Arquivo de etiquetas: pois

Tribos por Odracir 678

A minha história no Tribos começou exactamente à 3 anos atrás. Eu estava a jogar um jogo online, o qual já não me lembro do nome, e de repente vejo um anúncio que me chamou bastante a atenção, sinceramente não me lembro bem do que dizia mas era algo sobre um mundo medieval, este anúncio despertou a minha atenção pois eu desde pequeno que me sinto fascinado pela idade media.

Bem eu resolvi clicar em cima, do anúncio, para ver do que se tratava, como eu naquela altura ainda era um miúdo ao inicio não me queria inscrever pois tinha medo que tivesse de pagar algo, de repente olho e vejo escrito em letras enormes, “REGISTE-SE AGORA GRÁTIS”, eu resolvi arriscar e fiz o registo.

Naquela altura ainda não percebia nada de tribos, eu nunca tinha jogado um jogo de Browser na vida, então tentei fazer o que vinha no tutorial, basicamente era o chamado “autentico noob”,só para terem noção eu ao inicio enviei umas quantas tropas para uma aldeia como apoio, a pensar que isso servia para conquistar a aldeia, quando vi que as tropas não voltavam e eu não consegui aceder a outra aldeia pensava que tinha perdido as tropas, até que percebi que estar a apoiar um aldeia era estar a defendê-la, o mais giro é que só percebi isso passados uns 2 dias.

Bem nesse mesmo mundo eu tentei fazer a minha própria tribo, eu era um noob mas mesmo assim tentei aprender e tentei ensinar os que eram como eu, basicamente tentei aprender a jogar a um nível razoável mas sem nunca recorrer aos tutórias do FE (Fórum externo), nessa altura nem sabia que havia um fórum externo. Bem eu tentei desenvolver a minha tribo segundo aquilo que eu via as outras tribos fazerem, nessa altura tudo o que eu fazia na tribo fazia-me pensar que estava a ser um grande líder e ficava extremamente feliz. Bem naquela altura ainda não tinha percebido que a tribo deveria estar perto para o apoio ser mais rápido então convidada tudo o que era jogador forte, fosse em que parte do mundo fosse so para tentar ter muitos pontos. Até que chegou o meu pior dia no TW, o dia em que me conquistaram a minha 1ª aldeia, eu nessa altura já tinha umas 3 ou 4 aldeias, mas mesmo assim fiquei tão “chocado” que acabei por desistir do TW. Isto passou –se tudo no mundo 1 do server português.

Passado uns 6 meses voltei a convite de um amigo meu , eu nessa altura era uma espécie de noob evoluído, pois já sabia que tinha de fazer tropas só que ainda não tinha arranjado um método de o fazer e ao mesmo tempo evoluir edifícios. Esse meu amigo tinha uma tribo, era mais ou menos similar a minha no pt1, naquela altura até já eu sabia que aquilo não era a forma correcta de uma tribo “boa”, eu tentei explicar isso ao meu amigo mas ele não me ligou e ao fim de 2 ou 3 meses entramos em guerra com uma tribo bem mais forte que nós e, como é óbvio, perdemos sem dar-mos qualquer luta, não me orgulho disso, mas nessa altura nem liguei muito, Isto passou-se no mundo 6, numa fase já um bocado evoluída do mundo.

Bem depois comecei a jogar no pt9, com outro amigo meu, mas ai não estive muito tempo, tive de sair por causa das aulas.

E depois de tanta nobice, finalmente chega a parte em que eu comecei a jogar TW á séria, bem isto aconteceu no pt13, eu como em toda a minha vida sempre gostei de liderar entrei neste mundo com a ideia de criar uma tribo de ToP, neste mundo eu já tinha uma noção do que era uma tribo de ToP, já foi uma evolução não acham? Continuando, eu entrei para o K24 e lá comecei a desenvolver a minha tribo, continuei com o mass recruit, mas desta vez só recrutei no meu K, para os apoios serem mais rápidos.Passados poucas semanas de eu ter criado a minha tribo recebi uma proposta de uma tribo a MLN$, para nos fundirmos com eles, eu aceitei, depois essa tribo sofreu várias alterações fez mais fusões, mudaram de nome e outras coisas mais, até que no fim só ficaram cerca de 70 membros divididos em 2 tribos, pois o nº máximo de jogadores por tribo nesse mundo era 40, e foi ao longo desse percurso todo que eu passei a conhecer as várias ferramentas que o mundo do TW tinha para oferecer, como o FE e o TW stats, e aprendi a tirar o melhor partido deles.

