Arquivo de etiquetas: guerra

O Mundo 22, por Iberian Hell

Abertura: 20/06/11

                O mundo 22 fez, recentemente, um aninho… Que tal recordar o que aconteceu já neste mundo onde, no seu início, muita gente esperava dele?

                O mundo 22 do servidor português foi “atacado” por imensos jogadores conhecidos e por grandes tribos já formadas. Nomes como BH, FREE!, RUN!, WC, 1., LOAD! e muitas outras que foram aparecendo com o tempo, como é o caso da K.O!, NEW!, EL!… Digamos que o mundo teve três fases até ao momento: o início atribulado com tribos de grande qualidade, uma segunda onde, do nada, apareceram algumas tribos feitas in-game, mas sólidas juntamente com, naturalmente, as tão famosas tribos mass recruit. Por último, a terceira fase… Fase em que, como se pode observar, neste mundo desapareceram muitas tribos… Algumas devido a fusões, outras por desistências e outras simplesmente pelo fator guerra.

                A verdade é que, numa certa altura onde ninguém sabia o que podia acontecer, aparece uma tribo do nada constituída por vários jogadores espalhados por diferentes continentes… Estou a falar, é claro, da tão controversa K.O!. E porquê controversa? Simplesmente pelo facto de todos apontarem para uma situação e ocorrer exatamente o oposto… É verdade que a tribo apareceu tarde, mas esta veio dar uma “nova” luz ao mundo, numa fase onde já haviam guerras entre muitas tribos… Na primeira fase falada anteriormente, esta tribo não existia, nem sonhava existir… A verdade é que o mundo era, em certa altura, “dominado” por 4 grandes potências: FREE!, RUN! e 1. e LOAD!… Estas foram, sem dúvida, das tribos que mais marcaram este mundo.

                Quando já toda a gente falava apenas nestas 4 tribos aparece a K.O! no mapa… Foi sem dúvida a tribo que mais espantou o mundo. A partir daqui, pouco se tem a dizer em relação a este mundo… Muitos dizem que este perdeu todo o interesse devido a vários acontecimentos, como o desaparecimento de algumas tribos, como a WC, BH, NEW!, EL! e isto também muito graças aos esforços das tribos que os estavam a combater. Muitos dos seus jogadores simplesmente desistiram, outros continuam a jogar e outros viram os nobres a chegar às suas aldeias. Portanto, tendo em conta este facto, é de referir que este mundo perdeu, inicialmente, jogadores como lmcs94, ***Nevoeiro***, PedroAlmeida90 e uma grande lista de jogadores, perdendo o mundo alguma competitividade… Mais à frente na história deste mundo temos ainda mais desistências… Desta vez maioritariamente de membros da tão prometedora K.O!, que chegou a estar alguns dias sem líderes inclusive. No entanto, grandes jogadores trouxeram-na de volta…

    

                De momento, alguns seguidores deste mundo estão enormemente desiludidos, pois dizem que este perdeu toda a sua competitividade. A verdade é que RUN! e K.O! quebraram a aliança mais antiga do mundo 22 e decidiram que estava na hora de fazer a corrida às aldeias inimigas. Decidiram, portanto, juntar o útil ao agradável e juntar todos os seus membros numa só tribo, criando, assim, a »R.K«. Diga-se de passagem que isto não agradou a gregos e troianos, visto a RUN! estar em guerra com a 1. e a K.O! com um “pacto de boca”… A verdade é que, de momento, estamos praticamente na reta final do mundo, pois só se fala em duas tribos: os rapazes Velha Guarda e o pessoal da RUN + Knockout. A verdade é que, no que toca a guerra, vemos a junção da TOP1 com a TOP2 a dar imenso resultado, com 415 aldeias de saldo positivo para esta. É nestas horas que todos nos perguntamos se a união entre estas duas tribos é realmente forte ou foi a Velha Guarda que se deixou, subitamente, ir abaixo? No que toca a mim, penso que a »R.K« demonstrou as suas capacidades na maior guerra de todo este mundo. É TOP1 vs TOP2. Onde o TOP1 leva clara vantagem para conseguir a conquista e vitória neste mundo que já deu tantas voltas que nem quem está lá dentro a viver o jogo se consegue lembrar de todas! Note-se apenas que, apesar de estar a perder esta guerra, a 1. é, possivelmente, das poucas tribos que se mantém intacta desde o primeiro dia do mundo… Por isso, temos uma grande guerra, pelo que tudo pode acontecer. Por outro lado, a TOP1 tem liderado e feito o que quer neste mundo, pois nenhuma ou pouca resistência tem encontrado.

