Arquivo de etiquetas: mundos

Entrevista a ImpireSLB

Negrito: Entrevistador

Fonte normal: Entrevistado


 

1. Boa noite ImpireSLB, obrigado por ter aceite! Para começar, apresente-se aos nossos leitores.
Boa noite Gomes, ImpireSLB para os grepolianos e Carlos ou Avec para os amigos, como não poderia ser sou viciado neste jogo, não por ele mesmo mas sim pela involvência humana que existe em torno do jogo.
Fiz o meu 1° mundo no SIGMA e dai para a frente passei por varios mundos tais como Upsilon, Tau, Phi, Chi, Psi, servidor Francês, Bizâncio, Corinto, Delfos e agora o Itaca, sempre com o mesmo nick. Uns Mundos mais conseguidos outros menos mas foi assim que fui aprendendo a dar uns toques nisto. Aprendi como muitos a ver espadinhas apontadas as minhas cidades principalmente em modo revolta. Ainda me lembro das grandes noobices que fazia, não é que não faça agora
Os mundos revolta nunca me correram bem devido ao facto de nunca me conseguir juntar a um grupo forte de jogadores e ai a vantagem de me ter juntando a um grupinho não muito grande mas que depois formou uma grande aliança que foi a =SINE NOMINE= no PHI. Devo a minha entrada ao borbac naquela familia e depois aprendi muito do que sei hoje principalmente com o crasiman e com o cami1234, tudo jogadores que tenho em consideração devido aos seus fortes caracters e maneiras de liderar.
Como jogador não me considero grande jogador mas quando juntamos um bom grupo a união faz a força e ai sim talez seja uma mais valia.

2. Depois das vitórias no Bizâncio e no Delfos como fundador, acha que este mundo vai ser apenas mais um para a conta?
Tenho que te corrigir, Bizâncio cheguei a fundador com o decorrer do mundo, a pre made foi feita pelo cami1234, MasterAtWork e Ambush. No Delfos sim, fui fundador desde o prencipio com o cami1234 sendo dele a ideia de entrarmos no mundo e fazermos a homenagem ao Rocha tendo desde o primeiro dia o objectivo de bater o recorde das maravilhas.
Quanto à pergunta, sim vai ser mais um para a conta, vai ser o meu 10° mundo no grepolis
Quanto à vitoria que te queres referir, sem margem de duvidas estamos ca para ganhar e vendo os membros que temos e da forma que eles executam as estratégias da LEAD não vejo como não poderà ser possivel não ganharmos isto. Actividade é o essencial do jogo, e isso não falta nos membros que componhem a nossa aliança, desistencias e problemas fazem parte do decorrer do mundo e para isso é que ca esta a LEAD para contornar todos esses problemas com as opções adequandas a cada situação.

3. Humerus, cami1234, bla blas e ale grid, 4 jogadores que sempre jogaram consigo, e que tiveram presentes na Lead dos dois mundos ganhos… A presença deles na Sine Nomine pode influenciar a estratégia da Donos do Mundo?
Humerus e bla blas não estão no mundo, se tivessem certamente estariam no projeto Os Donos do Mundo e fariam parte da Lead. Quanto ao cami1234 e ao ale grid, sim o cami1234 é importante na estratégia do inimigo ja o ale grid é um mero peão, bom jogador, persistente, mas não passa disso. Quanto a eles influenciarem a estratégia da nossa aliança, não, não creio que vamos modificar a nossa maneira de jogar devido aos liders da outra aliança, liders não jogam sozinhos, os membros que as componhem é que fazem toda a diferença.

4. A que se deu o desentendimento no mundo Delfos entre o ale grid + cami1234 em relação à aliança por si fundada, Por Ti Rocha?
Simplesmente devido ao ego do ale grid no jogo e sendo expulso pela maioria em votação na LEAD, e depois quando existe amizade entre pessoas, as mesmas costumam seguir o mesmo caminho, foi o que aconteceu no caso deles,o cami decidiu continuar com o ale grid.

5. O único mundo cerco que não ganhou foi o Psi, e foi também o único que não jogou com eles… Mera coincidência?
Não, não tem nada a ver, fui convidado pelo Humerus, bla blas e sdr79 para me juntar a eles num projeto deles onde eu nunca tive muita fé mas fui na mesma por mero devirtimento e companheirismo. Agora não podemos comparar as coisas, ali foi uma aliança criada por jogadores ainda verdes, o unico com experiencia era o sdr79, nada tem a ver com as alianças que se formam com o objectivo de ganhar o mundo.

6. Neste mundo ítaca temos ótimas alianças, sendo o top3 vencedor de mundos anteriores, e 2 alianças brasileiras também vencedoras no seu servidor base. Que análise faz deste top15 de alianças?
Top 15? os mundos PT’s nunca tiveram 15 alianças, tiveram sim 3,4 ou 5 no massimo e as outras são apenas jogadores que estão juntos mas não podemos chamar de alianças. Uma aliança tem que mostrar isso mesmo, que joga em conjunto e que todos sem execção pensam da mesma maneira.
Quanto ao top 5 vamos esperar para ver mas ao ritmo que isto esta a levar não vejo grandes surpresas no decorrer deste mundo a não ser um pacto ou uma fusão aqui ou ali mas a quantidade de membros (alianças muito grandes) vai ser sempre um problema.

7. Que análise faz do mundo até agora?
Nada de novo, nada que não estejamos habituados no server PT, todos têm uma vontade desgraçada nesta altura mas daqui a 1 mês metade dos jogadores ja fez reset ou simplesmente deixam de jogar.

8. Qual foi a maior surpresa deste mundo a seu ver?
A maior surpresa para mim é a velocidade do mundo com o tempo de cerco de 24H. Como é costume prejudica os membros activos beneficiando os inativos mas por outro lado agrada-me pk é muito mais dificil de gerir as alianças que têm pesos mortos

10. Para terminar, quer deixar uma mensagem aos leitores?
Nada de particular, cada um é como é e joguem como se sentem melhor, todos temos feitios diferentes e por isso é que este jogo é tão envolvente, façam no jogo as loucuras que não podemos fazer na vida real pois isto é um mero jogo e do momento que as pessoas se divirtam vale tudo…


 

Entrevista realizada pelo jogador Academos14

Entrevista a S1MPL3X

Negrito: Entrevistador

Fonte normal: Entrevistado

1. Boa noite! Obrigado por ter aceite a entrevista, é um prazer inaugurar o jornal com uma entrevista a um jogador do seu calibre! Vamos avançar… Para começar, quer se apresentar aos leitores como jogador e pessoa?
Boa noite Academos,
Eu é que tenho que agradecer o privilégio de ser seleccionado para a entrevista inaugural deste jornal, ser escolhido no meio de tanta qualidade como a que temos neste mundo é um prazer e espero estar a altura das expectativas.
Passando à apresentação, sou o Marco, tenho 23 anos, sou uma pessoa perfeitamente normal que trabalha, diverte-se e tem como única religião o Sporting Clube de Portugal.
Como jogador, jogo isto à uns tempinhos, tive a sorte de conhecer e jogar a lado dos melhores jogadores, estrategas, líderes e Pessoas de sempre do grepolis PT e é graças a ele que hoje posso dizer que já fiz tudo o que tinha para fazer neste jogo. Também por eles, ou uma pequena parte deles, mantenho-me ainda hoje neste jogo para me manter ao lado daqueles que merecem cada esforço que se faça por eles.

2. O que está a achar do mundo Ítaca?
Bem, para já não está mau. Sou muito critico a mundos cerco, acho que tendencialmente são muito pouco competitivos e que muito cedo se sabe qual vai ser a história desses mundos. Espero que este seja diferente, temos aqui divididos em 3 alianças diferentes grupos que venceram o Phi, PSI, Atena, Bizancio e Delfos, vamos ver se este será um mundo de cerco competitivo, espero que sim!

3. Para si, qual está a ser a maior surpresa deste mundo?
A maior surpresa deste mundo é o facto do Metaleirog não ter entrado no mesmo, penso que é o primeiro mundo que abre do Grepolis PT que ele não entra, como tal sim, é a maior surpresa deste mundo.

