Arquivo de etiquetas: peça

A viagem medieval’ 12

                    

11 de agosto. Mais um encontro das equipas de suporte portuguesas do Tribos, The West e Grepolis na Feira Medieval em Santa Maria da Feira.

Como amantes da Era Medieval, não poderíamos deixar de comparecer a tal evento.

O ponto de encontro foi, para começar bem, na taberna, mesmo em frente ao castelo da rainha D. Dulce. Boa conversa e boa disposição não faltaram até porque, mesmo a falar de crise, arranjamos sempre motivo para dar umas gargalhadas.

O castelo de Santa Maria, construído antes da fundação da nossa nacionalidade, vai dar origem a uma nova povoação: a Feira. É o centro administrativo e militar da Terra de Santa Maria, passando, a partir de 1188, a ser o reduto e abrigo das senhoras da Casa Real. D. Sancho I coloca à disposição da rainha D. Dulce e de suas filhas este Castelo, para o utilizarem como entenderem, assim como todos os rendimentos desta Terra.

Como sempre, gostamos de estar no centro da ação, mas desta vez estávamos “mesmo no centro” de onde decorreria uma batalha em frente ao castelo, e pediram-nos para sair do palco dos artistas – mal conheciam a nossa experiência em territórios hostis…

A peça retratava duas hostes de fações rivais – cruzados e mouros – que se encontram na terra de ninguém. Surgiram alguns membros do Clero que ouviram as provocações e os gritos de guerra. Havia vencedores e vencidos. Estava feito o juízo de Deus!

ARRAIAL DOS CRUZADOS
Os Cruzados, convocados para a Terra Santa, vindos do norte da Europa, passavam ao largo da península hispânica. Também a braços com os infiéis, eram algumas vezes chamados a participar nos ataques e ações militares perpetrados pelos reis cristãos na conquista das possessões mouras.
Estas expedições, chegando a terra, montavam arraiais, acampando perto da fortaleza ou do castelo que pretendiam tomar. Montavam as tendas e todos os apetrechos necessários à sobrevivência do dia-a-dia, para um largo período de tempo.

No final da peça, tirámos uma fotografia com os soldados – que conheciam o Tribos e logo se notou…, eram soldados corajosos! – e mostrámos que somos guerreiros mesmo fora do mundo virtual!

Depois da fotografia e de umas facadas nas costas conseguimos sair do local, devido à nossa experiência estratégica, vivos.

Rumo a território desconhecido, procurávamos o local onde iríamos jantar.
Durante o passeio, o coadministrador EnteiRocks ainda tentou comprar um sabre, mas o vendedor só aceitava euros e, como sabem, nós compramos tudo com recursos (ferro, madeira, argila, pedra…), TUP’s ou dinheiro (daquele que não agrada fora do velho Oeste), e nem com Premium conseguimos!

Entre as várias possibilidades, decidimos ir jantar umas francesinhas.

Voltámos à conversa enquanto aguardávamos mesa para jantar, acompanhados dos jogos olímpicos e os seus comentários de “bancada” – a brilhante vitória do Brasil sobre as arquirrivais dos EUA, no voleibol; o ouro de Chicherova, a única a saltar os 2,05m; a estonteante estafeta 4x400m feminina dos EUA; e, o incrível recorde do mundo do quarteto da Jamaica nos 4x100m – e, como é claro, da boa cerveja.

Depois do jantar, um novo passeio pela Feira Medieval, nova peça. Desta vez, a investida.

Prosseguindo a conquista do território, el-rei D. Sancho tem o apoio de várias famílias da alta nobreza. Estes cavaleiros, reunindo os seus homens de armas, e juntando-se às hostes d’el-rei, partem para o sul do território, onde se encontra o baluarte mouro. Aí chegando, montam arraiais em campo aberto e preparam-se para os possíveis ataques-surpresa, investidas fortuitas com o propósito de enfraquecer o inimigo.

Batalhas, infantaria e cavaleiros, flechas em chamas e tendas incendiadas… Tudo o que um amante desta Era marcante gosta de ver.

A ATALAIA
Uma atalaia (torre) tinha como função principal avistar e depois alertar as populações da sua proximidade, para qualquer investida realizada pelo inimigo. Localizava-se sempre perto de locais de passagem: vias, pontes, portos secos ou outros lugares estratégicos onde também poderiam existir outras fortificações de maior dimensão, estando esta sempre na dianteira da defesa e alerta dessas populações.

No fim do espetáculo, e apesar da confusão, conseguimos chegar aos nossos cavalos e regressar aos nossos povoados.

Um encontro a repetir certamente em 2013!

Obrigado a todos,
Ricardofr