Da minha parte é tudo. Desejo boas conquistas a quem se encontra neste mundo e que vença e convença a melhor tribo!

Saudações,
luis morte (in-game) – Iberian Hell (fórum externo)

Entrevista aos líderes da tribo vencedora do mundo 19, HMetal

aussieeagle
Nome: Fernando

bakkkano
Nome: Miguel

Parabéns pela conquista do mundo 19, o mundo mais rápido a fechar até agora na história do Tribos, com 645 dias!

aussieeagle – Entreguei a responsabilidade desta entrevista ao meu co-player bakkkano. Ele é, sem dúvida, o líder carismático da Heavy Metal (HMetal) e sem ele nenhum de nós chegaria ao fim, ele é sem dúvida um grande jogador e um estrategista de grande categoria, um grande amigo e companheiro de armas.

1. Antes de começarmos, tem alguma música para sugerir, para acompanhar a leitura da sua entrevista?

bakkkano – Deixo a música dos Manowar – Brothers of Metal, é o nosso hino e esta música foi feita a pensar na HMetal.

2. Conte-nos um pouco sobre a história da Heavy Metal. Como surgiu este projeto?

bakkkano – O projeto Heavy Metal no mundo 19 surgiu graças a uma iniciativa de um amigo meu, conhecido por novaoeiras, que falou comigo e decidimos uma semana antes do mundo abrir criar uma tribo com intuito de vencer o mundo. Em conjunto com o meu co-player aussieeagle formámos a tripla da liderança da HMetal, que durante todo o jogo deu os seus frutos.

3. O que tem a dizer acerca das dificuldades deste mundo? Da competição ao longo destes quase 2 anos de jogo? Os prognósticos que fazia sobre as tribos e jogadores para este mundo corresponderam com a realidade? E sobre as configurações?

bakkkano – Começando pelo fim, achei as configurações fantásticas. Boa velocidade, sem igreja e nobres baratos. Tudo isso ajudou a que este mundo fosse bastante concorrido e de muita qualidade.

Todos os prognósticos que fizemos sobre as tribos que participaram por norma, dada a nossa boa organização interna, tínhamos relatórios bastante precisos sobre quem eram os nossos potenciais adversários e quais os fatores positivos e negativos que apresentavam. Esses relatórios eram atualizados mensalmente e em conjunto era debatido pela liderança da HMetal, onde e quando devíamos atuar.

Achei um mundo interessante e com um grau de dificuldade médio/alto. Ou seja, no início apresentaram-se cerca de 15-20 premades com jogadores bastante conhecidos do nosso servidor e com experiência em liderança de tribos de renome, posso referenciar algumas como a =C=, NVS, URUZ, 666, SQUAD, entre outras. Sabíamos à partida que o nosso sucesso seria difícil, mas estávamos confiantes quanto à possibilidade de fechar o mundo.

4. Quando entraram para este mundo traziam algum objetivo definido? Alguma vez o viram em risco?

bakkkano – À entrada no mundo 19 só tínhamos um objetivo na mente: era fechar o mundo e jogar por diversão. Sentimos desde o momento inicial o risco, como é obvio, visto o Tribos ser um jogo de longa duração onde diversos problemas surgem e no qual são os líderes os primeiros que devem estar prontos para resolver todos os problemas e obstáculos que possam surgir. Em todas as guerras que entrámos sempre houve risco, mas dada toda a estrutura da HMetal, desde a sua liderança, o seu conselho tribal e todos os guerreiros que honraram a tribo, conseguimos graças ao nosso espírito de entre ajuda transformar os riscos em riscos calculados na sua maioria das vezes.

