos meus colegas e para finalizar o meu dia aproveito para passar também pelo jogo e falar com o pessoal da tribo.

02h00 – Hora de ir dormir e mais um dia finalizado.

Como podem ver é um dia assim para o cansativo, mas com o tempo vai-se habituando a esta rotina.

Obrigado pela leitura,
euu17

Dia a dia de um moderador: Me God

Olá, comunidade!

Atendendo ao desafio do nosso administrador, decidi escrever um pequeno texto descrevendo um pouco do meu dia a dia enquanto moderador. Para esse efeito, selecionarei um dia de folga, pois como trabalho por turnos, existem diversas diferenças.


08h00
– Ponho-me a pé como habitualmente, lá troco de roupa meio sonolento e sonâmbulo, desço e vou à pastelaria mesmo por baixo do prédio onde resido, compro alguns pãezitos para preparar o pequeno-almoço para a minha família.

08h15 – Já em casa, preparo então o pequeno-almoço para a minha esposa que descansa, pois de tarde tem de ir trabalhar. Após isso, preparo a lancheira do meu filhote mais velho, que entra às 09h00 na escola. Entretanto, vou acordá-lo, prepará-lo e dar-lhe o pequeno-almoço igual.

08h30 – A esta hora, bem… embora não seja muito certo, mas ultimamente até tem sido sempre certinho, acorda o meu filhote mais novo, esfomeadito e com vontade de dar trabalho ao pai. Sendo assim, enquanto está o seu leite a aquecer no micro-ondas, troco-lhe a fralda. Entretanto, o mais velho já está vestido e a tomar o seu pequeno-almoço para ir lavar os dentes. Leite tomado e mais uma soneca, chega a hora de ir levar o mais velho à escola.

09h10 – Já em casa, verifico se está tudo bem com o mais novo, a esposa ainda a descansar, aproveito e dou então início ao meu trabalho. Ligo o Outlook, abro o Skype, enquanto carregam os emails e conversas, vou até à plataforma de solicitações onde dou início às suas análises e posteriores resoluções. Pelo meio aproveito sempre uma abertura para dar uma saltada ao fórum e percorrer as abas que me estão destinadas, confirmar se encontra tudo em ordem. Aproveito também, verifico os emails e outras situações em que requerem a minha atenção.

11h00 – Como habitualmente, e como um relógio, acorda o mais novo, hora de se por a pé e percorrer a casa toda à procura de novos desafios dignos da paciência dos pais, lol… Já de pé, brinco um pouco com ele, uma bolachita e um iogurte pelo meio e é motivo para uma alegria imensa.

11h45 – Hora de preparar algo para almoçarmos, uma coisa rápida e simples. No final a minha esposa sai de casa para ir levar o meu filho mais novo à ama e pôr-se a caminho do trabalho.

13h00 – Dou rumo a uma segunda leva de solicitações. Entretanto, e com algumas pequenas aberturas, vou de novo ao fórum, verificando as abas que me estão designadas – estando tudo em ordem, aproveito e ajudo os colegas onde percorro as suas abas em busca de alguma situação em que é necessário a sua presença – e ainda tento esclarecer e/ou ajudar numa dúvida ou noutra que vai aparecendo entre o grupo de trabalho.

15h00 – Aproveito para descansar um pouco a vista e a cabeça, lá vou arrumar um pouco a casa para distrair, tentar deixar tudo minimamente direito e no seu devido lugar. Entretanto, escolho algo do congelador para preparar mais logo para o jantar.

16h00 – De volta à plataforma de suporte ao jogo, dou seguimento à análise de diversas situações no jogo, solicitações e as suas respetivas resoluções.

17h00 – Hora de dar corda aos sapatos e ir à escola buscar o mais velho que sai às 17h30 [se não demorar muito a arrumar as suas coisas]. Como a minha esposa fica com o carro, tenho de ir e regressar a pé… Não me importo, creio que só faz bem à saúde e a escola não é muito longe – e pelo caminho de regresso ainda me vou divertindo com o meu filho…

18h15 – Chegamos a casa, preparo um lanche para nós os dois. Falamos um pouco da escola e das suas pequenas aventuras no decorrer do dia. Entretanto, hora de fazer os trabalhos de casa onde sendo necessário, tenho de ajudar com todo o gosto.

19h15 – Hora de ir preparando as coisas para o jantar, a minha esposa sai às 20h30, sair e não sair, ainda tem de ir buscar o mais novo antes de vir embora. Normalmente, às 21h15, mais ou menos, já estamos à mesa a jantar e a dar algumas gargalhadas pelo meio com as figuras que o mais pequeno faz todo contente pela casa… Pelo meio do preparo do jantar vou sempre dando uma espreitadela às solicitações e, se o tempo me permitir, dou uma saltada ao Skype para dar um “Olá” à equipa e conversar um pouco.

22h00 – Jantar na barriga, sala e cozinha arrumada, miúdos na cama, sento-me um pouco na cozinha, um cafezito e tal, as horas vão-se passando entre palavras partilhadas com a minha esposa relativamente ao dia decorrido.

23h00 – Dou início a uma terceira e última leva de solicitações – tentar não deixar nada por resolver no dia seguinte. Dou uma última vista de olhos no fórum, deixo tudo em ordem para no dia seguinte não ter sobrecarga de trabalho.

00h00 – Na camita dou por final este pequeno resumo do meu dia-a-dia como moderador do Tribos.

Resumindo, tento sempre da melhor forma conciliar a vida da equipa de suporte do Tribos com a minha vida pessoal e familiar, por vezes não é fácil mas acaba sempre tudo por correr da melhor maneira possível.

Um bem-haja ao S. Martinho…

Finalmente esteve aí o Verão de São Martinho, após um domingo de chuvas e ventos que tudo que apetecia era ficar em casa e nem pensar em sair debaixo dos cobertores São Martinho apareceu com um excelente tempo.