4. Como é sabido, o maior inimigo da sua aliança, Sine Nomine, é a aliança Donos do Mundo. Sabendo que a Lead da a aliança rival vem de 2 mundos ganhos consecutivos não lhe faz o dobro da pressão defrontar uma aliança que já joga junta a alguns anos e que se conhecem bem, ao contrário da Sine que neste mundo apostou um pouco na mass recruit, com a principal cheia e a academia semi cheia?
O maior inimigo de uma aliança e ela mesma, quando se joga numa grande aliança não há nada que o inimigo faça que nos faça tremer, como tal, destas 2 alianças penso que a que sairá melhor é a que tiver uma melhor estabilidade interna.
Relativamente aos Donos do Mundo e a possível pressão sobre os defrontar, pelo contrário, quem me conhece sabe que o mundo onde mais aprendi sobre como me mexer neste jogo foi o Chi, onde tive sorte de ter como adversários jogadores como Vladimir, Montas, Fygo, Inapa, FilipeVeiga, Catxau, Xref, etc etc etc. Foi com estes grande jogadores a encher-me o jogo de espadas a piscar que aprendi a me mexer, a defender, a jogar, a contra atacar e agora espero que a história se repita e que jogar contra todos estes grandes jogadores da Donos Do Mundo me ensine mais e mais sobre este jogo e se assim for a minha motivação será sempre maior e a pressão será sempre zero.
Por fim, aproveito para lembrar, que sim os Donos do Mundo têm nos seus quadros jogadores que venceram 2 dos mundos de cerco mais recentes mas nós na Sine temos o fundador que fundou e liderou essas mesmas alianças, como tal, tem tudo para ser interessante.

5. Para além dos Donos do Mundo, que aliança poderá a vir a ser mais uma pedra no sapato da Sine?
Pedra no sapato da Sine? Todas as alianças do mundo, cada aliança, por pequena que seja, é fundamental no mundo, não considero nenhuma aliança “inútil” todas têm uma importância muito grande em cada mundo, e quem hoje em dia ignora alianças, sejam elas grandes ou pequenas, é alguém que não percebe nada deste jogo.

6. Na sua opinião, a Sine está a fazer um bom mundo ou podia estar melhor?
Sou um simples jogador da Sine, como tal, é óbvio que a Sine está a fazer um mundo Perfeito! Estou cá para ser mais um ao serviço da minha Lead e seja qual for a estratégia que a Lead optar para mim será sempre a melhor que poderia ser feita!

7. Se as Maravilhas começassem hoje, que aliança achava que ganhava?
Sinceramente? nenhuma aliança ganharia maravilhas se as mesmas começassem hoje.

8. O que acha do top15 alianças?
Como disse anteriormente, vejo 3 alianças com um papel de “Senhoras” do mundo, que são a Sine, os Donos do Mundo e a Be Quiet, depois em segundo plano como outsiders os DarkMalditos, MibR e Bellum Fridgum e as restantes penso que não tenham muita história a contar

9. Quais são os seus objetivos pessoais para este mundo?
Tentar ser o melhor jogador possível para a minha aliança. Vou procurar ser nesta aliança aquilo que gosto que os jogadores sejam quando numa aliança por mim liderada, como tal, o que eu farei será seguir todas as ordens e indicações da Lead, fazer o que me for solicitado e jogar sempre com o objectivo da aliança a cima de qualquer ambição pessoal. O que for melhor para o grupo que represento, será o melhor para mim.

10. Para terminar, gostaria de deixar uma mensagem ou um apelo aos nossos leitores?
Divirtam-se, respeitem os adversários, do outro lado há pessoas que merecem o nosso respeito e a nossa admiração, do outro lado há antigos, actuais e futuros companheiros, há jovens, adultos e idosos que são pessoas fantásticas, há senhoras bonitas (não é verdade Seninho? ), há país e mães de família, há pessoas que se divertem neste jogo e esquecem aqui os problemas do dia a dia. Aproveitem o jogo, façam dele algo que faça cada membro desta comunidade ter vontade de cá vir depois de um dia de trabalho desanuviar a cabeça que isso é que vale a pena.

Muito Obrigado mais uma vez por me teres escolhido para esta entrevista, um grande abraço a todos os leitores deste fórum e um beijinho ainda maior ás leitoras.

E nunca se esqueçam

O Grepolis PT Quer O Sporting Campeão!
O MUNDO QUER O SPORTING CAMPEÃO!

<3 u all
Most

Entrevista realizada pelo jogador Academos14

Vencedores do Mundo 18

Uma nova tribo é consagrada vencedora! O Mundo 18 chegou ao fim e das chamas a tribo Fènix, O Renascimento elevou-se no trono declarando-se vencedora com o total de 386.518.753 pontos e 39.241 aldeias!

Parabéns aos vencedores do Mundo 18!

Tribo vencedora: [@] Fx
1.º classificado: Mayada (IM)
2.º classificado: TORMENTER (IM)
3.º classificado: plick ([@] Fx)

Podemos concluir que o top 15 foi severamente disputado entre os jogadores da tribo [@] Fx e IM ao longo da batalha pelo 1.º lugar na classificação.

Mas ainda assim conseguiram dominar o Mundo 18, saindo-se vitoriosos!

O jogador que terminou em 1.º lugar na classificação foi o Mayada, com 14.493.897 pontos e 1.310 aldeias (11.064 média de pontos por aldeia).

Logo a seguir, em 2.º lugar na tabela, ficou o TORMENTER (14.387.056 pontos) e em 3.º plick (13.375.579  pontos) respetivamente.

Nos oponentes derrotados, na classificação das tribos, verificamos que a [@] Fx não conseguiu a liderança, ficando em 2.º lugar na classificação perdendo o 1º lugar para a Tribo oponente IM, que lidera a tabela com 3.552.416.217 Mio.

Em termos de oponentes derrotados pelos jogadores, o jogador merkkurio liderou a ofensiva com 110.895.312 Mio. e o jogador Crómium na defensiva com 137.457.628 Mio.

Configurações do Mundo 18

Início: 01 de setembro de 2010
Fim: 10 de janeiro de 2013

A equipa do Tribos felicita a tribo [@] Fx e o jogador Mayada pelas suas vitórias!

O Tribos por kempokamoritz

          Conheci o Tribos quando pesquisava na internet por “jogos online”. Como o meu computador era muito fraquito, não podia passar da linha dos jogos de browser, lol. Tinha acabado de vir da Alemanha (sou natural de lá) e, recentemente chegado a Portugal, decidi pesquisar por jogos em alemão. Ao fim de uns dias, lá descobri o Die Stämme (Tribos), na versão que continha a única língua que sabia falar. Tinha 8/9 anos quando comecei a jogar, e obviamente que não sabia, mal andava pelo fórum externo a pesquisar, nem haviam as missões que existem agora e outras novidades… Era apenas um passatempo de um “puto”. Saí passado umas semanas.

          Em 2004, no início do verão, antes do tão esperado por mim, Euro 2004, encontrava-me sem nada para fazer. Fui à internet e redescobri o que viria a ser a minha obsessão. Nessa altura tinha começado o Mundo 2 muito recentemente, mas decidi ficar-me apenas pelo Mundo 1, visto que começava mais tarde e que os jogadores estavam mais “entretidos” com os de sua pontuação que nem me ligavam… Dava para eu aprender a jogar, desenvolver técnicas, etc. Recomeçou o meu percurso no jogo. Mais tarde, começou o verão com os jogos de futebol diários nas TV’s gigantes espalhadas pela cidade – a febre do futebol – e rapidamente a minha conta foi apagada por inatividade.

          Em 2008 é que comecei a jogar “a sério” e desde aí que voltei que não largo o Tribos. Por esta altura, já “mais desenvolvido”, tanto eu como o jogo (comparado ao que estava no início), a minha aprendizagem foi muito mais rápida. Mas obviamente que nem sonhava ser possível conseguir fazer o que faço hoje.

          O início do jogo para mim, sinceramente, era uma seca. Sabia as bases de que tropas fazer se o meu estilo inicial fosse ofensivo ou defensivo, sabia que se tinha de farmar e, para ter melhor hipótese de trazer tudo cheio, dividir as tropas por igual de modo a que não tenhamos mais baixas do que o lucro por saque. Mas não sabia sprintar (e ainda hoje não sei sprintar muito bem…).

          Primeiro que tivesse uma aldeia… Nunca mais chegava o dia… Mas depois da primeira vinham as restantes mais facilmente, pois só fazia tropas na principal, lol. Era uma forma de conquistar mais aldeias, mais rapidamente.