Bem nesse mesmo mundo a minha tribo que estava em 8º na classificação geral, entrou em guerra com a OUT e BH, 2 das melhores tribos do server, a guerra durou e nós estávamos a aguentar-nos bem, até que o nosso líder deu a conta a um primo, e ele desfez a tribo, ainda a tentamos reconstruir mas já não deu, então a tribo toda separou-se e alguns, inclusive eu, desistiram do pt13.

Tentei voltar a pouco tempo para lá através há alguns meses mas não consegui conciliar com as aulas por isso tive de desistir de novo.

Bem depois de ter deixado pela 1ª o pt13 sai do jogo e só voltei passados uns meses, entrei no pt17, na EL CHE, um bom mundo com bons jogadores, mas infelizmente os lideres dessa tribo não tinham muito tempo para ir ao jogo e devido á desorganização da tribo fui conquistado por uma inimiga.

A meio da minha passagem pelo pt17, abriu o pt18, onde eu entrei logo que abriu, mas infelizmente fui expulso por multi-contas, o que não é verdade pois quem jogava era o meu irmão e é normal nós acedermos do mesmo PC e da mesma internet, desculpem o desabafo. Prosseguindo, eu não desisti e mais tarde voltei a entrar no pt18, lá, juntamente com grandes jogadores que conheci, criamos a NpD, uma tribo sem mass recruit com os melhores do K24 e K25, essa tribo ainda existe e estão a evoluir muito bem, eu sai pois não consigo conciliar 2 mundos de baixa velocidade neste momento, e também não gosto muito da ideia de co-playing.

Actualmente estou no pt20 onde, finalmente, consegui fazer uma grande tribo sem mass recruit só com bons jogadores e bem seleccionados, essa tribo continua a crescer tanto em pontos como em ODA, e basicamente ela é o meu orgulho e um culminar de vários anos a aprender a gerir uma tribo, a seleccionar jogadores e a jogar.

Também participo no clássico, mas ando lá “só a ver”, como se costuma dizer.

Bem e foi este o meu percurso ao longo do server português de TW.
Odracir 678

Os jogos e a vida pessoal…

Alguns dias atrás navegava pelo fórum e lia uma sugestão de artigo, como algumas pessoas levam o jogo demasiado serio e por vezes que tal interfere com a sua vida pessoal. Este é um artigo que me pôs a matutar sobre este assunto e especialmente na forma de como o abordar. Duvido que era esta a abordagem que o leitor queria ler, mas torna-se mais fácil para mim concluir algo através de uma “visão clínica”.

Assim arranco com o conceito jogo e a sua inserção na vida de cada um de nós. Jogos é aquilo que fazemos todos os dias, não é um conceito estrito a joguinhos de computador e de tabuleiro, na realidade tudo na vida acaba por ser uma espécie de jogo. É uma forma que o nosso foro psicológico se auto-regula para vivermos uma vida sã (mentalmente). Algumas teorias mais “arcaicas” definiam a vida como um sistema de desafios para se passar de nível de forma a se atingir novos pontos de maturidade.

O jogo (conceito generalista) torna-se assim uma parte integrante da nossa formação pessoal e aprendizagem como seres humanos, quem nunca jogou aos polícias e “roubões”? Que é isto senão um RPG (Role Playing Game) na sua versão offline. Porém, no desenvolvimento desta actividade rapidamente entram conceitos sociais importantes para a dinâmica cognitiva de todos nós, como as regras, a definição de papéis e um elo social de interacção entre diversos indivíduos.

Outro “jogo” comum e presente em todas as idades é a futurologia da mente, uma espécie de xadrez mental que fazemos todos os dias – simulamos (bem ou mal) decisões que temos de tomar e tentamos prever reacções, gosto de pensar que isto é uma espécie de simulador de voo dada a complexidade de variantes que temos de tentar controlar e o objectivo é falhar as twin towers.