E que podemos fazer quando a oportunidade bate à porta desta forma? Aproveita-la e desfrutar este dia com prazeres simples da vida. Acordei esta manhã já atrasado para os meus afazeres e enquanto decidia o que vestir olhei lá para fora para ser apanhado de surpresa (agradável). Lá me vesti de pé ligeiro e parti para os meus afazeres do dia-a-dia, porém nas tarefas rotineiras do costume olhava para a janela e o sol sorria para mim… tornado aquilo que estava a fazer ainda mais aborrecido.

Optei por ser honesto para com os meus pares e comigo mesmo, levantei-me e disse – peço imensa desculpa, mas este será provavelmente o último dia destes nos próximos tempo e vou aproveitar. Sai porta fora e pegava no telemóvel, estava a marcar o número de uma amiga (residente numa zona costeira) que raramente tenho oportunidade de estar.

Passei rapidamente por casa para deixar os agasalhos extras, pois quando saí não acreditava muito que tão bom tempo fosse ficar. Peguei nos meus óculos de sol e fiz-me a caminho, entrei naquela via rápida para perder o mínimo de tempo possível… e a dada altura olho para a velocidade e já ia bastante acima do limite legal e da velocidade permitida – contudo não abrandei. Nisto ia a ouvir o meu mp3 – o qual já precisa de umas musicas novas – e apreciar o dia.

Rapidamente cheguei ao meu destino, e fui almoçar com a minha amiga e depois fomos até uma explanada ter uma conversa que era capaz de matar as formigas de tédio, mas nem por isso menos estimulante.

Agora, já em casa e depois de tão espectacular tempo, não consigo deixar de pensar que há pequenas coisas que nos realizam tanto (mesmo que por apenas alguns momentos). Não posso dizer que tudo o que fiz foi moralmente correcto, mas posso dizer que a gazeta, o excesso de velocidade, entre outras coisas – ditas erradas – realmente valeram a pena.

Assim, obrigado S. Martinho!
O Anjo da Guarda

PS: sou anjo, mas não sou santo 🙂

Entrevista a SCPPedro76

Apresento hoje uma nova entrevista com o líder do Mundo 2. É um jogador conhecido da maioria de vós nomeadamente dos que frequentam o Fórum externo, e também esteve envolto em algumas polémicas. Estou a falar do SCPPedro76.

.

Nickname: SCPPedro76

Nome Verdadeiro: Pedro Monteiro

Idade: 33

Localidade: Lisboa

Mundos Activos: M2

.

Mc: Bons dias. Para começar quero agradecer-lhe por ter aceitado o convite para a entrevista.

SCPPedro76: Permita-me antes de mais agradecer-lhe o convite que me dirigiu e manifestar-lhe que é com muito gosto que irei responder às suas perguntas.

.

Mc: Vou começar com a pergunta da Praxe. Quando começou a jogar Tribos, e como conheceu o jogo?

SCP76: Comecei a jogar tribos no dia 22 de Abril de 2008, no mundo 2, único onde continuo a jogar apesar de ter entrado em alguns outros mas apenas por breves períodos. Conheci o jogo num anúncio online. Resolvi experimentar e por cá continuo.

.

Mc: Qual foi o nome da sua primeira tribo? E conte-nos o percurso até à sua presente tribo.

SCP76: Ao fim de 4 dias de jogo entrei na |RVT3|, tribo na qual fiquei até Janeiro deste ano altura em que a |RVT3| transitou para a família metal, e eu, juntamente com o núcleo duro da |RVT3| passei para a hmetal.

.

Mc: Conte-nos um pouco sobre o tempo em que esteve na RVT3.E o porquê desse nome?

Scp76: Começarei pelo nome da |RVT3|. Era a 3ª tribo da família |RVT|, sigla de Revoltados, e acabou por se tornar na única grande tribo dessa família no mundo 2, aliás única que verdadeiramente subsiste, agora no seio da família metal.

Na |RVT3| aprendi a jogar tribos. A organizar o fórum. A planear ataques conjuntos. A jogar em equipa. Ao fim de 10 dias de permanência na tribo já era eu que geria o dia-a-dia. O então líder e fundador da |RVT3| suma2 concedeu-me o título de barão e deu-me poderes de duque ao fim de um mês.

Desde essa data e até Janeiro deste ano exerci essas funções e em conjunto com grandes jogadores da |RVT3|, a maioria dos quais estão hoje comigo na hmetal, e ainda com um que não posso deixar de referir por ser sem dúvida dos melhores e mais completos jogadores que conheci, o karrasko, levámos a |RVT3| até ao 2º lugar da classificação da geral.

.

Mc: Há muita discussão sobre o porquê dessa fusão, e também dizem que você abandonou alguns colegas de tribo. Conte-nos a sua versão.

Scp76: A fusão foi decidida em conselho de tribo depois de devidamente discutida entre mim e o meu actual líder bakkkano. Desde sempre as relações entre a |RVT3| e a hmetal foram muito boas. A |RVT3| era uma tribo de elite, com excelentes jogadores e que não pertencendo a nenhuma família chegou ao 2º lugar da geral.

Mas o mundo 2 está em constante ebulição. É muito renhido, muito combativo, e sempre em evolução.

O conselho da tribo decidiu, e a meu ver muito bem, por unanimidade, que era chegada a altura de dar outra dimensão à |RVT3|. Uma dimensão que lhe possibilitasse, no seio de uma família forte, continuar em jogo até ao fim do mundo 2, aportando, neste caso à metal, o “know-how” e a capacidade dos bons jogadores da |RVT3|.

Era uma questão de juntar dois projectos vencedores e bons jogadores de ambos os lados, que estavam estrategicamente colocados no mapa, e que permitiria – como está à vista – um largo domínio do mundo 2, nos K’s a sul.