          Conforme os mundos iam abrindo no servidor português eu ia entrando, mas sempre com muito tempo de diferença, para ficar mais longe de possíveis contactos com tops, no mínimo, até aprender a jogar minimamente, de modo a que conseguisse dar luta e não marcar apenas a minha sentença. Evoluindo, melhorando as estratégias, lendo o fórum e os primeiros tutoriais que lá apareciam e coisas dessas… Cheguei a participar em 5 mundos ao mesmo tempo:  Mundo 8, Mundo 9, Mundo 10, Mundo 11 e  Mundo 12. Ao fim de um tempo, optei por apenas 2 destes mundos, o mundo 9 e o Mundo 11. As aldeias dos outros mundos foram dadas a elementos da tribo perto de mim. E assim começou uma nova fase no jogo. No Mundo 9, com o tempo, consegui entrar para a CGRA, líder do k48, liderada pelo CGRocha. No Mundo 11, entrei no k42, e com o tempo subi para a líder do continente, a Warriors of Honour, liderada pelo ermesinde10. Mas não gostei de por lá passar – estava rodeado pela tribo. Decidi ir falar com um amigo, o Frederica, desse mesmo mundo para pedir convite para a tribo dele, a F.O.W., e fui aceite (estavam em guerra com a Warriors of Honour). Cresci, cresci, cresci e fiquei uma pedra grande no sapato da Warriors of Honour, pois não se conseguiam ver livres de mim, enquanto eu os noblava pelo interior e recebia apoios rápidos do top1 dessa altura, Frederica. Assim começou o jogo “a sério”.

          Aprendi a jogar com todos os jogadores que me rodeavam da minha tribo, e até dos que não eram da minha tribo. Shido de Mizar, Frederica, oulivas, wicca13, Shaubarak, dannyt, bombasman, xoliveira, B1ackS0ul, todos os jogadores que me conseguiam aturar no MSN. Estes jogadores são apenas os do Mundo11, apesar de ter aprendido com outros, por volta dessa altura também. Também aprendi a jogar com uns amigos meus do Mundo 9, o Lorde Chakal, Tito Maia e Kicca.

          Considero para mim jogadores chave todos aqueles de quem me lembro sempre que faço login no jogo. Para mim, os jogadores são o Shido de Mizar (considero-o um excelente jogador, líder e, o mais importante, uma excelente pessoa), wicca13 (uma verdadeira guerreira, ensinou-me muitas coisas sobre o jogo, mas também sobre como encarar a vida todos os dias, apesar das adversidades), Shaubarak (excelente líder e pessoa, não há mais nada possível a acrescentar, 5 estrelas).

          Adianto já que sou totalmente viciado nisto, geralmente olho aos meios para atingir um fim, mas, no entanto, um fim pode justificar os meios (ou não), mas isso depende de pessoa para pessoa… Já fiz tanta coisa para ficar mais tempo online no jogo… Recentemente consegui com que os professores me deixassem ter o meu computador à minha frente na sala de aula, para “tirar os apontamentos mais rápido”, visto que “sou muito lento a escrever à mão”, lol. Obviamente que utilizo o PC única e exclusivamente para a escola e não levo a minha PEN wireless para a escola. E obviamente que nunca usei o telemóvel como despertador, para a meio das aulas coordenar os ataques no jogo. Mas não foi a única coisa que fiz. Já fiquei “doente” num dia que os ataques de um coordenado que estava a sofrer iriam chegar, para poder movimentar melhor as tropas, coisa que mesmo com o PC à frente na aula só não dava nas vistas ao professor, caso o meu professor fosse, bem…, distraído. Diretas a meio da semana em tempos de aulas para defender a minha conta e continua assim… Sou totalmente viciado nisto.

          Sem dúvida que considero a competividade viciante. O facto de podermos evoluir sempre em algo e nunca chegarmos sempre a um patamar em que se possa dizer “sou o melhor a fazer isto!”. Falar com as pessoas, que geralmente são igualmente viciadas, é sempre engraçado – estar a falar com pessoas iguais a nos, mas com 20 ou 30 mais velhos.

          Claro está que há sempre horas para dormir, estar com os amigos, fazer desporto, divertir-mo-nos, vermos televisão, brincarmos com os cães, ajudarmos em casa… O dia tem 24h, 6/7h por dia gasto eu a dormir, fico com muito tempo livre para fazer tudo.

          Eu prefiro jogar ofensivamente, apesar de que se conhecer na conta que estiver a defender e estiver toda organizada por mim consigo fazer grandes feitos na defesa também. Ofensivamente, o meu recorde esta em colocar 20 fulls no mesmo segundo, seguido de nobres, e ainda ter o meu próprio noble train (NT) snipado com mais fulls meus, para evitar ao máximo que o snipem. Fiz isto poucas vezes, pois a paciência para organizar isto tudo num mundo avançado (onde jogo melhor, como endurancer) não é muita.

          Na defesa, como poucos portugueses sabem atacar forte e bem, um coordenado “coordenado” foi no servidor internacional, num mundo que tinha alguns portugueses a jogar, que estabeleci o meu recorde defensivo. Estive a sofrer cerca de 10.000 ataques, todos eles a chegarem em 30h mais ou menos, todos no núcleo da fronteira apenas, fakes, fakes NT’s, e muitos mas muitos fulls com catas para todos os edifícios. Totalmente tramado. O que fiz? Mandava a tropa passear e com as aldeias de longe snipava os NT’s, só conseguia isso… mas quando limpavam umas aldeias e tinham NT’s a poucas horas, com 10.000 ataques, era difícil de ver alguma coisa, pelo menos em tão curto espaço de tempo… Optava pela reconquista, pois era mesmo a única coisa a fazer… Perdi várias aldeias, reconquistei outras, mas no final, acho que não me sai mal…

          Já liderei uma tribo de raiz, criei-a com amigos meus do jogo. Foi no Mundo 22 português, a tribo chamava-se Spirit Thieves. Não eramos máquinas, nem pessoas com muito tempo livre, mas o ambiente lá dentro era ótimo (com exceção de alguns jogadores, sobre os quais me arrependo profundamente de ter concordado e ter deixado entrar na tribo).

          Que conselho daria aos novos líderes? Bem… Sinceramente: “cria uma tribo com um amigo teu do jogo, com quem normalmente fales muito e te dês bem, chama outros amigos nem que seja para se divertirem num mundo apenas 3 meses, dá para se desenvolverem um pouco sobre liderança. E como todos se conhecem uns aos outros (líderes – membros), sabem como se há-de falar quando houver problema, de modo a que tudo se resolva sem haver problemas maiores. Não façam recrutamento random pelo mundo, escolham quem conhecem. Podem não acertar na primeira vez, mas sempre dá para começar de algum lado”. O meu conselho não é grande coisa, pois de raiz apenas criei 1 tribo, apesar de já ter liderado outras tribos top de outros mundos.

          O mundo que mais gostei de jogar foi o Mundo 11, sem dúvida alguma. Para além de ter sido um dos meus primeiros mundos a sério, este mundo é diferente por causa das suas configurações – “Mundo 11, o mundo profissional” – torna este mundo diferente de todos os outros portugueses. Gostava que o próximo fosse de configurações iguais, mas a única diferença seria a velocidade (ia de 1 para velocidade 2), pois o nosso servidor bem precisa de um mundo de velocidade 2, e, se possível, sem bónus noturno, nem moral, nem rácio. Que espetáculo de mundo que seria.

          Também estou a pensar entrar num mundo novo brevemente. Talvez para o Mundo 27. Vou com um co-play, um amigo meu, Shido de Mizar, sem tribo no início e iremos afastado do core (que agora já não são os continentes centrais, mas sim à volta deles). Como não sabemos sprintar e somos melhor estrategas e endurancers, se queremos chegar a algum lado num mundo, há que começar de maneira onde apenas nos possam ver no nosso melhor.

          Se pudesse optar o que mudava no jogo era simples: assistente de fakes, visto que o script de fakes foi retirado. Também gostava que houvesse a possibilidade de editar a ordem dos grupos na página dos relatórios – esta função faz falta na minha opinião. Depois são outras que não me ocorrem no momento.