Os jogos são onde a nossa mente se refugia, pois é o local ontem podemos teorizar e testar decisões e posturas que nos ajudam a formular as “verdadeiras decisões”. Sem termos de arrecadar com as consequências reais que a vida nos impõe.

Quando compreendemos este conceito que passamos a vida a jogar na nossa mente, devemos ponderar uma nova questão. Vivemos na era do High-Tech, temos emails, sms, telefones moveis, programas de mensagens instantâneas, vídeo-conferencias, etc… mas mesmo assim as pessoas ainda se deslocam milhares de quilómetros para concluir negócios, para ter conversas cara-a-cara… qual o motivo? Se o uso destas tecnologias nos permite comunicar muito mais rapidamente!?

A resposta a esta questão é simples, o contacto humano trás uma valência de sinceridade muito superior à conversa. Estar no mesmo local com quem se está a comunicar permite ler a linguagem verbal e não verbal expondo a pessoa a um nível de “stress” muito superior.

Então o que acontece com os jogos online, estes são o casamento perfeito para a nossa mente. Ora as nossa simulações mentais são sempre tão limitadas… nunca conseguimos prever todas hipóteses, mas podemos sempre citar uma das lei de Murphy: Quando sabemos as duas formas de algo correr mal e as corrigimos, surge uma nova que irá acontecer.

Desta forma os jogos online, permitem-nos interagir com as pessoas e “jogar o jogo”, teorizar e até pedir conselho. Mas a verdadeira vantagem é a combinação deste factor com a muralha do não estar presente, o facto de a pessoa estar blindada pelo monitor permite dar a tal segurança de preservação que o cara-a-cara nunca permitiu. E assim cria-se o mito do crime sem vítima (visível), pois facilmente as pessoas partem de um pré-conceito que sendo um mundo virtual ninguém leva a serio, mas as emoções à distancia, cara-a-cara, ou mesmo nas simulações intelectuais são sempre bem reais.

As dinâmicas num mundo virtual e desprovido do contacto directo são o paraíso da protecção pessoal pois ninguém consegue saber a sinceridade daquilo que está a acontecer, pelo outro lá é o inferno dos abusos pois ninguém vê a lágrima no canto do olho para perceber que está na altura de parar. Criando assim os que abusam e os abusados, sem intenções de fazer os outros sofrerem, afinal de contas apenas os loucos tem a necessidade de criar um péssimo dia a outra pessoa.

Como conclusão, se existe alguma… as pessoas não trazem os seus problemas para os jogos virtuais, apenas usam os jogos virtuais para substituir alguns dos jogos da sua vida. O que fazer então, o mesmo que faríamos numa situação “real” constroem-se mecanismos de auto-preservação e desenvolve-se a capacidade de comunicação directa sobre o que absorvemos dos dados estímulos.

A descascar a cebola do nosso ser,
Anjo da Guarda

Conta Premium – Benefícios

Conta Premium – Benefícios

Como conversado com o Lamios anteriormente sobre este artigo, vou editá-lo pois a meu ver, o anterior estava bastante incompleto.

.

Antes que comecemos a falar das vantagens da Conta Premium, temos que explicar o que é uma Conta Premium do Tribos. O que é uma Conta Premium?

A conta premium é nome que se dá a um certo tipo de conta, ou seja, o responsável da conta ou não, paga um valor monetário à empresa criadora do jogo (Innogames) para ajudar no desenvolvimento do jogo, a empresa criadora (Innogames) oferece uma conta premium. Essa conta premium têm várias vantagens…  mais à frente iremos falar sobre as vantagens.

Para quem não sabe, a abreviatura de Conta Premium é CP.

.

Quando se deve usar?

A meu ver pessoal, não tem significado algum usar a Conta Premium (CP) no início. Só verá a real diferença, quando começar a ter algumas aldeias. A título pessoal, conseguia gerir bem a minha conta, sem CP, até mais ou menos às 20 aldeias, mas a partir dessa altura, a CP dá um grande jeito, principalmente na poupança de tempo para efectuar o recrutamento, como a mudança entre as aldeias. Antes de ter premium, demorava cerca de 30 mins a efectuar o recrutamento, a verificar as aldeias e construções, e depois de ter a premium, demorava uns 15 mins. Este tempo, com uma média de 20 aldeias, claro.