Estas foram as razões da fusão. Quanto à “polémica”. Só fiz duas exigências ao bakkkano para que a fusão fosse para a frente.

A 1ª foi que a |RVT3| integrasse a família metal e mantivesse o seu nome. Ainda hoje jogo com a |RVT3| todos os dias. Ajudo a tribo a crescer, dou conselhos, apoios, limpo aldeias para os meus companheiros dessa “minha” tribo continuarem a crescer.

A 2ª foi que os jogadores que vinham da |RVT3| pudessem no seio da hmetal continuar a guerra que tinham com a 666.

.

Mc: Creio que a pergunta seguinte está na mente de todos os jogadores. Como é possível gerir tantas Aldeias?

Scp76: Já tive oportunidade de responder a essa questão a muitos que efectivamente ma colocam. Gerir as quase 1600 aldeias que tenho não é algo que me tire o sono ou que crie dificuldades. Encontrei uma excelente organização para a minha conta, através das capacidades inequívocas que a utilização da conta premium permite.

Se organizarmos devidamente por grupos a nossa conta, independentemente da quantidade de aldeias que tivermos as coisas tornam-se muito mais simples.

O que me tira tempo no tribos não é a gestão das aldeias, com as quais gasto não mais de 30 minutos por dia, a construir, recrutar tropas e editar grupos, mas sim a organização de ataques conjuntos, a resposta às cerca de 100 mensagens diárias que recebo (quando não são mais), a resolução de conflitos entre jogadores da família relacionados com conquistas e reservas.

.

Mc: Falando um pouco na sua vida privada. O que faz na vida real?

Scp76: Sou advogado.

.

Mc: Em que escola tirou o curso de direito? E à quantos anos é que é advogado?

SCP76: Licenciei-me pela Faculdade de Direito da Universidade Católica de Lisboa em 1999, ao que se seguiu o obrigatório estágio profissional junto da Ordem dos Advogados. Exerço a profissão como Advogado desde Fevereiro de 2002.

.

Mc: Sendo você advogado, terá certamente uma opinião própria sobre os vários “incidentes” na justiça portuguesa. Quer partilhar algumas opiniões connosco?

Scp76: A justiça que conheço, com a qual lido no dia-a-dia, não é a “justiça” das televisões e dos jornais. O que vem a público retracta apenas os problemas, as incoerências e os defeitos do sistema judicial.

É frequente todos acharem que têm uma opinião muito informada sobre os grandes casos mediáticos que se discutem na praça pública. A verdade é que para a opinião pública não passam notícias, mas sim apenas o que se pretende que passe, para criar um clima de suspeição e de desinformação. Sou terminantemente contra o julgamento em praça pública. Não é isso que deve suceder num Estado de Direito.

É um facto que infelizmente em Portugal as decisões judiciais levam muito tempo a ser tomadas na generalidade dos casos. Mas existem tribunais que funcionam muito bem, e desses ninguém fala. A justiça tem de fazer o seu trabalho de forma serena, e não com constante pressão de quem controla os órgãos de comunicação social, e de quem “faz” a opinião pública.

.

Mc: Não sei se posso meter desta forma a seguinte pergunta, mas tem algum “caso” ou situação que goste mais de defender em tribunal que outros?

Scp76: Eu de casos em que intervenha não posso falar em público, na medida em que a tal estou obrigado por dever de sigilo profissional. No entanto, de um modo geral posso dizer que dispenso sempre que possível questões de natureza criminal, preferindo sempre lidar com matérias cíveis – como contratos, por exemplo – ou de direito comercial.

.

Mc: Quais são os seus interesses e hobbies?

SCP76: Para além do tribos que ocupa actualmente grande parte do meu tempo disponível, tenho diversos outros hobbies, que estão uns mais que outros “arrumados” num canto.

Gosto de jogar futebol, o que continuo a conseguir fazer uma a duas vezes por semana, toco guitarra, o que tento fazer todas as noites enquanto estou no tribos.

E antes de jogar tribos jogava vários jogos online na minha xbox360, a qual está agora quase sempre desligada.

Outro dos meus interesses é, como o meu nick indica, o Sporting, clube do meu coração que sigo sempre com expectativa e fervor, pese embora a péssima época que está a realizar.

.

Mc: Acha que o novo treinador do Sporting, Carlos Carvalhal, é o indicado para a presente situação do Sporting?

SCP76: Acho que é o treinador possível num momento difícil. Tem experiência. Pelo menos muito mais do que o primeiro que foi falado, a quem não conheço qualquer façanha, e tem por hábito tentar colocar as suas equipas a jogar bom futebol. E isso, para quem já anda cansado de ver o Sporting a jogar pauperrimamente, é um bom sinal. A ver vamos.

É preciso dar tempo ao tempo, mas tenho grandes dúvidas e creio que dificilmente prolongará o seu vínculo para lá do final da temporada.

.

Mc: Voltando para o Tribos, à uns meses atrás esteve envolvido num bug que causa imensa polémica, já que apareceram relatórios com tropas negativas. Conte-nos o que aconteceu para que isso acontece-se.

SCP76: Essa questão foi muito debatida na altura. Não faço a mínima ideia do que terá estado na origem desse bug. O que conheço são as circunstâncias que rodearam esse “acontecimento”.

Decorria a guerra entre a hmetal e a 666. Na madrugada de 9 de Março de 2009,pela 1:15 começaram a cair os primeiros ataques dos 32 que o rickyb – excelente jogador diga-se – dirigiu à minha aldeia 312|642.

O que fiz foi simples. Como tinha muitas tropas nessa aldeia, e tinha identificado todos os ataques do rickyb, sabendo que os nobres, num total de 5, cairiam à 1:23, retirei as tropas próprias da aldeia, cancelando essa ordem por forma a que regressassem um segundo antes do 1º nobre cair.