          Um dia gostava de entrar na equipa de suporte do Tribos. Tenho muito tempo livre, gosto de ensinar e esclarecer as dúvidas aos jogadores, tinha todo o gosto em fazê-lo se me aceitassem. Também por gostar de organização, acho eu, são várias coisas que me levam a gostar de estar na equipa do suporte…

Agora pessoalmente, no futuro, gostava de estar ligado a policiamento e investigação criminal. Também gostava de ir para a tropa ou de ter um trabalho à frente de um computador, de preferência em casa.

Nos meus tempos livres pratico desporto, muito desporto. Não sou de estar parado. Pratico futsal (sou guarda-redes) e também artes marciais (Kempo Karate Chines – Kajukenbo). No Kempo Chinês até estou na seleção nacional, onde já fui representar Portugal a um campeonato mundial em Espanha (Segovia, arredores de Madrid). Sai-me bem nesse campeonato, mas se os espanhóis admitissem que perdessem, eu não saia apenas com 2 segundos lugares e menos irritado do que sai nesse fim de semana. Agora estou parado em desportos, devido a lesões em ambos os joelhos. De resto, ouço música, vejo TV, jogo PlayStation3 online, brinco com os cães, tudo normal. Não digo Tribos, pois já nem considero um hobby, mas sim algo diário, que nunca falta.


kempokamoritz

 

Três anos mais tarde…

É verdade o tempo realmente voa, foram à exactamente três anos atrás que lançamos o primeiro mundo PT do Tribos, tal como em anos anteriores gosto de aproveitar este dia para ponderar o ano que passou e comparar com os anteriores… e realmente o ano que passou foi marcado com imensos episódios tristes e alegres, com partidas e chegadas.

Neste ano perdemos alguns membros da equipa e da comunidade que realmente marcaram a diferença e contribuíram para a melhoria deste jogo, e a sua falta é sentida todos os dias. Mas também tivemos revelações, novos membros que tem mostrado a cada um de nós que apesar de terem passados três anos ainda há um longo caminho pela frente a todos nós e a estes membros agradecemos por nos abrirem as portas a estas novas oportunidades.

Para mim, pessoalmente este ultimo ano foi um renascer e voltar a apostar em alguns projectos de gaveta tal como outros novos que surgiram, e honestamente, acredito que este ultimo ano foi a base para um novo patamar profissional que se aproxima. O curso deste quarto ano já se encontra definido, mas como qualquer bom gestor não devemos olhar para os problemas apenas no presente, mas colocar os olhos para o futuro e fazer o melhor possível para que eles não apareçam.

Assim sendo, é com uma postura realista que pouco posso adiantar do futuro que virá, mas ficam um pequeno aroma,

  • Em celebração do aniversario do tribos está a correr uma ronda speed em que os três primeiros classificados recebem 200 pontos premium.
  • Ainda neste tema de celebração durante esta semana iremos oferecer pontos premium aos jogadores em troca das suas histórias de tribos ao longo dos três anos que passaram.
  • Segunda-feira iremos ter o Clássico (também conhecido como alta performance) no Tribos, neste momento posso apenas adiantar que a velocidade deverá ser de 5x e a duração perto de 6 meses.
  • Segunda-feira serão introduzidos a uma fase final os mundos I, II e III e aberto um dialogo com os jogadores destes mundos sobre possíveis alterações ao mesmo.
  • Brevemente iremos contar com mais uma ronda de recrutamento de membros da equipa de suporte, pois queremos reactivar algumas iniciativas que foram perdidas com o tempo, tal como preparar novas.
  • Avizinha-se a versão 7.1 e com esta algumas novidades muito interessantes, mas isso será apenas contado no futuro.
  • Está quase a chegar a guerra PT vs ES, apesar de pouco ter sido dito nos fóruns PT e muita conversa tem sido feita nos bastidores, acreditem que se tudo correr conforme o previsto estamos presentes algo completamente novo e emocionante.
  • No correr do próximo mês chegará o mundo XXI (pt21), contudo este já se encontra disponível para testes da equipa.
  • E muito, mas mesmo muito mais!

Bem, resta-me apenas parar com a conversa e voltar ao trabalho, assim despeço-me de todos com um agradecimento por fazerem este um dos melhores jogos online.

Parabéns a todos nós,
Ricardo Vitoriano, Gestor de comunidades.

O Regresso da Grécia Antiga

Grepolis, a mais recente aposta da InnoGames GmbH, prometeu surpreender e assim o fez!

Os dados foram lançados e dia 17 de Fevereiro ficou marcado pelo regresso da Grécia Antiga ao mundo moderno. Um início de mais um jogo que já prendeu milhares de jogadores.

Após sensivelmente um mês de lançamento, o servidor português já conta com 3 mundos (Alpha, Beta e Gamma) e aproxima-se de 100 mil jogadores.

Decidimos então lançar o primeiro artigo após o lançamento do Grepolis, no nosso Blog, depois de um período de adaptação ao jogo, e começar a perceber como é que os jogadores entraram em mais uma jornada e o que mais lhes atrai, sendo então o tema desta estreia.

Depois da disponibilidade demonstrada, não poderia continuar sem antes agradecer a todos os jogadores que aceitaram participar no inquérito realizado. A todos um muito obrigado da equipa do Grepolis!

Como teve conhecimento do Grepolis e o que o levou a experimentá-lo?
A maioria dos jogadores entrevistados conheceu o Grepolis através de outros jogos da InnoGames GmbH, nomeadamente Tribos e The West. A curiosidade foi, sem dúvida, o grande empurrão para um jogo que tem tudo para ser um dos melhores e não desiludiu.

Iniciou-se o primeiro servidor português há sensivelmente 1 mês, qual o balanço que faz deste primeiro mês?
Neste primeiro mês de servidor, todos os jogadores destacam que já se começam a notar os bons jogadores existentes, assim como as primeiras rivalidades entre alianças, mas ainda tudo está no início.

O que mais lhe agrada no Grepolis?
Quanto às funcionalidades que mais agradaram os nossos jogadores no Grepolis, todos salientam os combates marítimos – a criação de transportes e os poderes divinos são duas das ideias criativas e realistas deste novo jogo – novas funcionalidades que trouxeram uma maior interacção entre o jogo e o jogador.

Entrevista a Manowar

(Esta entrevista foi efectuada pelo Moderador do The West: Sudritter)

É com prazer que vos trago a primeira entrevista a um jogador do nosso The-West, e quem melhor que o nosso conhecido Manowar? Primeiro a chegar ao nível 99, representa uma meta a qual muitos gostariam de chegar, sem mais introduções, comecemos:

.

Nome: Paulo

Idade: 36

Profissão: Professor

Localidade: Caldas da Rainha

Mundos em que joga: mundo 1

.

Sudritter: Antes de mais, queria felicita-lo por ser o primeiro a chegar ao nível 99, e agradecer por ter aceitado a entrevista para o nosso jornal, começo por questiona-lo de como conheceu o The-west?

Manowar: Antes de responder à pergunta, queria agradecer o convite. Conheci o The-West por intermédio de um amigo, o gilinho, que me convidou para jogar com ele. Ele já jogava há uns dias e disse-me que tinha descoberto um jogo muito porreiro. Lembro-me que na altura não estava com vontade nenhuma de jogar mais jogos online, mas lá fui só para lhe fazer a vontade…

.

Sudritter: De algum modo foi uma vontade que até ao fim não acabou, como se sente por ser o “top1” do quadro de honra do mundo 1 português, chegando até primeiro que o top 1 do .net até ao lvl99?

Manowar: Cheguei primeiro que no .Net !? :O Não sabia dessa!!

É verdade, a vontade de jogar foi crescendo à medida que evoluía no jogo. À medida que ia avançando, ia estabelecendo novos objectivos. O primeiro que estabeleci foi entrar no top 500. Nessa altura entrar no top 10 era uma miragem. A verdade é que continuava a subir e a querer sempre mais.

Agora que acabou, sinto que atingi os meus objectivos, e sinto-me de férias. Lol

Não posso evoluir mais, já não tenho que manter aquele rigor de ter o personagem sempre ocupado e de andar sempre com um olho no Burro e outro no cigano.

.

Sudritter: Já está a avançar para a minha próxima pergunta, que como eu devem haver muitos outros com essa dúvida. Nível 99, e agora? Como vai continuar o seu jogo?

