Arquivo de etiquetas: dias

Actividades de Janeiro da equipa de suporte

Com o início de 2010, a equipa de suporte tem vindo a trabalhar em melhorar os serviços de gestão da comunidade. À medida que desenvolvemos novos planos e implementamos novas soluções deparamos com a falta de mais pessoas e por isso abrimos mais uma ronda de candidaturas ao suporte.

O que já fizemos em Janeiro

  • Regularização de diversas contas em situação de comandos ilegais e recursos ilegais.
  • Investigações a tribos e jogadores em posse de palavras-chave de outros jogadores e contas inactivas.
  • Remoção de contas com modos de férias superiores aos 120 dias.

O que ainda está previsto acontecer no mês de Janeiro

  • Abertura da nova ronda de candidaturas
  • Reformulação das regras do fórum
  • Publicação de como se processa o calculo das punições *
  • Uniformização do sistema de avisos e infracções no fórum (incluído as mensagens aos utilizadores) *
  • Bloqueio automático de todas as contas em modos de férias superiores aos 120 dias.
  • Bloqueio automático a todas as contas que infrinjam a regra 5.
  • Inicio do desenvolvimento de uma ferramenta para bloqueio automático de infracções à regra 1.
  • Expansão da equipa de suporte
  • Dinamização da wiki do Tribos
  • Dinamização do Blog.
  • Revisão da estrutura do fórum.
  • Criação de um sistema de comunicação e negociação com os jogadores sobre a gestão do produto.

Esperamos que com estas novas iniciativas possamos melhorar o fair-play no jogo e o bem-estar da comunidade.

Ricardo, Administrador de Comunidades

 * Este ponto está dependente de uma ferramenta externa ainda em fase de programação e por este motivo poderá sofrer atrasos

sentido de justiça…

Pouco dias atrás li uma reportagem num dito jornal de “prestigio” algo deveras chocante, uma personalidade tinha sido presa alguns dias atrás devido a um crime (muito grave, a meu ver) que tinha (alegadamente) cometido à 31 anos atrás. Porém esta reportagem não se centralizava pelo facto de alguém seria apresentado à justiça para responder sobre os seus possíveis actos, mas pela sua libertação.

Esta historia ocorreu noutro país e devido às similaridades de um outro caso polémico que ainda se encontra em julgamento nas nossas terras lusitanas irei abstrair de entrar nesses detalhes. Apenas irei reafirmar que a meus olhos é algo que me choca e assusta saber que há pessoas capazes de tais coisas. Não sei se estas pessoas realmente cometeram ou não tais crimes, e por tal motivo abstraiu-me de passar julgamentos e focar-me-ei na discussão do direito.

Este caso fez-me relembrar a velha polémica das prescrições de crimes, algo que separa claramente vários sistemas judiciais, partindo de filosofias sobre a essência do ser humano completamente dispares. Por exemplo, em Portugal, a um crime cometido é dado um limite de tempo para se trazer a parte culpada à justiça, caso este não seja encontrado nesse tempo e não continue a praticar este crime – a nossa doutrina de justiça assume que a pessoa aprendeu e já não é um risco para a sociedade – sendo que para tipologia de crime existem tempos de prescrição. Desta forma a nossa justiça tenta encontrar e tratar a vitima e o infractor pela sua vertente humana. Ora nos EUA, terra dos cowboys, as coisas passam-se de forma diferente, pois quem comete um crime pode ser julgado em qualquer altura mesmo que já tenha falecido. Para o sistema judicial americano existe uma necessidade de repor e corrigir os crimes cometidos no passado, mesmo que ao fazer estejam a modificar a vida dos descendentes do infractor.

Quando olhamos criticamente para ambas as partes encontramos que estas se encontram em extremos opostos e rapidamente seriamos capazes de tecer o comentário, a prescrição deve existir para crimes “não graves” e não deve existir para os crimes “graves”. Porém isto trata-se de uma dicotomia de significados, o que é mau e o que é “bom”.

Poucos dias atrás ouvia uma musica (retro e verdadeiramente vintage) – The Beatles: Imagine – em que a dada altura John Lennon nos diz “imagina um mundo sem paraíso, … sem inferno… sem países… sem tudo aquilo pelo qual as pessoas matam… é fácil…” não consigo deixar de tentar imaginar este paradoxo. Sei que as pessoas precisam dos seus compassos morais e realidades circunscritas para actuarem numa sociedade funcional, ora sempre que tento imaginar o mundo que Lennon descreve apenas consigo ver algo pior que aquilo que já existe nesse sentido.

Lennon tenta-nos dizer que grande parte das discordâncias que ocorrem entre as pessoas deriva directamente das diferentes valencias que damos aos valores que temos, e assim quando dois são de tal forma dispares detona conflitos. O mesmo poderá se aplicar à decisão de quais são os crimes graves e desta forma ser impossível de se chegar a um dado consenso, sem ainda falar que para algumas pessoas determinados crimes podem ser vistos como nem sendo crimes – continuo a dizer que o circulo vermelho com o número 120 é a recomendação de velocidade de cruzeiro…

Isto tudo para chegar a uma pobre conclusão sobre a justiça, o ideal colocado sobre a justiça é da sua cegueira externa, que esta existe e é movida sobre um pilar estrutural de isenção do mundo externo. Contudo, a cada dia torna-se mais clara a influencia dos meios de comunicação social na perpetuação dos casos, no desenrolar de pré-sentenças, entre muitos outros. Será que caminhamos para uma fase em que as sentenças passaram a ser dadas através de envio de mensagens escritas para um numero de custo acrescido? A justiça poderá passar para um concurso de mera popularidade, uma espécie de reality show do qual as sentenças conseguiram ainda gerar lucros para cobrir os buracos orçamentais.

Eterno critico,
Advodago do Diabo

Mais uma vez sem tribos

Mais uma vez correu uma ronda speed “sem tribos”, durante 10 dias os jogadores batalharam entre si numa espécie de todos contra todos.

As configurações deste primeiro mundo tinham algumas características especiais, salientando-se:

dssr.15.01

Duração:
10 dias
Velocidade:
250
Tribos:
Modo de substituição
sem tribos
Academia
moedas
Equipa de suporte:
N/A
Modo nocturno:
Activo
Bónus nocturno:
Desactivado

Esta foi uma ronda “tipca” dos sem tribos.

dssr.15.02

Esta ronda contou com 469 jogadores (dos quais 123 foram banidos).

Regra

contas

§1 Partilha de ligação / multi-contas
87
§2 Co-Playing
§3 Modo de ferias
§5 Comandos e transportes ilegais
35
§6 Modos expressivos
1
Restantes regras:
Total:
123

Após 10 dias, o TOP 3 no final foi:

Lista de classificações

Pontos

Atacante

Defensor

1º Classificado AFHM col.lima speedcars
2º Classificado col.lima speedcars fernando116
3º Classificado hivo AFHM Mary Si

Como se torna habitual, nesta ronda foram 26% dos jogadores bloqueados por infracções às regras. Porém a maioria dos jogadores que ficaram no topo da classificação não foram bloqueados. Para nós enquanto equipa de suporte apenas demonstra que cumprir as regras só compensa.

Ricardo, Administrador de Comunidade