Matei os 18 primeiros nukes e depois deixei o rickyb ver 7 relatórios a verde. De seguida, matei-lhe os nobres. De imediato recebi uma msg dele a dar-me os parabéns. E um minuto depois era 1h24 surgiu o tal relatório.

Após os nobres havia mais dois ataques com aríetes que eu não sabia se eram ou não fakes. Para evitar perder as tropas da aldeia dei ordem de saída às mesmas assim que o último nobre caiu – tinha posto a praça da reunião a construir por forma a estar pronta no segundo seguinte ao último nobre cair.

O relatório que se seguiu mostrou um ataque com 45 espadas, 45 arcos e 1 cata, e na minha aldeia “encontravam-se” -1 lança, -1 espada e – 1 arco.

De imediato abri uma solicitação de suporte, e perante as injustificadas suspeitas que se levantaram dizendo que eu matava nobres com tropas negativas – esse relatório é vermelho para mim, como é óbvio, e o ricky não tem nenhuma baixa – enviei ao rickyb os relatórios que mostravam como tinha morto os nobres – para ele eram relatórios a vermelho.

.

Mc: A guerra em que isso aconteceu, foi uma das mais comentadas no fórum. Você passou por várias guerras comentadas no fórum, como essa contra a 666, e presentemente contra os “Lobos”. Das várias guerras porque passou, qual a que mais gostou? Qual é que lhe deu mais luta e que encontrou melhores jogadores do lado inimigo?

SCP76: Existem bons e maus jogadores em todas as tribos.

A 666 tinha um nível de organização e de entreajuda muito semelhante ao que temos na hmetal. Era uma tribo com muitos bons jogadores. Que atacava e defendia em bloco. Que contra-atacava. Que estudava o mapa.

Dessa tribo e como inimigos destaco, sem sombra de dúvida, o Rickyb, jogador com quem trocava mensagens de forma assídua e sempre com elevação.

Na guerra que actualmente travamos com a família WW enfrentamos um inimigo maior, mais espalhado pelo mapa, com uma zona de conflito mais abrangente e que poderia criar muitas dificuldades. Sucede que, ao contrário da 666 e da família metal, a família WW tem denotado grande desorganização, e excepção feita à WWRA. O avanço da metal tem sido constante e de acordo com os planos que foram traçados.

Se me permite gostaria de relembrar a primeira guerra que travei no K64, continente onde tive as minhas primeiras aldeias com o então inimigo histórico (numa rivalidade que vinha da |RVT|), a PAX. A Nobre Kasta da pax. Uma tribo constituída por bons e fortes jogadores que desapareceram do K64.

Em síntese posso afirmar que a guerra com a 666 foi até hoje a que mais dificuldade nos criou.

Na guerra actual tivemos perdas naturais, em continentes em que tínhamos aldeias ou jogadores isolados, e algumas perdas em continentes disputados como é o caso do K62 – que já fora palco da guerra com a 666 – e que se encontra rodeado a norte, sul e oeste por K’s dominados pela família WW.

Com a 666 tivemos jogadores que quase desapareceram e, por isso, quase desistiram.

Este é um jogo em que se investe muito tempo e quando se perdem muitas aldeias as pessoas desmotivam e acabam por desistir. Essa é sem dúvida uma das tácticas que utilizamos e que dá os seus frutos inequívocos. A chave para aguentar e prosseguir é jogar em equipa, e isso nós fazemos cada vez melhor.

.

Mc: Já joga o Tribos à imenso tempo, para ter conseguido enormes feitos, tal como alguns erros. Indique o feito que mais se orgulha, e um erro, cometido no Tribos.

SCP76: O que mais me motiva neste jogo é a capacidade de jogar em conjunto. De jogar em equipa e de poder ajudar a minha tribo a crescer. A este título posso dizer que fico muito satisfeito quando vejo por exemplo o meu grande amigo Hannibal que foi um dos tais jogadores que quase foi aniquilado pela 666 ter hoje perto de 300 aldeias, num processo de crescimento para o qual pude contribuir

Limpando aldeias para ele conquistar. Ao mesmo tempo o Hannibal ajudava-me com os seus nobres baixando a lealdade das aldeias para eu conquistar enviando apenas um nobre. Jogando assim em equipa conquistávamos às 20 aldeias de cada vez em ataques conjuntos, quando se fossemos sozinhos não passaríamos das 5 ou 6. É este o feito de que mais me orgulho neste jogo. Crescer em conjunto com os outros.

Jogar sempre em equipa. Continuo a fazê-lo com diversos jogadores. Todos os dias.

Quanto a erros cometidos. Creio que no início cometi muitos, como enviar dois nobres no mesmo ataque, convencido de que assim poderia retirar mais depressa a lealdade a uma aldeia.

.

Mc: O que mais lhe cativa no jogo?

SCP76: O que mais me tem cativado é o espírito de grupo que se cria. Conhecer novas pessoas. Fazer novos amigos. Conhecer alguns deles.

Jogar em conjunto com todos estes novos companheiros de armas é sem dúvida o que este jogo tem de mais aliciante.

Do ponto de vista do meu jogo propriamente dito e do papel que desempenho na tribo o que mais me cativa é a parte de estratégia atacante e defensiva. Isto quer a nível da organização de ataques e/ou apoios em larga escala quer ao nível do ataque e defesa isolado. Este é um jogo de guerra, não é um jogo para construir aldeias… mas sim para as conquistar.

.

Mc: Prevê a sua entrada nalgum mundo brevemente?