Manowar: Essa “limitação” do jogo é algo que é frustrante. Não só para mim, mas para todos os jogadores que estão perto de atingir este nível. Foi algo que comecei a equacionar quando já devia estar num nível elevado. O que fazer depois? Houve uma actualização que nos levou a todos a acreditar que o tampão do nível 99 tinha sido levantado. Mas numa actualização posterior verificámos todos que afinal tinha sido um erro de tradução.

Nesta altura mantenho-me no jogo apenas a jogar em prol da minha aliança e para me divertir um pouco com os amigos que fiz no jogo. Provavelmente farei login cada vez menos vezes até que um dia a personagem é apagada.

.

Sudritter: Talvez uma actualização futura o permita reactivar a vontade de jogo, alias, com a nova actualização já poderá ganhar mais experiencia, mas teremos de esperar pelo anuncio oficial para ver os efeitos. Passando para a próxima pergunta, muitos consideram que foi uma “luta” no final entre você e o Mav3rick, por fim você passou-o o e acabou por ser o primeiro, como vê isto? Acha que foi realmente o melhor dos 2, ou ambos poderiam ter ganho o “título”?

Manowar: Acho que o vencedor poderia perfeitamente ser o Mav3rick, e se tivesse sido seria inteiramente merecido. É um excelente jogador e esteve na primeira posição durante muitos meses. Na fase final, foram vários dias em que no mesmo dia nos ultrapassávamos várias vezes. Houve alturas em que achei que poderia ganhar, outras em que pensava que ele já me tinha “arrumado”.

.

Sudritter: Foi de algum modo um despique interno, considerando a aliança, pergunto então, porque SF?

Manowar: Porque fui membro da SF?

.

Sudritter: Sim, porque não outra aliança? O que faz da SF a melhor na sua opinião?

Manowar: Eu não escolhi a SF. Nem escolhi a Gotham City. Fui escolhido!!!

Antes de ingressar nessa cidade, habitava uma pequena cidade – West Punks. Durante algum tempo recebi muitos convites, de cidades SF, UT e outras que não eram de nenhuma destas alianças. Mas os meus objectivos não passavam por mudar de cidade nem de me envolver numa guerra que não tinha iniciado. Por isso fui rejeitando os convites. Até que um dia o Mav3rick me faz o convite directamente. Argumentou sobre as vantagens do meu ingresso na Gotham e lá acabei por mudar de ideias e juntar-me à família Gotham. Foi uma decisão da qual não me arrependi, apesar de me ter custado sair da cidade onde deixei outros amigos, um deles o meu grande amigo gilinho.

.

Sudritter: De certo modo entrou numa aliança com bastantes jogadores respeitados e considerados por alguns “os melhores”, considera que a aliança e os companheiros o ajudaram a chegar a esta “meta dos 99”?

Manowar: Absolutamente!

Sempre tive o apoio de todos os habitantes de Gotham City e de muitos outros de cidades SF.

Aprendi algumas coisas com eles e acredito que alguém possa ter aprendido qualquer coisa comigo.

Por isso a minha vitória também é deles.

.

Sudritter: A actualização 1.22 tem sido bastante polémica devido à redução da importância dos reflexos e da resistência, considera-a justa, e como vai/iria esta actualização afectar o seu jogo?

Manowar: Confesso que não tenho dado grande importância a esta actualização já vai sair nesta fase em que… pouco me importa.

Supondo que esta actualização tivesse sido anunciada há algum tempo e que havia jogo além do 99, esta não iria afectar em nada o meu jogo habitual.

Quando constatei que o jogo ia acabar no 99, alterei radicalmente a minha forma de jogar para tentar ganhar vantagem através dos duelos nos últimos níveis. Se soubesse que o jogo continuava, teria mantido o meu ritmo e provavelmente ainda estaria a tentar a aproximação ao primeiro lugar.

Respondendo à outra parte da pergunta, se a acho justa… considero que não estou suficientemente informado para a considerar justa ou injusta.

.

Sudritter: Mas ainda há coisas para desvendar, vejamos o exemplo do significado das “3 chaves”, perde tempo com estes mistérios do The-West, e tem teorias sobre elas que queira partilhar com a comunidade?

Manowar: Para ter as 3 chaves teria que fazer as aventuras todas. Para isso teria que mudar as habilidades quase todas e mais do que uma vez. Não ganhando experiência não vou sequer equacionar concluir essas aventuras.

O meu jogo baseava-se na evolução e na aquisição de novas habilidades e atributos e dessa forma nunca fiquei curioso com o significado das chaves.

Daquilo que é conhecido das chaves, estas não me iam trazer qualquer vantagem, no entanto sei que há algumas teorias sobre elas…

.

Sudritter: E sobre a igreja, é religioso dentro do jogo?

Manowar: Acho que rezei umas 5 vezes quando comecei a jogar. Mas nunca cheguei a nenhuma conclusão sobre a utilidade deste edifício. Assim preferi não desperdiçar esses 15 min. a rezar. Preferi aproveitá-los para fazer o melhor trabalho que me fosse permitido.

É hoje que me vão revelar se a igreja funciona?

Ok, já sei, se me contas vais ter que me matar…

.

Sudritter: Bom, eu questionaria isso aos criadores, pois nesse ponto estamos no mesmo ponto de sabedoria 🙂

E sobre os fortes? Considera que foram propícios para a dinâmica de jogo?

Manowar: Foram uma lufada de ar fresco no jogo,

Gostei bastante da introdução dos fortes, acho que tornou o jogo mais divertido e certamente mais dinâmico.

Com os fortes muitos jogadores passaram a movimentar-se mais no mapa, E jogadores mais fracos puderam combater com jogadores mais fortes

.

Sudritter: Fugindo um pouco do dia-a-dia do The West, fale-nos um pouco de si, é complicado gerir o The-west com a sua vida pessoal?

Manowar: Não é muito fácil incluir o jogo na vida pessoal.

Há várias alturas em que o jogo e a vida pessoal não são compatíveis. Isto obriga a planear muito bem o que fazer com o personagem quando não vou poder jogar.

No meu caso, não posso aceder ao jogo no local de trabalho. Antes de sair de casa tinha que garantir que o “boneco” estivesse sempre ocupado durante a minha ausência.

Em casa também nem sempre é fácil… Há o trabalho que se trás para casa e a família que requer atenção.

E depois há as férias. Gosto muito do jogo, mas não deixei de ir de férias.

Há que arranjar solução para tudo e estabelecer prioridades.

.

Sudritter: Certamente que sim, por último, como todos sabemos o The-west continua em constantes actualizações, tem alguma sugestão para o melhoramento do jogo?

Manowar: Acho que uma sugestão é óbvia. Acabar com o limite do nível 99!

.

Sudritter: Para infinito? Ou tem uma ideia de outra “meta” futura?

Manowar: Para infinito. Muitos jogadores como eu jogam para evoluir sempre cada vez mais. E a ideia de andar meses a evoluir uma conta para depois acabar de repente provoca uma sensação de todo o esforço ter sido para nada.

O que não impede que haja mundos especiais com limite, para os que gostam.

.

Sudritter: 🙂 Em nome da equipa do The-West, gostaria de lhe agradecer pelo tempo dispensado, talvez os seus pedidos sejam solucionados, afinal cada vez mais gente se irá deparar com a sua frustração, até lá, adianto que já na próxima actualização a sua experiencia poderá subir, segundo os nossos dados actuais, basta esperar para ver o que a Innogames irá fazer desta vez para nos surpreender, certamente será algo que melhorará ainda mais o “nosso” jogo.

.

Manowar: Eu é que agradeço a oportunidade de falar com a equipa e de vos fazer chegar algumas das minhas ideias.

Apesar de ter muita pena que o jogo tenha acabado para mim, quero salientar que adorei jogá-lo e que é um jogo fantástico. O melhor que joguei até hoje!!!

Aproveito para desejar felicidades a toda a equipa do The-West e a todos os jogadores que jogaram comigo, sejam eles aliados ou adversários.

.

Sudritter: Igualmente para si, talvez uma actualização futura lhe dê de novo a oportunidade de jogar, ou talvez um mundo novo, quem sabe… De qualquer forma, um jogador que correu atrás do resultado, que não conhecia o jogo quando entrou no servidor, e que ainda passou a frente dos nossos companheiros do .net, merece sem dúvida o respeito e orgulho de toda esta comunidade.

.

.