5. O grupo da HMetal, em termos de membros, poucas mudanças teve desde o seu aparecimento, correto? O que acha do grupo final que acabou o mundo 19 consigo?

bakkkano – Como todos sabemos o Tribos é um hobby onde passamos algum tempo em diversão com amigos e acima de tudo é feito de evoluções, nem sempre o grupo inicial é aquele que consegue concluir os mundos devido a vários fatores como a falta de tempo, escola, trabalho, família, cansaço, etc. O importante é saber manter um grupo motivado e com objetivos bem delineados sem prejudicar em demasia os aspectos familiares e/ou profissionais. Congratulo-me pelo núcleo duro inicial da HMetal praticamente ter todo ele chegado ao fim, e durante o nosso trajeto é obvio que demos sempre oportunidade a outros jogadores fazerem parte do nosso projeto. Esta evolução metamórfica acima de tudo tem como objetivo de manter sempre os níveis de prontidão nas nossas necessidades de jogo elevadas e aceitamos estes recrutamentos como uma ferramenta do jogo.

O grupo que chegou ao final posso afirmar que foram uns apaixonados pelo jogo, porque vindo a última grande guerra o jogo por si só perdeu o seu interesse e foi uma fase mais de paixão pela tribo que nos levou até ao seu terminus.

6. É considerado um líder experiente neste jogo com atributos invulgares. Teve muitas dificuldades com este grupo? Partilhe connosco algumas das suas estratégias para motivar os jogadores resistirem no jogo – quase 2 anos de luta constante, não e para qualquer um, tanto para membros, como para lideres.

bakkkano – As dificuldades de gestão de massas existem sempre dada a grande variedade de personalidades que encontramos no jogo, uns mais emotivos, outros mais reservados, outros explosivos. Enfim, todos eles fazem falta numa tribo e a liderança da HMetal pela sua experiência, tanto no jogo, como na vida real, sempre soube gerir na base do diálogo todas as dificuldades emergentes das diversas personalidades dos jogadores. Ser líder não é um estatuto, ser líder é saber ouvir os seus companheiros de guerra, é saber motivá-los, é saber estar com eles nos momentos mais difíceis e sempre disposto a ajudar. Um aspeto que tento sempre transmitir a quem joga comigo é ter sempre uma atitude de altruísmo e estar sempre pronto a ajudar o próximo. Se todos os jogadores de uma tribo conseguirem ultrapassar esta barreira irão ver que tudo se torna muito mais fácil e o jogo mais fluído. Outro aspeto é a motivação organizacional, motivar com organização, transmitir objetivos de forma motivadora, juntar ao máximo os extremos da tribo e saber orientá-la é outra vantagem que a HMetal sempre teve.

7. Qual foi a sua guerra preferida? Porquê? Que dificuldades sentiu? Teve de disponibilizar muito tempo para planear estratégias, planear coordenados, nessa guerra?

bakkkano – No fundo tenho preferência por todas as guerras em que participámos no mundo 19, porque todas elas têm os seus aspetos positivos e negativos. Análises, estudos, estratégias, táticas e todas as guerras são diferentes. Desde o início encarámos os adversários com respeito e sem menosprezo. Em relação ao tempo que disponibilizava para planear e arquitetar os coordenados da tribo sempre foi bastante célere, devido a ter um conjunto de amigos no conselho da HMetal onde cada um tinha a sua função: um fazia relatórios sobre os adversários ou potenciais adversários, outro assumia uma atitude passiva junto dos adversários para analisar a sua estrutura, outros estavam ligados à parte tática da tribo. A minha função era apenas de organizar coordenados e orientar a direção da tribo, onde utilizava uma ferramenta criada por mim no Excel e consigo preparar coordenados em 5 minutos, logo o tempo dispensado nestes assuntos era mesmo muito reduzido.

8. Como todos sabemos, uma parte do seu grupo, também participou no mundo 2, onde travou uma grande guerra com a vencedora desse mundo. O que acha que mudou desde o mundo 2?

bakkkano – Sim, participámos numa guerra de viragem do mundo 2, onde a PAX conseguiu ser a justa vencedora do mundo 2 graças a essa vitória. Desde daí o Tribos mudou bastante, começando pelas novas configurações e gráficos introduzidos, tem tido melhorias significativas.