SCP76: Não prevejo jogar em qualquer outro mundo. Tentei o mundo 3 por cerca de dois meses e mais tarde creio que o 6 para experimentar a igreja, onde joguei na tribo LR do grande jogador Spydon. Mas estive lá pouco tempo, tal como sucedeu no mundo 8 e no mundo 10 onde entrei apenas para dar uma ajuda a uma tribo de um amigo. O tempo que o mundo 2 me consome é mais do que aquele que eu tenho disponível.

A isto acresce o facto de o espírito de união que temos na hmetal não ser fácil de encontrar. E o que me prende ao jogo é, como já disse, jogar em conjunto com os amigos que cá fiz.

.

Mc: Há alguma coisa que gostaria de ver implantado no Tribos?

SCP76: Não vou dizer nada de original a este respeito. Creio que já tudo foi dito. Mas acho que era importante que a partir do momento em que o mundo é fechado a novos jogadores, como já sucedeu com o mundo 2, deveria deixar de existir a regra da moral. Acho que não faz sentido manter essa regra num mundo em que todos os que restam, ou pelo menos a grande maioria estão por cá há mais de um ano.

Se uns pouco evoluíram não devem beneficiar dessa vantagem, tanto mais que pertencendo a uma das boas tribos subsistentes, o facto de ao serem atacados terem o benefício de o adversário atacar com uma moral de 30% acaba por ter um efeito perverso.

Outra das coisas que penso poderia ser introduzida neste momento do jogo era a possibilidade de as tribos terem 120 membros. Somos pouco mais de 1500 jogadores, seremos cada vez menos. Existem 4 blocos de tribos activas e julgo ser uma ideia que beneficiaria todos.

Em jeito de brincadeira diria que era uma excelente medida oferecerem 100 nobres a quem passou das 1000 aldeias.

.

Mc: Quem é que gostaria de ver entrevistado?

SCP76: Creio que seria interessante entrevistar o líder da hmetal, o meu caro amigo bakkkano, que sabe muito mais deste jogo do que se calhar muitas das pessoas que só vêm o lado provocador dele no fórum público pensam.

E acho também que seria interessante e justo entrevistar o líder da família PAX, um grande companheiro e senhor do mundo 2, o Rastafara1982.

.

Mc: Agradeço o tempo dispendido nesta entrevista, e desejo-lhe boa sorte, tanto no jogo, como na vida real.

SCP76: Agradeço esses seus desejos que retribuo bem como o facto de ter considerado ser interessante realizar esta entrevista.

Dia a dia do Advogado do Diabo

Ora bem, se até o administrador fala do seu dia entediante, e mais de tal forma agendado que omitiu as pausas para ir à casa de banho, irei também divagar sobre o meu dia que acho deveras muito mais interessante.

A minha manhã inicia-se com um ritual de purificação, espanco o despertador (sem almofadas que isso é muito quiduxo) e vou tratar de mim, meto-me no banho e penso qual será a minha próxima vítima (novo despertador), visto que ainda é madrugada (pois os diabinhos lançam o caos sobre o mundo cedíssimo).

Depois de lavado e manjado é hora de pegar no carrinho e abrir o escritório, como bom ser desprevenido de moral as manobras perigosas nas ruas movimentadas e o uso excessivo da buzina é o meu ritual pagão matinal. Irritar o maior numero dos seres que estão nas filas e mostrar como se faz é bonito.

Ao chegar ao escritório é altura de dar vazia aos clientes, bem eles são sempre mais que as mães e todos com umas histórias mirabolantes… A parte que realmente me chateia neste momento é porque raio eles tentam enganar o diabo? A serio, será que já não é possível confiar numa pessoa que vende a sua alma ao diabo? Desiludem-me… francamente…

Depois de lançar as pragas sobre as criaturas daquele senhor ausente, gozar um pouco com a cara de uns anjinhos moralistas fico com fome. E se tenho fome… Bem, adivinhem lá o que faço!? VOU COMER!!!

Após isso segue-se um outro passatempo muito bom… questionar e importunar os sacerdotes da sabedoria em templos obscuros e duvidosos. Questionar sobre tudo e todos, criar o nevoeiro à volta do seu deus e perguntar “ainda tem a certeza da sua existência”. Infelizmente este é um passatempo que rapidamente me leva à remoção dos seus templos, até na casa destes senhores somos mal vindos e olhados.

De tanto me agarrar às cadeiras e suplicar apenas mais uma pergunta fico exausto e naturalmente com fome, pego no objecto de telepatia e escrevo os meus pensamentos que envio aos pobres coitados que ainda me aturam – vamos jantar e sair?

A comida está sempre boa! Mas o verdadeiro apogeu do dia começa com a hora das bruxas, quando o sol já não se vê e a lua atordoa as presas. Começa o jogo das seduções, olhar à minha volta e procurar na multidão aquela cara nova e anónima (sim porque o nome é o menos importante). E assim começam as promessas de um amor ardente até ao final de tal noite, algo mágico e único (pois duvidosamente se repete).

À medida que nos afastamos, paira apenas uma questão será que o meu despertador toca na tua mesinha de cabeceira?

Isto sim é um bom dia!
O defensor de todos que não precisam de horários para ir à casa de banho.

Dia a Dia de um Supervisor: EnteiRocks

Há quem me chame Nuno (outros chamam coisas bem menos bonitas lol), tenho 22 anos e sou estudante no Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP).

Vou relatar não o meu dia a dia, mas sim um dia aleatório. Penso que será bem mais divertido 😉

Quinta-feira 15 de Outubro.

Depois de me deitar às 3 horas da manhã consegui mais uma vez vencer a preguiça e acordar passadas 4horas.

7h, está na hora de tomar o pequeno-almoço a correr e pegar no carro para ir até ao ISEP. Duas corridas e já estou numa aula, aulas, aulas, laboratórios, oficinas, aulas.