Por isso, acho que a partir de um certo número de aldeias, a CP é essencial para a continuação de Jogo.

Se for Líder de uma tribo a meu ver acho que é aconselhável ter CP desde o ínicio, pois um brasão da tribo fica sempre bem, porque infelizmente ou não vários jogadores dão importância a isso.

.

Agora iremos falar sobre as várias vantagens que uma Conta Premium oferece:

– Fila de Construção:

A meu ver, é a única vantagem que justifica ter CP no início do jogo. Com a CP, poderá efectuar até 5 ordens de construção, tanto no Edifício Principal, como no Ferreiro. Poderá adicionar mais construções mas, a partir das 5, será cobrado um extra de recursos por cada ordem extra.

– Tamanho do Mapa: O tamanho do mapa pode ser ajustado do padrão 7×7 até o máximo de 15×15 campos, o que permite um estudo mais rápido dos nossos vizinhos e não só…

– Visualização geral da aldeia: Com esta opção, poderá ver o progresso das construções e recrutamento, em tempo real, e sem ser preciso aceder ao edifício, tudo na visualização gráfica da sua aldeia. Também verá a movimentação de suas tropas na visualização geral da aldeia.

– Marcar jogador com cores e símbolos de ataques: Uma das recentes actualizações trouxe um código de cores, para marcar os jogadores no seu mapa. Também terá símbolos sobre as aldeias, quando está a enviar comandos para as aldeias em questão, diferenciando os símbolos para uma melhor compreensão, tanto em atacar, como em ser atacado.

– Barra de acesso rápido: Para mim, uma das melhores coisas que a CP tem, para ganhar tempo a efectuar as variadas acções possíveis em cada aldeia, tal como pode colocar scripts que facilitem as suas acções.

– Menus de um clique: Outra coisa que nos poupa tempo é estes menus, que ao colocar o rato por cima deles aparece uma lista flutuante em queda com todas as opções dentro do mesmo. (exemplo: ao por o rato em cima de tribo, podemos aceder directamente a propriedades ou diplomacia)

– Scripts: A conta premium permite a utilização de vários scripts úteis, disponíveis no fórum do tribos. Alguns scripts, como o “script do mercado” ou o “recrutar em massa” são extremamente úteis principalmente quando já temos mais de 50 aldeias.

– Outras visualizações estão disponíveis: Terá outro tipo de visualizações das suas aldeias, como combinado (sumario de produção, pesquisas e tropas) forças (sumário de tropas nas próprias aldeias) comandos, em chegada construções, pesquisas, grupos. Estas opções faz com que possa organizar as suas aldeias como quer, e nomeadamente os grupos dão muito jeito, para as poder dividir por continentes ou por tipo de aldeia, o que facilita numa altura que está a ser atacado, e precisa de agir rapidamente.

– Navegar entre aldeias: A opção que mais gosto, e que me faz ganhar mais tempo, que é o navegar entre aldeias muito facilmente, e rápido. Ao pé do nome das aldeias aparecerá umas setas que poderão ir para as aldeias seguinte, conforme tiver as aldeias organizadas, sempre por ordem alfabética ou numérica. Uma outra boa opção, é na praça de reunião, que poderá visualizar as suas aldeias, como as aldeias recentemente atacadas, e até pode criar um favorito de aldeias.

– Informações do mapa: Aqui está uma das informações que foram trazidas recentemente, numa das actualizações e que ajudam bastante. Poderá ver, numa barra de informação, quando passar o rato por cima da aldeia, inúmeras informações, desde o tempo que cada tipo de tropa demora até chegar àquela aldeia, como a moral. Se for a uma aldeia sua, até verá os recursos e as tropas que tem na aldeia.

– Mapa político: Poderá, no seu mapa, activar o mapa político, e visualizar como estão distribuídas as áreas dominadas por si, e pela sua tribo.

Brasão: Poderá carregar um brasão para o seu perfil, e se for duque de uma tribo, para a sua tribo também.