Ainda sou do tempo em que para fazer tropas tinha de ir aldeia a aldeia (imaginem fazer tropas em 1000 aldeias depois de 2 horas só a fazer tropas, nem pensava em farmar). Hoje clico em 2 botões e tenho isso feito.

Portanto, os mundos mudaram muito, para melhor, apesar de achar que as melhorias em termos do jogo jogado foram bastante ao encontro dos jogadores, existem medidas especialmente realizadas nos últimos mundos que, na minha opinião, vão contra aquilo que a chamo de verdade do jogo, como as medidas colocadas por troca de pontos Premium que ajudam na evolução do jogo sem ser um ato prático dos jogadores. Estes são os aspetos no qual acho e tenho a certeza que tornam o jogo menos atrativo.

No entanto, não deixo de sublinhar a excelente iniciativa do Assistente de farming, que veio ao encontro das necessidades dos jogadores. Deixo também uma sugestão para a criação de um Mass Attack Planner, porque penso que é algo que falta na estrutura deste jogo, quem sabe um dia não teremos isso criado.

9. Como se sentiu quando percebeu que a sua tribo, HMetal, tinha nas mãos a fase final no mundo 19? O que sentiu quando constatou a vitória e a sua tribo? Transmitiu alguma mensagem à sua tribo em especial?

bakkkano – O sentimento de dever cumprido, e agradeci a toda a tribo o contributo que deram em prol da nossa saudosa HMetal, mensagem essa direcionada a todos os que participaram nesse projeto mesmo aqueles que por uma razão ou outra tiveram de nos deixar mais cedo.

10. Agora mais a nível pessoal. Em que trabalha? Como consegue conciliar o jogo e a sua vida pessoal?

bakkkano – Sou consultor e consigo conciliar a parte profissional/familiar com o jogo graças ao meu grande companheiro de batalhas, o Fernando. Sem ele não conseguiria conciliar o meu tempo para o hobby de forma mais ativa.

11. Os convívios são algo cada vez mais frequente nos grupos de jogadores que jogam juntos há algum tempo. A HMetal também costuma organizar esses momentos? Considera importante no desenrolar do jogo e para a tribo?

bakkkano – Esse para mim é o aspeto mais importante no jogo. Conhecer a maioria dos jogadores da HMetal através de diversos convívios que organizamos, almoços, jantares que foram imensos, onde discutíamos as estratégias, técnicas, peripécias. Enfim, um momento de lazer onde só se fala de Tribos, vale a pena e ajuda na coesão da tribo.

12. Na última entrevista feita ao jogador W@tchman (da tribo vencedora do mundo 15), ele partilhou uma pergunta que gostaria de fazer a um futuro líder vencedor: “Valeu a pena e deu-lhe gozo chegar até ao fim?

bakkkano – Este foi o meu terceiro mundo que conclui e o primeiro no PT, claro que deu prazer em concluir o mundo 19, foi esse o objetivo a que nos predispusemos desde o início e na companhia dos meus “meninos” mais saboroso foi. É sempre um momento especial saber que atingimos o fecho de um mundo em tempo recorde.

13. Que conselhos sobre liderança daria a outros líderes?

bakkkano – Os conselhos que posso dar aos líderes de tribos são simples. Sejam pacientes, objetivos, racionais, organizados e nunca receiem tomar decisões. Acima de tudo divirtam-se e defendam sempre os vossos.

Aproveito também para aconselhar a leitura de um livro intitulado “A Arte da Guerra”, de Sun Tzu. Os ensinamentos que nele transmitem podem sempre introduzir na gestão da vossa tribo. E acreditem, funciona!

14. Gostava de deixar alguma mensagem aos nossos leitores ou à sua tribo em especial?

bakkkano – Desejo a todos sempre muita diversão no jogo, muito fair-play e sejam sempre cordiais com os vossos adversários. Hoje são adversários, amanhã companheiros de tribo. Mas acima de tudo saibam separar as águas. Todos os Metaleiros sabem que da minha parte sempre tiveram tudo e sempre terão. O nosso grito de guerra sempre foi “NO MEN NEVER WALK ALONE” e continuará sempre a sê-lo.

Agradecemos a sua disponibilidade e mais uma vez felicitamos a tribo HMetal pelas suas conquistas.