12h, hora de almoço, está na hora de ir praxar uns caloiros antes de ir ao “tacho”. Nunca pior, tenho 60 caloiros dispostos a partir tudo hehe

Depois de uns pequenos confrontos da recepção ao caloiro no ISEP está na hora de pegar no portátil e trabalhar, alguém me disse que o spam no fórum continua a crescer e os tickets estão a aumentar xD

Almoço a correr e siga para mais duas aulas e ainda só são 14h.

16h, está na hora de levar a caloirada do ISEP à recepção geral do IPP, pega-se na moca e na colher e lá vão os guerreiros preparados para divertir os caloiros e lança-los contra qualquer faculdade ou instituto repleto de mulheres.

18h, está na hora de voltar ao trabalho, a recepção corre bem, a caloirada diverte-se e eu também. É sempre um momento único conseguir estar à frente de cerca de 500 caloiros e vê-los a respeitar todas as nossas indicações (quem me dera poder fazer isso aos jogadores :P).

Mais uma passagem pelo carro, portátil ao ombro e vamos lá trabalhar mais um bocado, penso que há por aqui umas denuncias para analisar… hum…

19:30h, passagem pela AE ISEP, sim o balanço da semana de recepção ao caloiro até tem sido positiva. Muitas festas, muita gente, bastante bebida e felizmente muito poucos problemas. Hoje é o dia mais relaxado da semana, hoje ninguém tem que trabalhar a festa é fora de “casa”, siga tudo para o Chic!

20:30h, começa a regressar a caloirada do curso, está a ficar na hora de mais um grandioso jantar de curso. Medo, medo, muito medooo . Acho que os empregados no final da noite não vão gostar assim tanto de nós, depois de nos verem a subir às cadeiras a cantar “alhos e bugalhos”, a distorcer a magnífica língua portuguesa em cânticos desenfreados. Mas o que havemos de fazer? Somos académicos temos que aproveitar a liberdade 😉

0:30h, depois do último brinde da noite está na hora de seguir para o Chic. Autocarro à porta do Instituto e vamos embora que se faz tarde (sim porque, se beber não conduza!).

3:30h, última música da noite. Está na hora de tentar limpar o baton que teima em ficar na gola da camisa e seguir para casa finalmente.

4h, depois de mais um dia “a partir” ainda há trabalho para fazer. Entro na sala, ligo o desktop e vamos lá verificar as asneiradas que  andaram a fazer pelo DS e pelo TW.

5:30h, ainda bem que hoje só tenho aulas às 13h…

Aqui fica um dia da minha vida, raios, um homem também tem que dormir!

😉

Dia a Dia de um moderador: Baby-kel

Aqui está mais um artigo sobre o dia a dia de um moderador, nomeadamente Baby-kel.

Olá,

O meu nome é Raquel e vivo no distrito de Lisboa.
Actualmente encontro-me em formação profissional numa empresa de segurança privada dado ao facto de ter sido obrigada a adiar o meu curso de psicologia criminal um ano.

O meu dia-a-dia não é muito rotineiro uma vez que o meu horário profissional actual varia durante a semana, podendo entrar em formação nas variadas horas da manhã ou nas variadas horas da tarde, não sendo garantido em que momentos estarão livres de mim na moderação do fórum ou no suporte do jogo 😛

Entrando de manhã em formação, acordo cedo, faço do meu pequeno-almoço um manjar dos deuses, apronto-me e parto para a azáfama matinal que se sente bastante nesta zona. A formação, por norma, acaba à hora do almoço pelo que aproveito a companhia dos meus colegas para essa refeição do dia. Venho para casa, faço o que tenho a fazer de lides domésticas, venho à Internet desempenhar o trabalho que me compete quanto membro da equipa do The-West e dou uma espreitadela aos meus emails.
Às quartas-feiras tenho 1 hora de cardiofitness e musculação e quando tenho as tardes livres, há sempre que fazer, que mais não seja ajudar os outros naquilo que não podem fazer por estarem a trabalhar como ir ao banco, às compras, à lavandaria, enfim, aproveitam-se do meu tempo livre para tudo 😛 O final da tarde é para os amigos, que se não puderem estar presentes pessoalmente, é através do Messenger que se coloca a conversa em dia e que se prolonga pela noite, sendo então este momento de todo o dia, em que mais tempo passo em frente ao computador e, consequentemente, na moderação do The-West.

Se entrar em formação à tarde, o dia é muito menos proveitoso. Adoro dormir, pelo que a manhã é passada na cama, levanto-me para almoçar, apronto-me e lá vou eu mais uma vez, se bem que durante a tarde a confusão nas ruas é menor. Chego a casa mais tarde, pelo que o tempo é essencialmente dedicado à família e ao meu trabalho no The-West.

Quando tinha mais tempo e sendo eu uma adepta do desporto, fazia não só cardiofitness e musculação como andava quilómetros por dia, tinha danças de salão, mas tive que desistir de algumas coisas.

Ao fim-de-semana, sexta-feira à noite incluída, é tempo de me divertir, estar com os amigos, vamos passear, temos grandes jantaradas, saímos para dançar, vamos ao cinema… Há Domingos em que fazemos grandes almoços de família que, ao contrário de muito pessoal que eu conheço, adoro pelo facto de ter uma família enorme e serem todos muito unidos e extremamente divertidos e é esta a minha vida, de momento.

Para o ano podemos actualizar isto, com certeza a minha vida será bastante diferente, pelo menos assim espero 😀

Baby-kel

Dia-a-dia de um administrador

Visto que esta iniciativa está um pouco parada pela timidez dos nossos moderadores, decidi também falar um pouco sobre o meu dia-a-dia a ver se isto tem uma segunda leva de entusiasmo.

Visto que todos os dias tem partes iguais e muitas diferenças, decidi falar sobre o meu dia mais complicado, a segunda-feira. Este é o mais complicado pois é quando se acumulam as situações do fim-de-semana e junta-se a vontade de acordar na segunda-feira.