– Recrutamento: Para mim, esta é também uma das vantagens de ter CP, que mais ajuda, quando tiver muitas aldeias, já que poderá efectuar o recrutamento das suas tropas, de uma só vez, sem ter que ir individualmente a cada aldeia, o que dá para ganhar imenso tempo para estudar os inimigos e claro atacar.

– Perfil dos Inimigos: Com a CP, terá um link directo (“Arquivo de Utilizador”) para o Twstats, nos perfis dos jogadores, tal como poderá adicionar o jogador à lista de contactos e marcar o jogador no mapa.

– Perfil das aldeias: poderá enviar recursos através do link da aldeia, como também poderá adicionar a aldeia aos favoritos, que aparecerá na praça de reunião ou mercado, quando necessitar de enviar recursos ou tropas.

– Academia: Excelente ajuda, para quando já estamos bem evoluídos. Podemos Armazenar recursos/Cunhar moedas em massa, sem ter que ir aldeia a aldeia.

Bloco de Notas: Pode guardar informações aqui, ajuda imenso quando é para sitting para troca de informações entre contas para que não se cometa alguma ilegalidade.

Amigos: Pode adicionar amigos, e verificar quando os mesmo se encontram online.

.

Aqui estão os factores principais, para que devamos usar Conta Premium, e o porquê. Certamente este artigo irá sofrer algumas actualizações, até porque acho que ainda poderá faltar algumas coisas para adicionar, e também em futuras actualizações de benefícios da conta Premium.

Concluo que, é impossível jogar sem ter Conta Premium, principalmente quando começamos a ter imensas aldeias, a meu ver pessoal, a partir das 20 aldeias, começa a ser essencial e de uma grande ajuda.

.

Agradeço ao Lamios, e nomeadamente ao Pekenino, para completar este artigo.

Poderá comentar este artigo no Seguinte link: http://forum.tribos.com.pt/showthread.php?t=20842

Dos primordiais do tw até aos dias de hoje

Artigo a sugestão de Horny Rhyno 🙂

Aqui está uma questão interessante. Desde o velho Tribos que todos nos habituamos a jogar, até este novo e melhorado, houve bastantes mudanças. Todas boas? Veremos. Toca a analisar 😀

Pacote Gráfico – se pusessem lado a lado o “velho” tribos e o “novo” tribos a diferença principal seria imediatamente esta. O pacote gráfico. Os edifícios foram melhorados, os homenzinhos dos recursos já mexem… Claramente uma boa mudança, mesmo para quem tem Tráfego Limitado pois disponibilizamos a ferramenta Vista Clássica.

Igreja – outra mudança importante… A igreja. Muitas questões se vêm à volta dela, do raio religioso, da aldeia A ou B, mas no geral as opiniões são de maioria esmagadora: uma implementação infeliz, mas nada de importante pois muitos mundos abrem sem ela.

Moral – tem muito que se lhe diga… será certo benificiar quem vai ao jogo uma vez por dia e cresce lentamente, ou deveríamos ser mais benevolentes com quem passa mais tempo por cá e trabalha para crescer rapidamente? A verdade é que o tribos é um jogo para todos, e que limites de tráfego, de tempo ou de possibilidades levam a que seja necessário “proteger” alguns membros menos activos. Se com isso beneficiarmos também os “morre-ao-sol”, parece-me um preço justo.

Membros de confiança – Outra alteração importante, seja na identificação de espiões ou na boa organização de uma tribo. Só traz benefícios 🙂

Mundo profissional – amado por muitos, odiado por ainda mais… O mundo11, primeiro mundo profissional do servidor PT, deu que falar. As configurações inovadoras foram uma lufada de ar fresco para uns e uma desilusão para outros. Bom ou mau? Depende da perspectiva…

Rondas speed – acho graça que ainda ontem falei com um jogador veterano, exclusivo mundo1 sobre as rondas speed, e consegui uma cara atónita… “O que é isso?”. Embora alguns jogadores se desliguem do resto, a verdade é que os speeds foram uma grande implementação para melhor no servidor PT … Próximo passo, speed de uma hora 😛

Termino assim o artigo

Fiquem bem e espero que tenham gostado

Lamios