E acabamos assim a nossa entrevista. Devo dizer que foi muito agradável falar com o Paulo, com alguns off topics (devidamente censurados nesta versão) pelo meio ainda se partilharam algumas preocupações e experiencias.

Sudritter

.

Comentários à entrevista no tópico do Fórum do The West: http://forum.the-west.com.pt/showthread.php?t=15467

Entrevista a LordShadow16

Depois de algum tempo sem entrevistas, por minha culpa, por falta de tempo na vida pessoal, volto hoje com uma entrevista a um jogador, que ficará na História do servidor Português do Tribal Wars. O jogador que se segue, foi o jogador a vencer o 1º Round Speed, no Server Português, que ocorreu no dia de Portugal (10/06/2009), estou a falar do LordShadow16.

.

Nome: Pedro

Idade: 16

Localidade: Vila Nova de Gaia

Mundos Activos: Br: 2 e 12

.

Mc: Quero, primeiro que tudo, dar-lhe os parabéns por ter vencido o primeiro Speed do Tribos Português, e agradecer ter aceite o convite para a entrevista.

LordShadow16: Obrigado e sinto-me lisonjeado por tal oportunidade.

.

Mc: Vou-lhe fazer uma pergunta que tenho feito a todos os jogadores já entrevistados, mas que acho que é importante sabermos. Quando é que começou a jogar Tribos? E como conheceu o Tribos?

Ls16: Comecei a jogar tribos quando o 1º Mundo abriu, em conjunto com alguns amigos fundamos a tribo PT. Após isso fizemos algumas fusões e acabamos por parar no TOP2/3.

Além de criarmos uma família enorme conseguimos dominar bastantes continentes, até que todos os nossos Inimigos e potencias TOP´s fundiram e declararam-nos Guerra.

Devido á grande falta de tempo da Liderança, por causa das aulas e tal, eu mais os dois Lideres restantes da Família, desistimos do Mundo 1 PT

Depois de muito tempo fora do Tribos PT, ouvi falar do SpeeD PT, e entrei para ver se encontrava uma cara amiga dos velhos tempos.

Conheci o Tribos a partir do tribal wars BR, mas conheci todo o jogo a partir da publicidade feita num jogo concorrente. Gostei dos gráficos e iniciei a minha carreira.

.

Mc: Certamente, ainda se lembra do nome da tribo. Pode dizer-nos qual era? E qual os outros jogadores com que partilhou a lderança.

Ls16: A tribo inicial chamou-se “Primeira Tribo Noroeste”, e criamos varias tribos com a mesma TAG nos vários cantos do Mundo 1 PT.

Depois unimos a Família a outras tribos, pois nós só não dominávamos todo o Mundo devido a tantos Inimigos.

Dai surgiu a CEL (Celtas), que agora é a TOP2 Mundo 12 BR.

Os outros jogadores com qual partilhava a Liderança eram o Afridi e Tuga, 2 grandes jogadores do Mundo 2 E 3.

.

Mc: Decidiu vir para o Speed, para ver se encontrava alguns jogadores antigos, e acabou por ganhar o Speed. Explique-nos a táctica que utilizou.

Ls16: Eu praticamente usei tudo o que tinha na manga, mas com grande prazer encontrei uma coisa que não se encontra noutros Speed´s, talvez por ser o primeiro do servidor. Isto é, havia muito companheirismo entre todos os jogadores que participaram, e acabei por ganhar graças a isso.

Em especial a minha vitória foi graças ao jogador Carniceiro, ele jogou muito bem até ao fim e ele podia ter vencido o Speed pois era um jogador a altura, mas a determinada altura começamos a conversar e ele acabou por ajudar-me a atacar Inimigos, ele e outros da tribo onde pertencíamos.

E no final eu peguei mais aldeias, muito mais rápido, mas o carniceiro não ficou atrás. Penso que foi um movimento de sorte.

.

Mc: Em que altura percebeu que poderia ganhar o Round?

Ls16: Quando o TOP1 ficou inactivo, a minha tribo aproveitou para ataca-lo em força e limpá-lo, e, quando ele voltou, já era tarde demais pois não tinha tropas para se proteger de tantos fulls, a tanta velocidade. Ai, foi uma passadeira para primeiro lugar.

.

Mc: O que acha que fez, para ganhar o Speed? Já que a diferença entre os 4 primeiros, é bastante curta.

Ls16: Imagina isto como uma pista de atletismo de muitos corredores. Há os que têm resistência e os que correm muito, e há os que têm pouca resistência e correm pouco.

Logo os que têm mais resistência ficam em primeiros e parece, que eu tinha mais resistência e corria mais.

.

Mc: Consegue dizer mais ou menos quantas horas este online durante todo o Speed? E mais ou menos quantas horas dormiu?

Ls16: 23h acordado e 1h a dormir, levo os Speed’s bastante a serio, especialmente quando preciso da premium.

.

Mc: Verifiquei que também ganhou alguns Speeds no Servidor BR. Vencer 3 Round Speeds, não é para qualquer um, e ainda gerir 2 Mundos activamente… como gere o seu tempo?

Ls16: Bem às vezes torna-se difícil, especialmente quando tenho coisas combinadas para ir a festas ou até para à discoteca, festivais, etc.

Mas tento sempre manter a actividade no máximo de tempo disponível que me sobra, mas na verdade é muito difícil jogarmos activamente no Verão pois na minha idade a ideia é apenas curtir e curtir, e não ficar muito tempo colado no PC.

.

Mc: Conte-nos um pouco acerca do seu historial no BR.

Ls16: De momento estou no Mundo 2 e 12. No mundo 2, sou da Família DOM, que é um dos Blocos mais fortes daquele Mundo e que está em Guerra com mais ou menos metade do Mundo, o que torna o Mundo bastante activo e competitivo.

O Mundo está reduzido a uns 1000 e tal jogadores, pois o processo de eliminação dos que tinham menos tempo acabou a algum tempo atrás. A Guerra lá é bastante difícil, mas isso é o que dá divertimento ao jogo, e até agora tive o prazer de jogar com muitos bons jogadores que merecem tudo só pelo seu companheirismo e devoto á tribo.

No Mundo 12 sou Líder da CEL, que é TOP2/3 daquele Mundo. Pertencemos a um grupo de tribos, que se juntam em guerras comuns para uma maior distribuição de pancada no inimigo.

.

Mc: Dando a conhecer um pouco da sua vida pessoal, como é que você se caracteriza?

Ls16: Sou um pouco arrogante e convencido, mas tenho confiança nas minhas capacidades, dentro e fora do jogo.

.

Mc: Quais são os seus hobbies?e o que gostaria de seguir nos estudos?

Ls16: Bem no tempo livre, pratico kick boxing, jogo voleibol e TW, claro.

Estou de momento a fazer o curso de Línguas E humanidades – 11º ano, mas vou entrar na Academia de Policia depois do 12º e tentar juntar-me ao GOI.

Espero eu que tudo corra bem.

.

Mc: Certamente irá correr bem. Voltando ao Tribos, Prevê voltar a jogar no Tribos.pt?

Ls16: Nesta altura ainda não sei. Depende do tempo que tiver este ano, pois uma conta sem actividade é um peso morto em qualquer Mundo e se for para estar a dormir prefiro nem entrar. Bem só o tempo dirá.

.

Mc: Já que joga isto à vários anos, certamente terá opiniões bem formadas acerca do Tribos. O que mais gosta no Jogo?

Ls16: Adoro o companheirismo que se desenvolve ao longo do tempo nas tribos, e a amizade e o afecto que ganhamos a jogadores com que convivemos diariamente no Mundo virtual.

.

Mc: Qual a maior crítica que tem a apontar ao Tribos?

Ls16: Sem dúvida, as traições que se desenrolam nos Speed´s. Todos sabemos que mundos com apenas algum tempo de duração geram uma competitividade enorme, especialmente os jogadores que estão no TOP20 desse mesmo Mundo, que querem ganhar a premium.

.

Mc: Tem alguma sugestão que queira dar para melhorar o Tribos?

Ls16: Sim. Reparei que num dos Rounds Speed, não se podia entrar e sair de qualquer tribo durante um bom tempo. Aconselho a Administração a não deixarem algum jogador sair de uma tribo, mal este entre numa, assim diminuiria a hipótese de traição por parte dos jogadores da mesma tribo.

.