07h30m

Toca o raio do despertador na outra ponta do meu quarto e começa o tiro ao alvo com a almofada. Como isso raramente funciona é sinal que tenho de me levantar e meter-me no duche.

08h00m

Vou ao habitual café tomar o meu pequeno-almoço, não vou dizer onde nem o que, pois receio ser envenenado. E para começar o dia, leio os dois jornais locais, o Publico e o Jornal de Noticias.

09h00m

Ligo o portátil e começo a trabalhar, corro o sistema de solicitações e vejo os casos que me estão atribuídos, depois leio os fóruns, vejo os meus emails e as situações pendentes e reclamações. Após isto feito começo a verificar casos aleatórios das acções dos membros da equipa. Uma vez isto feito, entro em contacto com a sede e tenho uma conversa com os meus superiores e verificam-se outras situações.

12h00m

Desligo o meu portátil e ponho som nos telemóveis. Está na altura de ir almoçar, vou ao local do costume onde estão alguns dos meus amigos mais próximos e almoçamos juntos.

13h00m

Meto-me a caminho da fila interminável que é para entrar na faculdade e tentar aprender alguma coisa, porém chego sempre atrasado. No meio disto tudo há uns cafés e varias chamadas por parte de membros da equipa e às vezes da sede sobre situações que exigem a minha atenção. Nestas alturas, vou ao parque e abro a mala do carro, tiro o portátil levo este até ao bar e ligo-o ao telemóvel e começo a resolver as situações.

19h00m

Altura de sair da universidade, mais uma vez filas enormes para sair do campus e ir para casa, mas finalmente lá chego. Ao chegar a casa lá volto a ligar o portátil e começo a rever o que se passou durante a tarde e reúno-me com os meus braços direitos e esquerdos para discutirmos algumas situações e planearmos o futuro. Pouco tempo após isto estar feito passo a dedicar a minha atenção às equipas e entender as suas duvidas e quais são as áreas que precisam de ser limadas. Tal como também acerto mais alguns detalhes com os meus superiores.

21h30m

Está na altura de ir à garagem e pegar no carro mais uma vez, e procurar um restaurante para jantar. A companhia de jantares vai variando consoante os dias, mas no final do jantar o destino é sempre o mesmo café para estar com o habitual grupo de amigos e o pagode do costume.

0h00m

Está na altura de voltar para casa e dormir que o dia seguinte é muito parecido com a segunda, e sonhar com a quarta-feira que o horário fica mais aliviado. Porém os planos de ir dormir raramente correm como o esperado, pois ligo sempre o computador por uns instantes e entro numa chamada de skype e fico lá ainda uma horita, ou então alguém se lembra de me ligar a dizer que está com saudades minhas e bebeu uns copos a mais e alguém tem de levar essa pessoa a casa.

E algures entre o adormecer e o realmente dormir leio ainda algumas paginas do livro que nesse dia está na minha mesinha de apoio.

Em suma…

As segundas são tramadas! E verdade seja dita que tenho de concordar com a minha ex, quando ela dizia que para a quantidade de coisas que faço em um dia precisava de um clone. Pelo outro lado, tento sempre conciliar a minha vida pessoal com a profissional e académica de forma a esticar o tempo para ser o suficiente de forma a resolver tudo que há por resolver, isso e tirar “férias” ao fim-de-semana sendo que o trabalho que faço nestes é apenas o único e exclusivamente necessário.

E como um membro da equipa me perguntou como é que é possível fazer tudo o que faço com o tempo que tenho disponível, é simples, obedeço a um sistema de reservas de tempo e evito coisas que me ocupem desordenadamente o tempo como família e namoradas. 🙂

Ricardo, Administrador de comunidades

Dia-a-Dia de um Moderador: Sudritter

Ora boas, a pedido de alguém, decidi escrever um pouco mais sobre mim. Chamo-me Paul (Sim, já me disseram que Paul ainda é pior do que sudritter a nível fonético), tenho 18 anos (mais uma vez, sim, vocês são massacrados por um mero teenager 😉 ), e vivo… Bom, vivo no centro de Portugal, literalmente =P

Como estudante que sou, tenho um dia-a-dia mais ou menos rotineiro certo? Nem por isso, na verdade o meu horário faz com que entre tanto as 8:25, como as 13:55, que chegue a casa tanto as 14, como as 18, fora os dias em que há festas no IST, aí simplesmente não há aulas para ninguém (não, não estudo no IST) 😛

Como todos, de semana acordo de manha, em dias que acorde antes da hora, bebo café e observo o que se passou durante a noite no nosso jogo e fórum, ou seja, começo logo pela manha por vos chatear a cabeça, caso acorde tarde, vou a correr para o autocarro sem café para ninguém.

Indo para a escola, vou ver das minhas aulas, dos amigos, (não levo PC para a escola, nesse tempo vocês tem uma folguinha), tento fazer-me passar por pessoa cómica e sempre bem-disposta, o que até nem corre muito mal, não seria uma ajuda para mim nunca, mas nunca estar penteado e nunca saber o nome dos meus colegas de turma (só alguns) =P

Voltando, e como já referi, depende muito das horas, geralmente ligo o PC, vou lanchar, volto ao PC, ligo MSN, tribos, West, fórum, CNN, e youtube (afinal preciso de ouvir musica), o que faz com que tenha cerca de 10 abas sempre abertas, vejo o que se passa, e vou apodrecendo em frente do PC, isto claro, em dias sem testes ou coisas de mais avultado a fazer para a escola.