Mc: Agradeço o tempo dispensado na entrevista, e desejo-lhe boa sorte no Tribos, e uma continuação de Boas Férias.

Ls16: Obrigado e continuação de bom trabalho.

.

Neste tópico do fórum, poderão fazer comentários á entrevista: http://forum.tribos.com.pt/showthread.php?t=17301

Entrevista a Albboteta

Venho agora apresentar-vos um dos primeiros jogadores a jogar o Tribos, começou a jogar no Mundo 1.
É o líder do Mundo 1, o primeiro mundo da comunidade PT, e um dos líderes da Melhor tribo do Mundo 1, a COVA.
Estou a falar obviamente do Albboteta.

Nome: António

Idade: 41

Localidade: Beja-Cuba

Mundos Activos: Mundo 1

Mc: Quero agradecer-lhe por ter aceitado o meu convite para a entrevista, e pelo tempo disponível par ao mesmo.

Vou começar por pergunta, como a todos os jogadores, como conheceu o Tribos, e como começou a jogar?

ALBBOTETA: Conheci o tw, por alguns colegas meus, começarem a jogar e até foram eles que me registaram. De inicio, não achei muita piada pois nunca tinha jogado em pc e, muito menos, jogos on line.

Mas comecei a jogar e entrei no vício até hoje.


Mc: Ainda se lembra em que dia começou?

Albboteta: Se não me engano foi em Março de 2008 entre os dias 12 a 14.


Mc: Qual foi a sua 1ª tribo?

Albboteta: B.T. – Brigada dos Templários.


Mc: Você é o líder do Mundo 1, o primeiro mundo PT. Conte-nos como foi o seu progresso até aqui.

Albboteta: Bem para chegar a n.º 1 é preciso ter-se primeiro gosto e disponibilidade, eu tive a sorte de quando me registei ficar no meio de K’s só com aldeias barbaras, e ai era fazer cavalaria leve, saques e recursos para nobres e conquistar o máximo de aldeias. Até ao ponto de passar 8 horas ao pc.

E como é do conhecimento de todos, o abandono de muitos jogadores que vão deixando aldeias, já feitas para a tribo conquistar, e ai é ainda mais fácil.

E o segredo para muito de isto tudo é nunca nos deixarmos bloquear num K, pois temos que ir vendo até que podemos estar e sair para outro, que tenha ainda aldeias para evoluirmos.

Eu já estou em 4/5 K’s para que possa ter sempre fuga. Basicamente é isto.


Mc: O que mais gosta no Tribos? Isto é, o que faz com que tenha ficado viciado no Tribos?

Albboteta: Gosto das estratégias que em conjunto, arranja-mos para tentar sermos os melhores.

Começarmos a conhecer pessoas e todos os dias falamos, uns dias discutimos outros estamos amigos. Em fim, há muitos factores que nos levam a viciar, eu hoje em dia passo ai umas 10/12 horas ao pc.

Depois, comecei a administrar uma tribo, que por sua vez é a número 1 do mundo, logo ai tenho muito trabalho e empenho porque gosto do TW.

Mais de metade das horas, que passo ao pc, são a resolver assuntos da tribo.

Jogadores que dizem esta aldeia pertence a mim o outro diz ser ele o primeiro que nobrou. Enfim dá-me gosto resolver assuntos da tribo.

Depois tenho muitos jogadores colegas e amigos meus, que discutimos algumas estratégias, de jogo num bar que frequentamos normalmente as tardes enfim basicamente é isto que me leve a viciar mais no jogo.


Mc: Realmente a sua tribo tem uma diferença de 10 milhões comparando com a 2ª melhor do mesmo continente. Qual o vosso segredo?

Albboteta: Nunca recrutar jogadores com menos da média do 40º. Jogador da tribo, só por estratégia do jogo a que se recruta um jogador com menos pontos.

E como pode ver a nossa tribo tem sempre menos jogadores que as outras, e temos sempre algumas desistências.


Mc: Sendo você, o líder do mundo 1, deve sentir alguma pressão. Como é que gere tanta coisa ao mesmo tempo? Liderança do mundo, liderança da tribo?

Albboteta: Bem, o difícil mesmo é chegar a primeiro, depois é só ir gerindo e fazer tropas, porque as aldeias estão vazias. Pois os recursos foram só para nobres, agora estou parado pois estive a carregar tropas até encher a fazendas das aldeias. Pois mais uns 5 a 6 dias vamos começar outra vez em ataques para subir mais uns pontos.

Quanto a tribo, pois tenho uma equipa por trás de mim muito boa, e assim consigo ter as coisas mais ou menos em ordem. O pior é a primeira hora é só abrir mensagem e ter que dar resposta a alguns, pois 50% nem respondo, é injúrias e coisas sem interessa.

Quanto a pressões são muitas como deve perceber, ter que estar atento aos inimigos, as diplomacias as fusões entre outras coisas para que a nossa família nunca esteja em risco.


Mc: Qual o seu principal objectivo, tanto a nível individual, e como líder de tribo?

Albboteta: È divertir-me e passar o tempo livre que tenho, pois não tenho hábito de passar o tempo em cafés e nada mais. Tenho uma coisa que me diz nunca entres em guerras pessoais por um jogo que não vale a pena, se chegar a esse ponto abandono de imediato.

E como objectivo principal era ver todos os K’s completos sem aldeias de bárbaros.


Mc: Como começou logo no mundo 1, acredito que tenha imensas situações de que se orgulha de ter feito, ou conquistado. Qual deles é que realmente o mais marca e orgulha?

Albboteta: Mundo 1, porque era os únicos que tinha-mos na altura, só depois apareceram os outros.

Situações que me orgulho ter feito, não tenho nenhum em especial pois o meu orgulho é trabalhar todos os dias para a grande tribo que é a cova, nunca deixando um jogador sem uma resposta ou ajuda. Que me lembre, a tempos atrás convidei uma jogadora para a COVA, e ela me disse que vinha mas a minha tribo ia-me atacar. Eu disse-lhe não ha problema eu defendo-te deles, ela não viu com bons olhos eu sozinho a defender tantas aldeias dela, mas o que é certo é que durante umas semanas esteve a ser atacada e eu a defende-la e não lhe conquistaram nenhuma aldeia.


Mc: Mais ou menos, quantas horas é que está online por dia, e quantas vezes faz log ins?

Albboteta: Depende quando estou de serviço, estou sempre ligado por estratégica do jogo. Mas não quer dizer que esteja a jogar, mas média de 8 horas por dia, estou no jogo.


Mc: Você tem um nick bastante diferente. Porque escolheu esse nick, e qual o significado?

Albboteta: È simples é o meu nome. António Luis Batista Boteta.


Mc: Você também tem uma conta activa no mundo 7. Está a pensar em levar em frente a mesma estratégia utilizada no mundo 1?

Albboteta: Não, até estou a ser atacado foi so para ver como era, não tenho tempo.


Mc: Tem alguma sugestão que gostaria de dar par ao Jogo?

Albboteta: Gostaria que não existisse jogador com multi contas, que esses jogadores fossem postos fora deste jogo. Também tenho dúvidas até quanto não haverá jogadores protegidos, pois tenho visto de tudo neste jogo.

Quanto a sugestões gostava que alguém do fórum do jogo nos disse-se quando acabará o jogo se existe já algum fim ou será em deixando de haver quem compre contas prémios.

Sugestões, não estou a ver nada a acrescentar, pois eu estou cá é para me divertir.


Mc: Qual é a pessoa que gostava de ver entrevistada par ao nosso Jornal?

Albboteta: Talvez o jogador que tem mais aldeias que eu da CEL 45, RedDevil.


Mc: Obrigado pelo tempo disponível para a entrevista. Desejo o maior sucesso no jogo, e muito mais na sua vida real, tanto para si, como para os seus.

Albboteta: Muito obrigado. Uma Páscoa feliz para si.


Mc: Boa Páscoa para você também.

Neste tópico do fórum, poderão fazer comentários á entrevista: http://forum.tribos.com.pt/showthread.php?t=11159

Entrevista a Imbativel Gerreira

Depois de uma semana atribulada, aqui vem mais uma entrevista para a nossa comunidade. Depois do pedido de muitas “famílias”, realmente decidi que esta jogadora deveria ser entrevistada. Não só pelo sucesso desta do mundo 2, mas também pela tribo em que está integrada, sendo uma das lideres. Estou a falar da imbatível gerreira.