Chegando a noite, vejo as minhas coisinhas para a escola, ou continuo meio morto em frente do PC, raramente saio de casa de semana para além de casa-escola, escola-casa, o que me dá um bom tempo para analisar tudo o que me apetece, isto inclui, uma vasta lista de animes e mangas, acompanhada de séries, e quando tenho tempo ainda gosto de ler um pouco do meu livro (tenho sempre um livro inacabado de ler, quando acaba, tenho um bom monte para começar), infelizmente, esse tempo muitas vezes não existe.

Ou seja? Conclusão inicial: Este moderador é um nerd que não faz nada.

.

Talvez… durante a semana! Já ao fim de semana a historia sobre apodrecer na Net é falaciosa, tal como todos, saio, passeio com os amigos, jantaradas e churrascos, amigos, amigos e por fim, amigos. São sem dúvida os dias de descanso da Net. Deixo o fórum, deixo o tribos em modo de substituição (Sim, tenho um substituto que já sabe que no fim de semana, tem sempre 2 contas). Mas… não, não podem fazer spam, como já diziam algures “Big Brother is watching you” (George Orwell)

Enfim, é isto, traduzido, acordo quando calha, vou dormir quando calha, modero quando estou presente, que por sua vez é quando calha, mas no fundo, bem no fundo, tenho uma espécie de rotina! Quem não tem? 😉

Sudritter

Dia-a-Dia de um Moderador: Pekenino

Olá a todos! Este artigo foi editado e creio que ficou melhor… Agradeço a todos as sugestões que deram, porque assim, consegui melhorar o meu artigo!

.

QUEM SOU EU:

O meu nome é João Brito e moro na cidade da Amadora, distrito de Lisboa. Já muitos de vocês ouviram falar do Pekenino, alcunha essa que será fácil perceber a razão da sua existência… Mas conto-vos uma breve história veredicta: Uma vez no meu trabalho, estava a repor uma palete como é habitual, mas nessa semana havia uma promoção especial então teria que colocar um objecto no local em que a empresa decidiu. Eu com a mão na folha do Layout e outra mão na testa a pensar como é que iria colocar aquele objecto lá no alto… Ora, como não tinha nada por perto que me ajudasse tive que desenrascar-me… Eu estiquei-me mas as tentivas foram em vão… L  Um caro cliente teve a feliz ideia de me chamar ‘pequenino’… ao menos ajudou-me a colocar o dito objecto lá no alto.
Dias mais tarde num dos cafés que tive com pessoal amigo contei-lhes a história… a partir daí começaram a chamar-me ‘pequenino’ (anteriormente já me chamavam).
..
SER MODERADOR:

Na minha opinião, a capacidade de ser moderador passa principalmente por saber avaliar as situações de cabeça fria e de um modo completamente imparcial. Moderar, ou seja, ser responsável por diversas actividades dos jogadores no jogo e fórum, é algo que me dá imenso prazer, pelo facto de poder “pôr ordem” nas coisas e fazer com que se faça justiça e de ajudar os membros da comunidade, nas dúvidas ou problemas que possam surgir. Este meu gosto existe talvez por ter familiares ligados à justiça, o que fez com que, desde muito novo, visse e assistisse a muitas coisas ligadas com leis, direitos e deveres.

Dedico bastante tempo à moderação. Cerca de 2 a 4 horas diárias, no jogo e no fórum. Muitos amigos já me perguntaram quanto tempo gasto no jogo e dizem que é tempo a mais para algo aparentemente simples. Mas para moderar é preciso muito mais do que simplesmente avaliar actos menos correctos. Passa também por aprendizagens, reuniões, conversas com outros moderadores/adminstradores sobre diversos assuntos.

.

VIDA PESSOAL:

A minha vida pessoal é também feita a trabalhar. Sim, trabalho a part-time, em horários mais ou menos rotativos, num supermercado de nome conhecido de todos vós (em Portugal – Europa), nome esse que julgo desnecessário revelar. As várias horas livres que tenho, permitem-me realizar as minhas tarefas no Tribos, a que me dedico voluntariamente e com todo o prazer – o ser moderador. O que mais me entristece é ter que, por vezes, trabalhar aos fins-de-semana, o que me deixa sem oportunidade para sair com os amigos, quando todos eles têm tempo livre.

Faço questão de ocupar os meus dias da melhor maneira possível, o que nem sempre consigo. Quando não estou a trabalhar, gosto de estar com os amigos ou então no computador, não só a moderar, mas a jogar, consultar sites, entre muitas outras coisas. Gosto muito de jantar fora, de ir ao cinema, de tomar café com os amigos, de conversar, de ouvir música ou de visitar algum sítio do país ou até outros países. Também adoro viajar, principalmente se for de avião… Adoro música e os meus géneros favoritos passam pela música House e Techno.

Gosto muito de dormir também. Como nem sempre me deito cedo, muitas vezes só acordo tarde. Para os que não sabem, vivo sozinho. Isso faz com que tenha muitos outros afazeres, tais como tratar da minha roupa, preparar refeições, limpar, arrumar, organizar e esquematizar toda a minha vida. Não o faço com a frequência que desejava, mas sempre faço os possíveis para ter uma vida harmoniosa. Para eu conseguir conciliar tudo, que por vezes é complicado, tenho que planear, e por norma faço um plano semanal.

A noite é algo que não me agrada. Além da solidão, que por vezes parece bater à porta, é quando tenho que preparar o jantar, algo que não gosto muito de fazer. Uma vez ou outra, costumo ir dar uma volta durante a semana, à noite, mas na maioria das vezes passo-a à frente ao computador falando com a equipa, a ver televisão ou a ler.

.

NOTAS FINAIS:

Espero que tenham gostado da partilha do que é o meu dia-a-dia. Aguardo ansioso os vossos comentários e as vossas críticas, tanto positivas, como as negativas também! Beijos e abraços.

João Brito aka Pekenino

.

Comentários a este artigo, devem ser feitos no Fórum do Tribos.