Nick: imbatível gerreira

Nome: Isabel

Idade: 36

Localidade: Odivelas/Lisboa

Mundos Activos: Mundo 2

Mc: Gostaria de lhe agradecer a disponibilidade para esta entrevista, já que sei que é pouca.

Imbativel: Através de amigos que jogavam e despertou-me a curiosidade experimentei e fiquei viciada. Ate hoje, cá ando


Mc: Por onde começou a jogar tribos?

Imbativel: Comecei o jogo no Tribos português, faz um ano em Maio, no belo mundo dois mais tarde dei um pulinho ao mundo 1 e 3 dos quais desisti por amor a minha tribo a qual me dedico a 100%…


Mc: Qual foi a sua 1ª tribo no mundo 2?e qual a sua actual?

Imbativel: Bem, gostava de te dizer qual foi a 1ª mas acho q ate já nem existe e como lá tive muito pouco tempo nem lembro mais a 2ª e única e aquela em que estou ate hoje, já tendo passado por várias tags, quando entrei era a saudosa FCP sendo actualmente a gloriosa, e grande e inigualável *PAX*.


Mc: Qual é o seu estatuto na PAX?

Imbativel: Sou um dos líderes da *Pax* tendo título de rainha, pertencendo ao concelho da família PAX.


Mc: Falando um pouco sobre a sua vida pessoal, qual a sua profissão na vida real?

Imbatível: Sou operadora especializada de hipermercado.


Mc: Foi mãe á pouco tempo, certo? Como arranja tempo para organizar tanta coisa? Uma tribo inteira, e o seu filho?

Imbativel: Difícil amigo, mas tudo se consegue quando se gosta do que se faz e se faz com gosto. Por norma costumo dizer que sou como os cangurus sempre aos saltinhos, basta distribuir-se bem o tempo e da para tudo, com esforço claro.


Mc: Como explica os grandes feitos tanto seus, como da sua tribo?

Imbativel: Bem, tudo se resume que desde inicio sempre incentivamos todos a que acima de tudo levassem isto como um jogo virtual, no qual todos se deviam divertir e sempre disse que tribo significava, precisamente, união e jogo de equipa. Resumindo, a velha máxima de todos por um e um por todos. Depois sempre houve a preocupação de incentivar todos a participarem no fórum e foi-se criando laços de amizade.

Sendo que mesmo que isto um dia acabe, continuara a amizade, pois existe uma camaradagem e espírito de equipa que nos da muita força. Se e para atacar, atacamos todos se e para apoiar apoiamos todos, pois não e um jogo individualista onde exista a ganância pelas aldeias ou pontuação, e sim onde os grandes dão a mão aos mais pequenos…

Resumindo, somos um grupo de 80 e poucos amigos q se juntam no mundo virtual e ai primamos pela diferença.


Mc: Qual é o seu comentário acerca dos bloqueios recentes, que a sua tribo considera “tendenciosa”?

Imbativel: Penso que muita coisa devia mudar assim como penso que se deste lado há humanos, logo há falhas e cometem-se erros. Desse passa-se o mesmo e isso nunca irá mudar apenas há que tentar arranjar soluções que facilitem a que esses erros tanto de um lado como de outro diminuam ou ate desapareçam. Arranjar modos que o próprio jogo impeça de se cometer certos erros, que eu acredito que muitos são cometidos inconscientemente. O que mais me chocou e revoltou, admito que ate nem foi o bloqueio de contas e perdas de aldeias, e sim os bloqueios no fórum e o apagar posts, isso eu não concordarei em absoluto. Digam o q disserem pois ninguém e obrigado a ler, só lá vai quem quer, só lê quem deseja…

Resumindo, dificilmente se chegara a um consenso entre ambas as partes.


Mc: Só para que fique do conhecimento geral, dos cerca de 300 jogadores bloqueados, quantos é que eram da PAX?

Imbativel: Só sei acerca da minha tribo, que foram 4. Não poderei falar acerca da família inteira, já que não tenho conhecimento.


Mc: A PAX tem uma das maiores famílias da comunidade PT. É fácil de organizar tantas tribos?

Imbatível: Somos um total de 17 tribos e torna-se um pouco mais fácil quando existem bons lideres e quando esses lideres são orientados por dois grandes senhores neste jogo, que se trata do neiva764 e o rastafara1982, duas pessoas que muito admiro…

Reforçando o facto de haver muita comunicação entre todos nós, mas o mérito vai mesmo para esses 2 grandes senhores… Meu beijo grande neles dois.


Mc: Muitos jogadores criticam estas grandes famílias. O que tem a dizer acerca disso?

Imbativel: É normal… Por norma o ser humano critica tudo aquilo que cobiça, que tentam alcançar o que desejam sem conseguir obter, e depois vêem grandes feitos. Acusação e criticar números fica mais fácil que elogiar feitos. É facílimo dizer que somos bons porque somos muitos e não porque somos bons jogadores…


Mc: Para si, qual foi o seu maior feito, tanto a nível pessoal, como no jogo?

Imbatível: A nível de jogo, foi ao fim de quase um ano ver que consegui (não sozinha), unir oitenta e tal estranhos que se sentam atrás de um computador, longe uns dos outros, sem se verem, tornarem-se no que mais idêntico pode haver ,virtualmente, a uma família e serem capazes de se preocuparem uns com os outros e unirem-se nos bons e maus momentos.

Esse para mim e o meu maior feito a nível de jogo…

A nível pessoal foi conseguir chegar a esta bela idade e continuar uma pessoa alegre e bem disposta sem me ter tornado amarga com certos azares e contratempos que ocorrem ao longo dos anos. Continuo a ser uma pessoa que ainda olha aos meios para atingir os fins, esse para mim e o maior feito a nível pessoal. Ser feliz com o que tenho.


Mc: Como chegou a uma líder da tribo PAX?

Imbativel: Quando me lembro… Sendo muito chata com o meu querido amigo líder e rei tiagor, fundador desta magnifica tribo… Não fui chata a pedir cargos, mas um titulo que ele teimava em não dar, porque não se lembrava de nenhum adequado a uma menina. Sim eu era uma nina no meio de lindos guerreiros hoje amigos queridos, e eu sempre fui uma jogadora muito activa no fórum, então ninguém me calava, nem cala. Ainda brincava e acalmava as vezes os ânimos que se exaltavam, dava concelhos e incentivava. Já na altura o divertimento era união. Dei nas vistas na tribo, quando ele precisava de ir de férias e deixou-me a frente da tribo assim, sem água vai nem água vem. Lembro-me de entrar no fórum e ver um tópico a dar-me os parabéns, e eu pensei “. Mas eu não faço anos hoje..” ,e assim dei comigo líder e rainha de uma tribo com plenos poderes. E ate hoje, nunca mais me deixaram largar o cargo.


Mc: Tem alguma sugestão para o Tribos? Alguma coisa que quer que mude?

Imbatível: Gostaria se possível que o jogo permitisse que escolhêssemos uma quantidade de moedas pretendidas q fossem cunhadas em todas as aldeias, por exemplo, em vez de perder tempo em alterar a quantidade máxima de aldeia em aldeia, colocar logo por exemplo 7 moedas em todas. Claro que há coisas mais importantes, mas sinceramente o bloqueio deu-se agora na minha cabeça e não me ocorre nenhuma.


Mc: Qual a pessoa que gostava de ver entrevistada no nosso jornal?

Imbativel: Gostava q fosse o neiva764 e de saber tudo o que me perguntaste a mim. Como começou esta grande obra, e como consegue gerir tão bem esta enorme família também sendo ele um pai de família e trabalhador.


Mc: Quero agradecer-lhe o tempo disponível, que sei que é bastante curto, e desejo-lhe um enorme sucesso no tribos, e muito mais a si e ao seu filho na vida real, com todo o sucesso que desejo para mim.

Imbativel: Obrigado amigo, eu agradeço também o ter sido convidada. E deixa-me só mandar um beijo aos ninos e ninas q comigo partilham as horas que aqui passo e que tanto te chatearam para que fosse eu a entrevistada. Beijo *pax* eu um obrigado a vocês todos. Sem eles eu não era quem sou. Beijo para ti também.


Para comentários a esta entrevista, utilize o nosso forum: http://forum.tribos.com.pt/showthread.php?t=10693